A Paramount Pictures divulgou nessa segunda, 13, um novo trailer para o longa Ghost In The Shell, Vigilante do Amanhã em português. O vídeo mostra um pouco mais da trama, centrada em um terrorista cibernético que hackeia mentes.

Ghost In The Sheel chega aos cinemas dia 30 de março.

Postador por Camila Rodrigues   em 13/02/2017   e arquivado em Filmes Ghost In The Shell Vídeos

A Paramount Pictures divulgou nesta quinta -feira um teaser do próximo comercial de “Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell” que será divulgado durante os anúncios do Super Bowl, no domingo. Assista o teaser nas versões dublada e legendada.

Durante a semana foi liberado também um novo pôster do filme, que vocês podem conferir na nossa galeria nas versões em inglês e PT-BR.

FILMES | MOVIE PRODUCTIONS > 2017 > VIGILANTE DO AMANHÃ: GHOST IN THE SHELL > PÔSTERES

Postador por Marina   em 02/02/2017   e arquivado em Filmes Galeria Ghost In The Shell

Em entrevista para a revista Innovation & Tech Today, Scarlett falou sobre seu mais novo filme ‘Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell’. leia a entrevista traduzida na íntegra pela equipe do SJBR.


Ficção cientifica é uma representante do futuro no presente- com histórias nos escoltando para fantasias e futuros enraizados na realidade. E, se isso for verdade, alguém talvez tenha pensado que ficção cientifica não teria o poder de permanência- que após cada década nós iriamos rejeitar os comentários e nunca mais dar a eles outra chance.  Entretanto, desde Frankenstein, de Shelley, em 1818, o gênero tem sido casa para clássicos que, por causa da enriquecida narrativa e previsões tecnológicas, permanecem relevantes nos dias atuais.

Caso em questão: Vigilante do Amanhã, um anime japonês publicado originalmente há quase 30 anos, com uma história que retrata o mundo de pessoas conectadas e desconectadas através de sua tecnologia, um mundo em que terrorismo cibernético é uma das maiores ameaças.

Com seu lançamento agendado para março de 2017, a adaptação live-action da Paramount para o popular mangá e anime já está fazendo manchetes, em grande parte por causa da protagonista e atriz de maior bilheteria de todos os tempos, Scarlett Johansson.

A coisa mais impressionante sobre Johansson é seu carisma. Embora essas não sejam as qualidades que alguém citaria primeiro, são a aura de inteligência, autoconsciência e sutileza que fazem de Johansson mais uma beleza clássica de Hollywood do que uma bombshell momentânea. E, do mesmo modo, sua filmografia reflete um investimento em personagens mais obcecados em missões de realização pessoal e autodescobrimento do que glamour superficial.

A personagem de Johansson, Major, em Vigilante do Amanhã, não é diferente. Por trás da ação cyberpunk do filme, há uma profunda história movida pela personagem- uma que, como Johansson diz, é especialmente relacionável com o mundo atual.

Innovation & Tech Today: Em um de seus despenhos mais memoráveis, você interpretou a assistente digital Samantha, no filme Ela, e aqui em seu próximo filme, Vigilante do Amanhã, você está novamente estrelando como uma personagem de inteligência artificial. Como você se preparou para esse papel e poderia citar alguma influencia especifica?

Scarlett Johansson: Bem, eu não diria que meu personagem tem inteligência artificial porque ela tem um cérebro humano. Ela é meio que um ciborgue, eu diria. Eu não tive nenhuma influencia, na verdade. Eu acho que seria um personagem impossível de ser influenciada, porque ela é, você sabe, uma pessoa experiente- bem, ela é uma pessoa e não é. [risos]

I&T Today: É complicado.

SJ: É complicado, mas ela experimentou uma perda de identidade e esse filme é tanto sobre a busca dela por um terrorista cibernético quanto à busca dela pela verdade sobre ela mesma. Sua própria identidade, seu passado… As experiências que foram tiradas dela.

I&T Today: Aqui está você, uma protagonista empoderada em um estado de vigilância policial futurística onde todos estão conectados pela tecnologia. Atrevo-me a perguntar, por que agora? O que te atraiu para esse papel e o que você acha que faz desses temas particularmente importantes para os dias de hoje?

