O filme do momento: “História de Casamento”, desde a semana passada no cinema e a partir de 6 de dezembro na Netflix. Não se deixe enganar pelo título: “História de Um Casamento” não é um drama cheio de romance, mas os pequenos e grandes aborrecimentos que separam o casal Nicole (Scarlett Johansson) e Charlie (Adam Driver). O diretor Noah Baumbach (‘A Lula e a Baleia’) encontrou inspiração em seu divórcio da atriz Jennifer Jason Leigh, e Johansson também não precisou procurar muito a inspiração, porque seu segundo casamento, com um jornalista francês, também deu errado.

Scarlett Johansson: Marquei uma consulta com Noah antes mesmo de ele começar o cenário. Entrei na sala, pedi um copo de vinho branco e comecei a reclamar do meu casamento. Noah levantou-se e disse: “Engraçado, você está falando sobre isso!”

Quando você termina com alguém, começa a duvidar de si mesma. “Quem sou eu? O que eu fiz de errado? Como devo continuar?”, foi exatamente por isso que achei tão curioso trabalhar em “História de Um casamento”.

Entrevistador: Eu esperava ao longo do filme que tudo ficaria bem entre vocês dois.

Johansson: Muitos amigos e parentes me disseram que ficaram emocionados com o amor que o casal ainda sente um pelo outro, apesar das discussões. “História de Um Casamento” não é necessariamente um filme amargo. Acho que muitas vezes olhamos negativamente para os relacionamentos passados. Duas pessoas que se dedicam há muito tempo, isso não é sempre bom, independentemente do resultado?

Entrevistador: Nicole se mudou de Los Angeles para Nova York para mudar sua imagem de estrela adolescente. Lá ela conhece Charlie. Onde isso dá errado?

Johansson: Nicole quer ser levada a sério como atriz e Charlie é um diretor de sucesso em Manhattan. É assim que eles se encontram, mas é também isso que os separa. Nicole sente falta de sua casa e tem dificuldade em viver à sombra do marido. Há muita gente no filme. Na época dos meus vinte anos, tive a sensação de que sempre fui retratada de maneira hipersexual. Eu tive que lutar por um longo tempo para me livrar dessa imagem.

Entrevistador: Scarlett Johansson se joga tão profundamente que a fronteira entre ator e personagem parece dissolver-se”, escreveu nosso(s) cineasta(s) em sua crítica.

Johansson: Essa é a conquista de Noah. Ele veste seus atores com tanta força que eles começam a fazer coisas incomuns. Sou muito grato a ele por isso, mas foi realmente difícil (risos).

Entrevista traduzida do site Humo.