Scarlett Johansson pode ter acabado de ser indicada para o seu primeiro Oscar (na verdade, dois), mas você sabia que a estrela de História de Um Casamento é também uma ganhadora do Tony? Para celebrar suas indicações ao Oscar, nesta semana, o Broadway.com está olhando para a carreira nos palcos de alguns dos indicados deste ano, incluindo Cynthia Erivo, Adam Driver, Jonathan Pryce, Al Pacino e Antonio Banderas. Alguns deles começaram no teatro, alguns deles eram estrelas de cinema que antes eram atraídos pelas luzes claras da Broadway, e alguns regularmente viajam para lá e para cá.

Abaixo, saiba mais sobre a alegre carreira nos palcos de Johansson, que está indicada este ano para Melhor Atriz (História de Um Casamento) e Melhor Atriz Coadjuvante (Jojo Rabbit).

Subindo no palco de Um Panorama Visto da Ponte (2010)
Como uma criança que estava crescendo na cidade de Nova Iorque, foi o teatro que fez Johansson querer ser uma atriz. Como ela contou ao Paul Wontorek do Broadway.com em 2010, “Eu, na verdade, comecei a atuar porque eu queria fazer um musical”, adiciona, “Eu devo ter visto Os Miseráveis um zilhão de vezes!”. Ela apareceu em sua primeira peça quando tinha nove anos: Sophistry, fora da Broadway, na Playwright Horizons, estrelando Ethan Hawke e Calista Flockhart (Johansson tinha uma linha).

Indo para 2010, quando Johansson fez sua estreia na Broadway no clássico drama de Arthur Miller, Um Panorama Visto da Ponte. A peça é situada em um bairro ítalo-americano no Brooklyn, onde Eddie de meia idade é obcecado por Catherine, sobrinha adolescente de sua esposa. Johansson interpretou Catherine em contraposto ao Eddie de Liev Schreiber.

Devido à sua representação suave mas forte da jovem mulher, Johansson ganhou o Tony Award de 2010 de Melhor Atriz por Participação Especial em Peça. Em um discurso cheio de lágrimas, ela disse, “Ser bem recebida nessa comunidade tem sido um absoluto sonho para mim. Desde que eu era uma garotinha, eu queria estar na Broadway e aqui estou eu.”

De Catherine para Maggie the Cat (2013)
Foi apenas três anos depois que Johansson retornou à Broadway, desta vez em um papel mais maduro como Maggie the Cat na peça vencedora do Prêmio Pulitzer de Tennessee Williams, Gata em Teto de Zinco Quente. O drama é sobre uma família do sul dos Estados Unidos em conflito quando o patriarca, Big Daddy, descobre que está morrendo. Enquanto isso, o filho preferido Brick e sua esposa Maggie enfrentam um oceano cheio de pedras no casamento. Na produção de 2013, Johansson interpetou Maggie de um ângulo que foi não só calculista mas também sensual

Ela também teve a ininvejável tarefa de ser a que mais fala no ato um. Como Johansson contou ao Broadway.com na época, ela é muito menos falante na vida real. ” Eu não tenho a histamina da Maggie na minha vida real”, ela disse com uma risada.

Johansson não tem estado na Broadway desde (sem dúvida porque a Marvel a tem deixado ocupada), mas considerando o quanto ela ama plateias ao vivo, não temos dúvida que veremos Johansson de volta aos palcos em breve. Como ela disse ao Broadway.com em 2013: “Eu percebi, ainda mais desta vez, que a quarta parede não é entre você e a plateia. Eles são o barômetro da verdade e da cronometragem e da nuance. É bastante tocante quando a plateia está com você e eles sentem você, enquanto você os sente. É um verdadeiro presente. Eu acho que essa é a melhor parte da apresentação inteira, sério.”