SJ: Eu acho que, várias vezes, quando nós vemos o futuro, ele é retratado de maneira distópica e outras vezes parece meio estéril  e sem personagens. Eu acho que a ideia de futuro de Rupert (Rupert Sanders, o diretor) é uma que é muito mais realista ou, pelo menos, baseada em um tipo de realismo. Eu acho que isso mostra uma sociedade que é muito desconectada, um resultado do quão conectada ela é.  E eu também acho que, com certeza, você vê diferentes personagens no filme- pessoas, em geral-tendo essas melhorias cibernéticas para fazer suas vidas mais fáceis.  Mas, de alguma maneira, alguns dos personagens do filme, certamente o meu e o personagem do Pilou Asbæk, Batou, que é muito humano, expressam o desejo por cada dia da vida como ele é, ou como eles se lembram de ter experimentado.  E isso parece como uma conversa que ecoa atualmente.

Parece-se como uma conversa que eu tive com meus amigos onde nós meio que ansiávamos pelos bom e antigo dia onde você poderia, realmente, pegar o celular e ligar para alguém e não ter que decifrar uma mensagem ou esperar por um e-mail. Eu vejo meus amigos meio que discutindo com qual é a etiqueta de e-mail apropriada. Eu acho que todos meio que anseiam por um tempo quando tudo era mais ao ponto, mais visceral e real.

I&T Today: Eu sei o que você quer dizer. Existem protocolos e padrões que devemos seguir e às vezes isso parece meio impessoal.

SJ: Parece como se a ideia de futuro do Rupert tivesse tantas belas possibilidades quanto um tipo de desconexão. Mas, você sabe, eu realmente amei a visão de Rupert para esse projeto. Quer dizer, quando eu assisti o anime, pareceu como se isso fosse ser um desafio dar conta.  Eu não necessariamente obtive disso a imagem exata da experiência da personagem.  E o roteiro meio que seguiu o anime e foi mais impulsivo.  Foi difícil ter uma ideia de como a personagem dirigiria a história. E Rupert e eu realmente falamos sobre isso como uma história sobre maioridade, um tipo de perda de inocência, o que eu realmente espero que apareça no filme.  Com certeza, teve muita ação. O mundo é explosivo e visualmente intoxicante, que é o que a audiência espera. Mas, o que eles provavelmente não estão esperando, e esperançosamente vai fazê-los levar uma surpresa, é que é uma história dirigida pela personagem e, realmente, a história da jornada de uma mulher para se autocompreender e aceitar.

I&T Today: O anime é muito sofisticado e parece ter ênfase no mistério e nos personagens conflituosos. Eu percebi que esse é um tema frequente para você. Olhando sua filmografia, nós vemos várias rebeldes, desajustadas, cética e ovelhas negras a quem geralmente são dados poderes (Viúva Negra, sua personagem em Sob a Pele e agora Major, em Vigilante do Amanhã (Ghost In The Shell). Existe uma atração consciente entre você e esse tipo de papel?

SJ: Céus, eu não sei. Eu acho que nunca realmente pensei sobre isso. Talvez, subconscientemente, exista um tipo de conexão com essas personagens que estão tentando moldar uma história diferente para si do que é o esperado, talvez. Eu estou interessada em personagens que são curiosas em relação a elas mesmas e eu acho que, por causa disso, eu tenho interpretado personagens que estão em uma jornada particular. Eu espero sempre interpretar personagens que estão questionando o próprio destino e lutam contra o estado atual das coisas.

I&T Today: Eu entendi que a segurança cibernética é um componente importante ao filme. Mais e mais filmes estão incorporando a segurança cibernética como um dispositivo de trama (e, também, como um foco de trama). Você acha que isso continuará a ser usado como pauta no cinema e, caso a resposta seja afirmativa, por quê?

SJ: Bom, eu acho que sim, porque é um foco de trama como você disse, e é um bom tema. Também é um ótimo componente de trama. É um componente poderoso em qualquer uma dessas histórias, como se tivesse tomado conta da história. Eu acredito que conforme nos percebemos o quão vulneráveis nós somos, o quanto dependentes nós nos tornamos, seja como for que você quiser chamar isso, é inteligência cibernética. Eu mal posso operar um Blackberry. Mas eu acho que, de repente, nos últimos anos, nós ficamos como “oh, espere, existe um lado sombrio sobre isso”. Eu acho que nós, como uma sociedade, temos vivido felizes e consumindo informações e também deixado informações e pensando raramente sobre as consequências a longo e curto prazos. E agora é como se tudo estivesse vindo. É como uma besta, aparentemente sem fim à vista. Então eu acho que irá continuar a ser uma tendência, definitivamente. E certamente funciona bem para uma trama.

