Dois filmes da Scarlett vão estar presentes no TIFF, o Festival Internacional de Cinema de Toronto esse ano.

Um deles é Jojo Rabbit que tem direção de Taika Waititi e um elenco incluindo Sam Rockwell, Scarlett Johansson, Rebel Wilson, Thomasin McKenzie e Roman Griffin Davis. Nesta ousada, tocante e cômica sátira sobre um jovem alemão que descobre uma garota judia se escondendo em sua casa e pede conselhos ao seu melhor amigo imaginário, Adolf Hitler.

Taika aproveitando essa notícia divulgou um novo pôster e um teaser trailer para o filme:

Teremos também Marriage Story dirigido pelo Noah Baumbach e o elenco composto por Scarlett Johansson, Adam Driver, Laura Dern, Alan Alda, Merritt Wever, Julie Hagerty e RayLiotta. Um diretor de palco e sua esposa atiz lutam por um divórcio esgotante de costa a costa que os empurra para seus extremos pessoais e criativos.

O cronograma completo do festival será divulgado no dia 20 de agosto.

Os dois filmes ainda não tem datas previstas para o Brasil.

Traduzimos a matéria do site We Got This Covered que revelou com exclusividade qual personagem será o vilão principal do filme, confira abaixo:

Uma vez que Vingadores: Ultimato está fora do caminho, o MCU estará avançando com alguns novos projetos muito interessantes. Um dos mais esperados e mais atrasados ​​tem que ser a Viúva Negra, na qual a icônica super-espiã de Scarlett Johansson finalmente conseguirá ser o centro das atenções.

Temos ouvido relatos conflitantes da Marvel Studios sobre o que o filme realmente será, com rumores de que ele seria definido em torno do bug do milênio (problema do ano 2000) para o outro lado. Marcado para filmar em junho, devemos saber mais em breve. Mas a partir de agora, podemos pelo menos confirmar, graças à nossa fonte confiável, que o principal vilão será o Taskmaster (baseado na versão ultimate), e que a Marvel Studios quer a estrela de Moonlight André Holland para o papel.

Para aqueles que não estão familiarizados com o Taskmaster, ele é provavelmente um dos mais importantes vilões da Marvel que nunca chegaram na tela grande. Seu truque é que ele tem memória muscular perfeita, o que significa que tudo o que ele precisa fazer para aprender um estilo de luta é observar alguém usando-o. Como tal, o personagem é um espadachim especialista, artista marcial, atirador e atleta.

Ao longo de seu tempo no Universo Marvel, ele observou e absorveu poderes de todos os tipos de heróis, incluindo as habilidades do Gavião Arqueiro com o arco, as habilidades de arma de fogo do Justiceiro e a habilidade atlética do Demolidor. Curiosamente, o único herói que ele é incapaz de imitar é Deadpool, já que ele é inerentemente imprevisível. É fácil imaginar como o Taskmaster funcionaria como um adversário da altamente treinada e habilidosa Viúva Negra, potencialmente combinando suas habilidades com artes marciais e armas ao longo do filme e a forçando a se adaptar de maneiras novas e criativas.

Seria ótimo ver o André Holland participar também. O ator está na sua ascensão ultimamente, tendo virado cabeças em Moonlight, Selma e no show Castle Rock. Tenho certeza de que estaremos aprendendo mais sobre a Viúva Negra muito em breve, mas enquanto isso, diga-nos, você quer ver o Mestre de Tarefas como o vilão?

A DiscussingFilm com exclusividade anunciou que o filme será marcado pelo lendário compositor Michael Giacchino.

Michael Giacchino já marcou filmes como ‘Os Incríveis’, ‘Super Escola de Heróis’, ‘Ratatouille’, ‘Star Trek’, ‘Up – Altas Aventuras’, ‘Star Tours: The Adventures Continue’ (atração em 3D da galáxia de Star Wars nos parques da Disney), ‘Planeta dos Macacos: O Confronto’, ‘Divertida Mente’, ‘Jurassic World’, ‘Zootopia’, ‘Rogue One: Uma História Star Wars’, ‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar’, ‘Viva – A Vida É Uma Festa’ e ‘Os Incríveis 2’. Ele também está definido para compor a trilha sonora de “Homem-Aranha: Longe de Casa”.

Jojo Rabbit é escrito e dirigido por Taika Waititi, o filme vai se concentrar em uma sátira da Segunda Guerra Mundial, onde Jojo “Rabbit” Betzler é um menino que viveu durante a 2° Guerra. Seu único escapismo é através de seu amigo imaginário, uma versão etnicamente imprecisa de Adolf Hitler, que empurra as ingênuas crenças patrióticas do menino. No entanto, tudo isso muda quando uma jovem desafia esses pontos de vista e faz com que Jojo enfrente seus próprios problemas.

O filme será estrelado por Roman Griffin Davis, Thomas McKenzie, Taika Waititi, Scarlett Johansson, Sam Rockwell, Rebel Wilson, Stephen Merchant e Alfie Allen.

Tradução e adaptação da matéria da Empire Magazine sobre a nova edição da revista deles:

Seis heróis originais. 22 filmes. Um grande malvado. Tudo se resume a isso – estamos no final do jogo agora. Já passou quase um ano desde que Vingadores: Guerra Infinita estreou e seu final surpreendente com metade dos heróis do Universo Cinematográfico da Marvel parando de existir. Agora os membros remanescentes dos heróis mais poderosos da Terra precisam resolver isso – bem vindo a Vingadores: Ultimato.

