Scarlett foi entrevistada pela revista sul-africana Essentials para a edição de Junho deste ano. Confira a tradução:

Scarlett Johansson, atriz vencedora de prêmios, fala sobre interpretar personagens femininas complexas, criar sua filha e co-parentalidade depois de um divórcio.

A atriz Scarlett Johansson, 35, tem tido um ano e tanto, ser nomeada para dois prêmios da Academia por seus papeis em História de Um Casamento e Jojo Rabbit. Agora ela está de volta nas telonas reprisando seu papel como a Viúva Negra, personagem da Marvel, no filme independente da famosa heroína.

A atriz ficou conhecida como uma atriz mirim quando tinha apenas 13 anos. Um de seus primeiros papeis foi como Grace MacLean em O Encantador de Cavalos – um drama dirigido por Robert Redford. Uma gêmea, e a segunda mais jovem de cinco irmãos, Scarlett cresceu em Nova Iorque com sua pai dinamarquês e arquiteto e sua mãe, Melanie, que tornou-se a empresária de Scarlett logo cedo na carreira da atriz.

Scarlett vive em Nova Iorque com seu noivo, o comediante Colin Jost, e sua filha de cinco anos, Rose, fruto de seu casamento anterior com Romain Dauriac.

Eu me separei do meu ex-marido quando minha filha era muito pequena. Se a Rose um dia me perguntar por que não estou mais com o pai dela, eu vou dizer: ‘Nós estamos melhores como amigos. Quando a gente era um casal, não era tão legal e a gente brigava. Agora, nós somos amigos.’

Nós nos comunicamos melhor e ainda podemos amar nossa filha separadamente. Eu quero que minha filha saiba que o nosso divórcio não muda como nos sentimos sobre ela.

Eu cresci sabendo que eu queria ser uma atriz e ser parte daquele mundo. Eu sempre tive uma grande imaginação e amava assistir a filmes. O que é engraçado é que, quando criança, todo mundo achava que eu tinha uma voz estranha que era profunda e rouca demais para alguém da minha idade. As pessoas achavam que eu estava resfriada. Mas acabou que isso virou uma vantagem para quando eu comecei a fazer audições para filmes – a maioria dos agentes de elenco amava minha voz.

Eu não tenho certeza se a minha filha realmente entende o que eu faço da vida. Filme ainda é um conceito um pouco abstrato para ela. Quando eu fiz a voz da Kaa em Mogli, eu pensei que seria um pouco demais para ela assimilar – a voz da mamãe saindo de uma cobra. A maior parte do tempo, eu quero mostrar a ela que a mãe dela é uma mulher independente que trabalha duro em um trabalho que ela ama. Eu acho que isso é importante.

Sim, eu sei dar alguns socos. Mas eu não gostaria de ser etiquetada como ‘‘estrela de filmes de ação’’. Em termos de treinamento de cenas de lutas e com armas, eu sou tipo uma veterana. E eu amo essas cenas – você sai completamente energizada e acelerada. Eu me considero um pouco fodona mas, se alguém realmente fosse me abordar no meio da rua para brigar, eu provavelmente esqueceria de tudo que aprendi e correria.

A desigualdade de gênero continua sendo uma força motora na nossa sociedade. Eu participei de diversas marchas por igualdade e direitos iguais, porque é algo pelo qual nós devemos continuar a lutar. Nós precisamos apoiar umas as outras, apoiar mulheres e lutar a boa luta. Eu continuarei fazendo isso o quanto eu puder. Eu sempre darei meu apoio.

Eu não percebi quando completei 30 anos. Eu estava ansiosa para isso mas, quando aconteceu, passou como um borrão. Tantas outras coisas estavam acontecendo que eu meio que perdi isso. Mas, eu me sinto, sim, diferente de quando eu estava na casa dos 20. Não tem como negar isso.

Eu não quero ser mais a ingênua – e francamente, eu não acho que eu consigo me livrar disso. Eu mal posso esperar para interpretar mulheres, não jovens mulheres ou meninas. Mas mulheres, mulheres reais. Eu acho que há mais oportunidade de aprender sobre você nesse campo do que em outro.

Um dos meus sonhos é ter uma vinha em algum lugar. Sabe, com uma fazenda orgânica onde nós podemos comer comida ‘‘fresca-da-fazenda’’ e tal. É meio que um desejo bem piegas, mas eu acho que amaria.

Eu amo animais – em alguns dias, mais que pessoas. Eu tenho um chihuahua e ela é completamente parte da família. Ao crescer, nós sempre tivemos pets em casa. A única coisa é, eu não gosto muito de pássaros. Eu olho para eles, mas não consigo segura-los. São as asas batendo, eu acho.

Meu senso fashion é bem racional. Eu gosto de roupas que são bem feitas e irão durar por um bom tempo. Eu não diria que eu aprendi qualquer coisa sobre moda desde que entrei na indústria cinematográfica – eu gosto de roupas e de revistas de moda, mas eu não sou a das tendências.

Fazer um álbum de música foi fantástico. Eu gravei um lá em 2007 e eu amaria fazer de novo. A experiência foi incrível; não só viver com a música que eu amo todo dia, mas também trabalhar com músicos tão maravilhosos. Nós tivemos toda uma pequena comuna criativa. Eu também amaria dirigir algum dia – eu quero dirigir desde que eu era pequena. Eu lembro de fazer O Encantador de Cavalos, olhar para Robert Redford e pensar: ‘Eu quero trabalho daquele cara.’

Veja Scarlett Johansson em Viúva Negra, nos cinemas em breve; e em Marriage Story, disponível para stream na Netflix.