I&T Today: É definitivamente uma faca de dois gumes. E falando disso, olhando para trás em sua história com a atuação, há um monte de experiências no teatro clássico, como o seu trabalho na peça de Tennessee Williams. Claro, você também atua em um monte de filmes de grande orçamento que falou sobre lutando com essa relação no passado. Você verá clipes deles na frente de telas azuis e eles estão tentando imaginar o que está na frente deles. Como você descreveria seu relacionamento entre sua arte e as novas tecnologias que ajudam a facilitá-la?

SJ: Atuar em um projeto envolvendo um ambiente com CGI não muda realmente o processo de atuação. Quero dizer, eu não diria que é muito diferente que qualquer outro tipo de peça de teatro contemporâneo. Depende de como algo é encenado. Quero dizer, eu me lembro de ver uma produção de “Our Town” não muito tempo atrás, e o palco estava quase completamente vazio, apenas cadeiras, e foi isso. E todo o elenco estava naquele tipo de cenário. Eles estavam experimentando, provavelmente, uma coisa semelhante a como qualquer outro ator faz em um ambiente com CGI. Eu não acho que é diferente. Você está fazendo uma espécie de experiência inacreditável parecer crível, eu acho. E, quando você está experimentando o emocional do personagem, realmente não importa o que está na sua frente, eu acho. Você ficaria surpreso com a forma como você pode se surpreender. E, eu acho, como eu tenho ficado mais velha, eu tenho sido capaz de evitar a incredulidade muito mais facilmente por algum motivo. Eu penso, porque eu talvez fiquei menos autoconsciente como uma atriz, e assim eu posso ir mais longe em um ambiente onde no passado eu sentiria mais autoconsciente e um pouco estranha. Mas não parece ter tanta diferença, eu não acho.

I&T Today: Eu realmente nunca pensei desse jeito. A produção “Our Town” é um bom exemplo. É verdade que você não tem muitos recursos quando está no palco.

SJ: Quer, você tem às vezes. Mas, às vezes não. Lembro-me de que a produção no final do show, quando eles estão cozinhando o bacon, de repente eles introduzem um elemento de como realmente cozinhar bacon. E porque você conseguia cheirar, era tão místico. Ele foi realmente uma experiência surpreendente. Foi sucesso porque eu acho que houve essa jornada com os personagens de apenas deixar sua imaginação livre e confiar nos atores para levá-los onde eles queriam ir. Então, quando esse real elemento foi adicionado, era muito poderoso.

I&T Today: Bem, eu sei que estávamos falando sobre isso mais cedo, mas a partir de sua perspectiva, você sente que toda essa tecnologia em geral está nos tornando mais ou menos conectados?

SJ: Eu acho que é os dois, você sabe, eu quero dizer que eu falo com as pessoas que usam… eu não tenho nenhuma mídia social, e eu realmente não sei como usá-las então eu provavelmente, bem, eu acho que tenho uma diferente perspectiva por causa disso, mas eu olho para pessoas como minha mãe, que está no Facebook ou algo do gênero, e ela teve um enorme sucesso encontrar pessoas que ela provavelmente nunca pensou ver novamente, e ela se reconectou com eles. E você sabe, esse elemento é incrível. Pessoalmente, se eu não encontrei com alguém até este ponto, eu não irei encontrar novamente [risos]. Quer dizer, sou curiosa, mas não tão curiosa. Eu acho que eu mantenho meus amigos próximos bem próximos, e eu não sei se é realmente isso. Mas para algumas pessoas, soa fantástico. Sabe, realmente dá-lhes piscinas para chegar a… pessoas que compartilham sua vida com parentes em todo o país ou pessoas nas forças armadas. Facetime. Quer dizer, quantos casamentos tem ele salvou? Por outro lado, a ideia de ser capaz de ser quem quer que você quer ser e nunca realmente ter que falhar exatamente ou mostrando quaisquer partes de sua vida que você quer que todos vejam. A fachada de uma existência que você pode ter, criar para si mesmo online, é… eu acho que é estranho. Isso é muito escuro para mim. Nós estamos desconectados uns dos outros porque nós estamos desconectados de nós mesmos. E a realidade é a vida que nós estamos vivendo, que nós podemos estar vivos, podemos estar doentes e isso tem muitos efeitos negativos sobre as relações gerais.

I&T Today: É libertador, mas há uma espécie de um escapismo constante lá que pode ser problemático para um monte de gente,

SJ: Sim, acho que o escapismo é definitivamente importante. Inferno, eu estou na indústria que é, eu acho, a mais bem-sucedida e agradeço a Deus por isso. Eu amo ser entretido, e para – Deus, é ótimo para entrar em um teatro escuro e ficar longe por algumas horas. Mas você tem que realmente ser proativo e ir para um teatro e comprar um bilhete e sentar e se desligar. E o fato de que você tem um dispositivo e você está lidando com vida real e vida falsa, ao mesmo tempo. E às vezes você pode ter uma conversa realmente importante com alguém em seu dispositivo e ao mesmo tempo viver esta outra vida que são tão reais quanto. É estranho. É muito para as gerações futuras para navegar, e eu me pergunto o que vai acontecer.