A nova edição da revista Empire gira em torno do evento de cinema da década, o maior dos maiores blockbusters que lança a linha clássica dos Vingadores – Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro – contra o próprio Titan, Thanos. Essas linhas de batalha estão refletidas nas duas capas de banca: primeiro, os Vingadores reuniram-se para a missão mais importante de suas vidas:

E a segunda cara mostra Thanos, pronto para defender seu admirável mundo novo:

Dentro da edição, você encontrará uma grande novidade sobre o maior filme da Marvel e sobre como eles criaram o mais ousado final de bilheteria da década, e como eles vamos fazer tudo em Ultimato.

Ah, e se isso não bastasse, a edição também vem com o Empire Apresenta: Vingadores – o fim de uma era – uma revista bônus na qual saudamos os seis membros centrais do MCU, os super-heróis da tela que mudaram de cinema para sempre:

Teremos mais informações sobre a Natasha e Vingadores: Ultimato na edição de maio da revista Empire que estará a venda a partir dessa quinta-feira, 21 de março, incluindo novas entrevistas com o elenco, diretores, escritores e o cabeça do Universo Cinematográfico da Marvel, Kevin Feige.

A atriz em ascensão Florence Pugh está em negociações para contracenar com Scarlett Johansson em Viúva Negra, o longa-metragem da Marvel sobre a heroína dos Vingadores.

Cate Shortland, a cineasta australiana talvez mais conhecida pelo drama nazista “Lore”, está dirigindo o projeto que deve ser filmado em junho, em Londres.

Detalhes do enredo estão sendo mantidos atrás da cortina de ferro, mas será uma história ambientada internacionalmente centrada em Natasha Romanoff, uma espiã e assassina que cresceu sendo treinada pela KGB antes de romper com suas garras e se tornar um agente da SHIELD.

Pugh vai interpretar uma espião no mesmo nível de Romanoff, provavelmente seu oposto.

Jac Schaeffer escreveu o rascunho mais recente do roteiro do filme.

Pugh, representada pela WME e Bloom Hergott, já tem trabalho de espiã em seu currículo, tendo atuado como agente secreta na minissérie da AMC, The Little Drummer Girl. Ela também apareceu em The Outlaw King com Chris Pine e o muito elogiado drama familiar Fighting With My Family.

A Marvel não comentou sobre.

Variety divulgou hoje que a Scarlett Johansson que iria estrelar e produzir um novo filme dirigido por Rupert Sanders chamado “Rub & Tag” não fará mais parte do projeto. Confira a tradução da matéria abaixo:

Scarlett Johansson saiu do drama “Rub and Tug” pouco mais de uma semana depois de seu escalamento ter provocado reações violentas em meio a grupos de trans e ativistas, uma fonte com conhecimento da situação confirmou à Variety.

“À luz das recentes questões éticas levantadas em torno do meu escalamento como Dante Tex Gill, decidi retirar minha participação no projeto respeitosamente”, disse Johansson à Out Magazine, que primeiro noticiou a notícia, em um comunicado. “Nossa compreensão cultural das pessoas trans continua avançando, e eu aprendi muito com a comunidade desde que fiz minha primeira declaração sobre o meu casting e percebi que era insensível. Tenho grande admiração e amor pela comunidade trans e agradeço que a conversa sobre inclusividade em Hollywood continue. De acordo com a GLAAD, os personagens LGBTQ+ caíram 40% em 2017 em relação ao ano anterior, sem representação de personagens trans em nenhum grande lançamento de estúdio”.

“Embora eu tenha adorado a oportunidade de trazer a história e a transição de Dante à vida, entendo por que muitos acham que ele deveria ser retratado por uma pessoa transexual, e agradeço que esse debate, embora controverso, tenha provocado uma conversa mais ampla sobre a diversidade e representação no cinema”, continua a declaração. “Acredito que todos os artistas devam ser considerados iguais e justos. Minha produtora, a These Pictures, busca ativamente projetos que entreter e ultrapassar fronteiras. Estamos ansiosos para trabalhar com todas as comunidades para levar essas histórias mais pungentes e importantes para o público em todo o mundo.”

O New Regency ganhou um leilão para o filme em 2 de julho, e foi programado para ser dirigido por Rupert Sanders, que já trabalhou com Johansson em “Ghost in the Shell”.

“Rub and Tug” foca em Dante “Tex” Gill, um chefão do crime que usou seu salão de massagens como fachada para prostituição nos anos 70 e 80. Gill nasceu Lois Jean Gill, mas identificado como homem.

Johansson e a produção foram golpeados nas mídias sociais, com muitos pressionando por um ator trans para interpretar Gill.

O representante de Johansson enviou anteriormente uma declaração para vários meios de comunicação em resposta à reação, que não ajudou a acabar com a controvérsia: “Diga a eles que eles podem ser direcionados aos representantes de Jeffrey Tambor, Jared Leto e Felicity Huffman para comentar”.

A GLAAD respondeu à notícia com um comunicado na sexta-feira, celebrando a decisão, bem como aqueles que se manifestaram contra o elenco.

“O anúncio de Scarlett Johansson, juntamente com as vozes dos transgêneros que falaram sobre este filme, estão revolucionando o futuro das imagens transgênero em Hollywood”, disse a presidente e CEO da GLAAD, Sarah Kate Ellis. “Hollywood mudou a forma como os americanos entendem as vidas de gays e lésbicas, e a TV está começando a fazer o mesmo com pessoas transexuais, com representações autênticas de transgêneros sendo grandes sucessos junto à crítica e ao público. A indústria cinematográfica tem uma oportunidade real de fazer o mesmo ”.

Atualmente não está claro como a produção de “Rub and Tug” está após a saída de Johansson.