Discurso de Scarlett Johansson causa uma grande mobilização da Flórida contra a violência doméstica.

O discurso da atriz Scarlett Johansson na Women’s March 2017 inspirou Amy Ballon a mover uma ação contra a agência estatal por má conduta sexual. Amy estava na sua casa na Florida assistindo Tv quando a Scarlett estava fazendo o seu discurso, Amy estava com medo de compartilhar o que ela sofreu. Ela falou “Naquele momento foi como se ela estivesse falando diretamente comigo pra televisão. Foi aí que eu percebi que deveria fazer alguma coisa— não podia ficar em silêncio.”

Para entender como Amy Ballon virou parte da campanha , precisamos voltar para 27 de outubro de 2014. O pesadelo de Amy Ballon começa quando ela foi atacada por violência doméstica pelo seu ex-marido.

Resumindo a história, Amy sofreu coisas muito graves pelo seu marido e quando finalmente teve coragem de ligar pra delegacia e os policias chegaram e o marido fez questão de dizer que era ex-policial. Tiraram fotos do local, exames de DNA, e não foi oferecido atendimento médico para Amy. A policia cometeu um engano e no caminho pra Los Angeles Amy foi presa. O departamento de policia decidiu acreditar no agressor que foi um policial em Daytona Beach por 5 anos.

Neste caso de prisão de Amy, a determinação do agressor primário foi mal julgada e há uma forte possibilidade que pode ter sido devido à cultura da Polícia protegendo e acreditando em um deles em vez da vítima, também conhecida como tratamento preferencial.

A Lei contra a Violência Contra a Mulher, promulgada em 1994 pelo então presidente Bill Clinton, ainda é atualmente uma lei federal dos Estados Unidos. Está para renovação em setembro deste ano.

Em vez de obter o apoio crítico quando Amy estava mais vulnerável e no pior tipo de turbulência emocional, ela foi vitimada por um especialista cibernético e funcionário da FCADV da Flórida. Ele se aproveitou da fraqueza dela. Em vez de ser profissional e advogar por ela, ele vitimou Amy no que era um dos pontos mais baixos de sua vida. A FCADV forneceu a Amy um empregado que é um agressor e predador, a mesma situação da qual ela tentou fugir.

O discurso da atriz Scarlett Johannson na Women’s March resume a vida de Amy e milhões de outras mulheres que estavam na platéia naquela noite “Minha mente desconcerta: como uma pessoa poderia apoiar publicamente uma organização que ajuda a dar apoio às vítimas de agressão sexual, enquanto predaria privadamente pessoas que não têm poder? ”(The Schmooze, 2018).

O estagiário mencionado acima, Steven Bradley, foi ainda mais longe usando sua experiência cibernética para abusar do sistema. Ele tentou encobrir seu comportamento onipresente e irregularidade com Amy Ballon, que por sua vez a fez perder mais fé e aumentar sua desconfiança no sistema legal. Isso também aponta para a culpa como se Steven não tivesse feito nada errado.

Conversei com a Dra. Ashley Hampton, proprietária e fundadora da LLC e da Psychology, Consulting & Evaluations, e também especialista em Traumatologia de PTSD. Segundo o Dr. Hamptom, no caso da situação de Amy, “Ela podia exibir explosões de raiva, uma resposta assustadora, emoções negativas como tristeza e ansiedade, sentimentos de que o mundo é um lugar ruim, problemas de concentração, problemas de sono devido a pesadelos, flashbacks e hipervigilância. Ela afirmou ainda que, como o trauma estava relacionado à interação com outras pessoas, esses sintomas poderiam se manifestar tanto em um local de trabalho quanto em uma situação romântica. Dr. Hampton também me disse que é provável que Amy tenha problemas com PTSD como condição vitalícia. Também não há medicação disponível para tratar o PTSD, o que complica ainda mais a condição.

Desde que este incidente ocorreu, a Coalizão da Flórida e seus funcionários realizam negócios de forma diferente. Existe uma alta probabilidade de que esta questão não seja nova na agência. A diferença é que Amy é a primeira vítima a desistir e falar. Como resultado de tudo o que ocorreu até agora, há uma queixa autenticada contra a FCADV.

Ao falar com Alexis Moore, ela também expressou que “O Procurador Geral e os funcionários da Flórida precisam ficar atentos a este caso. Eles precisam abordar essa questão de frente como fazem com outras profissões – não há interação sexual com as vítimas quando o seu papel como trabalhador é um defensor das vítimas. É triste que vivamos em um dia e idade que tenhamos que colocar esses tipos de diretrizes por escrito, mas isso deve acontecer ou as vítimas continuarão a ser vitimadas novamente, como Amy Ballon, neste caso”.

Desde este evento, Amy decidiu buscar reparação legal para encorajar outras vítimas de abuso com medo que podem ter sido vitimadas novamente a se apresentarem. Ela quer garantir que nenhuma outra mulher tenha que passar por essa experiência novamente. Amy abriu seu coração para ajudar outras vítimas inocentes. Ela começou a aumentar a conscientização para o inocente para fornecer uma plataforma para que as vozes das pessoas fossem ouvidas. Em essência, é uma comunidade de pessoas que apoiam as pessoas. Além disso, ela se envolveu muito em trabalhar para arrecadar dinheiro para o Projeto Innocence da Flórida. Amy agora tem 55.000 seguidores dedicados no Facebook, todos eles são pessoas que ela ajudou. Para o Projeto de Innocence do Trabalho de Conscientização da Flórida, Amy ganhou o Prêmio Humanitário People of Distinction. Recentemente, ela foi nomeada para o Prêmio de Advocacia do DOJ Offices of Victims of Crime. Amy também está escrevendo um livro sobre os eventos que ocorreram, cronograma para publicação ainda não está definido.

Quando perguntado para Amy o que ela diria para Scarlett Johansson ela disse: “Obrigada por ter me dado coragem de falar (denunciar) e .