I&T Today: Eu não queria terminar o que foi uma conversa intrigante de tecnologia e filmes com uma boba pergunta, mas não seria uma entrevista sem uma. Então qual é o seu filme favorito de robô de todos os tempos?

SJ: [Risos] meu filme favorito de robô de todos os tempos? Eu provavelmente teria que dizer O Exterminador, eu acho.

I&T Today: Essa é uma excelente escolha.

SJ: Sim, [risos] tenho que ir com O Exterminador. Sim, quero dizer, eu acho que é praticamente um consenso.

Postador por Marina   em 17/01/2017   e arquivado em Entrevistas Filmes Ghost In The Shell

Através de um vídeo no Youtube, o cineasta americano Wes Anderson anunciou seu novo filme: Isle of Dogs, uma animação stop-motion sobre cachorros. Ainda no vídeo, ele anuncia o elenco do filme, que contém atores como Edward Norton (Beleza Oculta), Bill Murray (Encontros e Desencontros), Jeff Goldblum (Independence Day: O Ressurgimento), Bryan Cranston (Trumbo: Lista Negra), Scarlett Johansson, entre outros.

Isle of Dogs ainda não tem data de estreia. No entanto, Anderson fala no vídeo que a gravação já teve início.

Você pode conferir o vídeo completo aqui:

Postador por Camila Rodrigues   em 26/12/2016   e arquivado em Filmes

Scarlett Johansson tem uma dupla de canções na trilha sonora do filme “Sing – Quem Canta Seus Males Espanta”, uma animação 3D dos mesmos criadores do filme Meu Malvado Favorito que será lançado um pouco antes do Natal. É o mesmo projeto que trouxe a música “Faith”, cantada por Stevie Wonder e Ariana GrandeUma das músicas de Johansson é “Set It All Free”, a música de abertura do álbum, que pode ser ouvida abaixo:

A trilha sonora completa será liberada no dia 21/12, mesmo dia do lançamento do filme aos cinemas.  Notavelmente, ela também inclui Matthew McConaughey cantando “Call Me Maybe” da cantora Carly Rae Jepsen.

Postador por Camila Rodrigues   em 25/11/2016   e arquivado em Filmes Outros projetos

Scarlett compareceu ao lançamento do primeiro trailer de Ghost in the Shell, Vigilante do Amanhã em português, nesse domingo, dia 13. Nas fotos ela apareceu ao lado do diretor do longa, Rupert Sanders, e do companheiro de cena Takeshi Kitano. Confira as fotos em alta definição em nossa galeria.

EVENTOS E APARIÇÕES | PUBLIC APPEARANCES AND EVENTS > 2016 > LANÇAMENTO DO TRAILER DE ‘GHOST IN THE SHELL’ EM TÓQUIO – 13/11

Scarlett no lançamento do trailer de Ghost in the Shell em Tóquio Scarlett no lançamento do trailer de Ghost in the Shell em Tóquio Scarlett no lançamento do trailer de Ghost in the Shell em Tóquio

Postador por Camila Rodrigues   em 13/11/2016   e arquivado em Eventos Filmes Galeria Ghost In The Shell
Status
Nome: Scarlett Johansson Brasil
Dominio: scarlettjohanssonbrasil.com
Webmiss: Marina
Desde: 15/06/2014
Versão: 2.0
Host: Flaunt.nu
Layout: JoshParrilla
Visitantes:
Projetos Atuais
VIGILANTE DO AMANHÃ: GHOST IN THE SHELL
Personagem: Major
Estréia: 30 de Março
Status: Pós-produção

SING: QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA
Personagem: Ash (voz)
Estréia: 22 de Dezembro
Status: Concluído

ROCK THAT BODY
Personagem: Jess
Estréia: 23 de Junho
Status: Filmando

Últimas Imagens
ùltimos tweets
Parceiros
Disclaimer
O Scarlett Johansson Brasil não possui nenhum contato com a Scarlett Johansson ou alguém que esteja de alguma maneira ligado a ela. Somos apenas um fã site com o intuito de informar fãs. Ao pegar conteúdo do site, nos dê os devidos créditos.
layout por Josh Parrilla Scarlett Johansson Brasil - Flaunt Network