03.03
2022

A estrela de “Viúva Negra” lança hoje sua linha de cuidados com a pele – não importa se ela está notavelmente fora das mídias sociais. “Estou muito animada para criar conteúdo para The Outset e me envolver com nossa marca dessa maneira”, diz ela. “Mas eu não preciso compartilhar fotos do meu café da manhã para fazer isso.” 

O início da primavera está a semanas de distância, mas pequenos sinais de renovação continuam se apresentando. Roupas em tons pastéis macios como pétalas. Cortes de cabelo novos. Escritórios constantemente zumbindo de volta à vida. Tudo isso se manifesta na janela do Zoom, onde Scarlett Johansson (suéter cor de salmão, cabelo loiro nítido) está sorrindo da sede de Manhattan da The Outset, sua nova marca de cuidados com a pele. Nada sobre os seis produtos minimalistas sugere o poder de estrela que vem dos gigantes da Marvel e queridinhos da arte como Lost in Translation e Her. Em vez do nome da atriz nas caixas brancas, há pequenos logotipos que denotam fórmulas livres de crueldade, uma instalação neutra em carbono e caixas feitas com energia eólica. Se há algum aroma de Johansson – um sobrenome transmitido por seu pai arquiteto dinamarquês – está na simplicidade escandinava do design: frascos de vidro fosco com tipo azul centáurea.

“Continuamos voltando ao início, um recomeço, todos os dias parecendo uma nova oportunidade, elevando todos os dias, o essencial – todas essas palavras”, diz a atriz sobre as primeiras chuvas de ideias. “E, eu não sei, Kate teve esse golpe de gênio.” The Outset, batizado pela co-fundadora e CEO, Kate Foster, explora um espírito de otimismo – uma sintonia brilhante para um projeto que se aglutinou ao longo de dois anos pessimistas. “A primeira vez que nos encontramos pessoalmente foi logo antes da pandemia explodir – na verdade, nos encontramos em um restaurante que infelizmente não existe mais”, lembra Johansson. Aumentar um negócio em meio a uma turbulência global teve seus desafios obviamente, mas o estado das coisas também ofereceu uma janela de oportunidades. “Nós estávamos tipo, ‘Ok, a situação meio que amenizou e aqui estamos; somos apenas nós. Vamos ao trabalho’”.

Se uma frase como o início sinaliza uma ardósia limpa, essa filosofia também se estende à sua visão de uma paisagem reformulada de cuidados com a pele, com ingredientes considerados e acessibilidade de todos. (O creme noturno protetor é o maior item de bilhete, por US$ 54 [aproximadamente R$280]) No coração da linha está uma rotina elementar de três etapas: um gel micelar para limpeza suave, um sérum reafirmante e um hidratante reforçado com esqualano. Preenchendo a linha estão dois tratamentos direcionados: uma aplicação semelhante a uma loção para os lábios (lançamento em breve) e um creme para os olhos para suavizar linhas finas. (É algo que se tornou um sucesso com o marido de Johansson, estrela do SNL e co-proprietário da Staten Island Ferry, Colin Jost.)

Para Johansson, cujo trabalho nas telas se expandiu para uma produtora, parece natural que seus papéis anteriores de embaixadora de beleza a inspirem a criar algo próprio. A ideia de construir comunidade era central; sustentabilidade também. “Fazer algo que era uma necessidade sem contribuir para um problema era um pilar importante para mim”, diz ela, ecoando a abordagem calorosa e pragmática da marca. Aqui, ela revisita seus piercings Y2K, sugere os próximos passos de The Outset e fala sobre a análise persistente em torno da maternidade.

Vanity Fair: No final dos anos 90, quando você apareceu com Robert Redford em The Horse Whisperer, ele descreveu seu nível de maturidade como “13 indo para 30”. Essa consciência antecipada se estendeu aos cuidados com a pele?

Scarlett Johansson: É tão engraçado que você trouxe isso à tona. Bem na época em que fiz O Encantador de Cavalos [tradução pt/br], eu estava começando a ficar adolescente, tipo, acne hormonal. E eu me lembro – isso realmente mostra o quão cuidadoso você tem que ser com o que você diz aos jovens – o maquiador na época estava tipo, “Uau, o que é isso? É como o Monte Vesúvio.” Ele estava descrevendo minha acne e isso me fez sentir terrível. Eu tive problemas de pele por muito tempo, bem nos meus 20 anos. Mesmo antes disso, comecei a usar maquiagem quando eu tinha oito ou nove anos para gravações, minha mãe sempre me lembrava de cuidar da minha pele. [Não importa a] quantidade de beleza ou iluminação ou qualquer outra coisa, no final do dia, chegar em casa e lavar a maquiagem e ver sua pele, você está lá consigo mesmo. Estou hiper consciente de como isso afetou minha própria autoconfiança.

VF: Chegando à maioridade nos anos 90, você experimentou a beleza de maneiras que pareciam emblemáticas da época? Ou você teve que optar pelo esteticamente seguro porque tinha audições?

SJ: Tive sorte porque saí para fazer um filme por alguns meses e, no resto do meu tempo, tive uma infância muito normal crescendo na cidade. Eu saía com meus amigos, saía por aí. Foi sentido de certa forma mais fácil na época – talvez porque não havia telefones com câmera e mídia social, e poderíamos simplesmente desaparecer na vida da cidade. Eu furei meu nariz e minha sobrancelha; eu gostava de batom azul. Raspei as sobrancelhas do meu amigo. Eu ainda sou repreendida por eles por isso. Eles ficam tipo, “Minhas sobrancelhas nunca cresceram depois da oitava série quando você as arrancou”. Eu digo, “Garota, você adorou na época.”

Agora está tudo voltando, o que é muito louco, só para ver toda a [obsessão com] maquiagem, cabelo e moda dos anos 2000. Mas acho que você deveria fazer todas essas coisas – você é um adolescente e é apenas uma parte importante de sua autodescoberta e auto expressão. Tive sorte de não ter uma mãe maluca sobre minha carreira que não me deixava tocar naquele espaço.

VF: Em quais mulheres na tela você se inspirou desde o início – por suas performances ou seu senso de identidade na vida real?

SJ: Assisti a muitos filmes da era de ouro de Hollywood e era um grande fã de Judy Garland. Ela era tão bonita e vulnerável, e era uma atriz incrível de se assistir. Suas performances pareciam tão emocionalmente puras e disponíveis. E eu amei Winona Ryder enquanto estava crescendo. Eu acho que ela também tinha esse tipo de abertura e vulnerabilidade. E, claro, o estilo dela era ótimo fora da tela também. Ela estava linda em Edward Mãos de Tesoura – esse é um dos meus filmes favoritos – mas ela também era uma adolescente nele. Ela está encontrando sua independência; ela ainda é uma garota, mas está se tornando uma jovem. É apenas uma personagem muito boa.

VF: Você já trabalhou com marcas de beleza no passado. O que o levou a criar The Outset?

SJ: Trabalhei como embaixadora de marcas por muito tempo e [eventualmente] – porque este é um projeto no qual estou trabalhando há mais de cinco anos – senti que não queria representar os padrões de beleza de outras pessoas. Eu superei isso como pessoa e tinha confiança para começar algo que parecia verdadeiro para mim. Mas eu não sabia como começar; é uma indústria completamente diferente do que eu faço no entretenimento. Comecei esse mergulho profundo, tentando entender se o que eu estava procurando também era o que o consumidor estava procurando, então não parecia que eu estava fazendo algo para mim. Eu sabia que não queria licenciar meu nome. Eu sabia que queria começar algo por conta própria que fosse de uma semente. E eu sabia que queria construir algum tipo de comunidade em torno da marca. Foi só quando conheci minha parceira co-fundadora, Kate, que tudo começou a se cristalizar.

VF: Que sentimentos a frase “beleza de celebridade” traz para você?

SJ: Não é algo que você pode fugir, sabe? O fato é que tenho uma carreira próspera no cinema. Trabalhei por 30 anos nessa indústria e é algo de que me orgulho muito. Eu gostaria que esta marca, é claro, se destacasse porque os produtos são ótimos, e se eu puder iluminar eles de uma maneira útil, fantástico. Mas também espero que possamos construir uma comunidade que fique além do reconhecimento do meu próprio nome. Eu não preciso aumentar meu próprio ego e ter meu nome e rosto em todo lugar, mesmo com The Outset.

VF: De uma forma abstrata, quais momentos em sua vida foram uma espécie de recomeço – um tipo de sentimento “inicial”?

SJ: Houve muitos momentos iniciais para mim, tanto na minha carreira profissional quanto na minha vida pessoal. Obviamente, ter filhos é a maior mudança de vida. Eu tenho dois filhos, [e] depois de ter minha filha [Rose, agora com seis anos], levei muito tempo para ter esse tipo de sentimento de novo começo. Eu estava tão envolvida naquela fase primária e preocupada, onde você ainda está conectada ao seu bebê. E então eu fui trabalhar logo depois disso. Eu sempre senti que estava tentando acompanhar e criar algum tipo de equilíbrio entre vida profissional e pessoal, o que acho que provavelmente é uma mentira.

Foi só quando minha filha ficou mais independente de mim, provavelmente por volta dos dois anos, que me redescobri. Eu estava tipo, “O que é mais importante para mim na minha vida?” Eu senti que o trabalho que eu estava fazendo e as escolhas que eu estava tendo pessoalmente deveriam ser intencionais de uma certa maneira, onde eu não queria sentir que a vida estava acontecendo comigo. Eu sabia mais o que não queria na minha vida e na minha carreira.

E, é claro, houve outras vezes. Quando eu tinha 20 e poucos anos, houve um período em que eu realmente me senti como se eu estivesse meio classificada e pudesse me mover lateralmente com meu trabalho, mas não fui realmente empurrada para isso. Percebi que tinha que criar minhas próprias oportunidades para fazer isso. Na época eu tinha me comprometido a fazer uma peça de Arthur Miller, chamada A View From the Bridge, na Broadway, e foi um grande passo para mim fora da minha zona de conforto. Eu fui capaz de me empurrar para todos os tipos de lugares emocionalmente como ator e aprender com meus colegas atores e as experiências noite após noite. Percebi naquele momento que cada peça com a qual me comprometo deve parecer significativa e não apenas como se estivesse trabalhando porque tenho medo de nunca mais trabalhar.

VF: Como alguém que valoriza a privacidade, como você se vê lidando com o papel de ser a cara da The Outset em termos de mídia social e apresentações?

SJ: Começar uma marca é uma coisa muito cara de se fazer; você está pedindo às pessoas que comprometam muito dinheiro inicial para poder atender a todas as suas necessidades como empresa. E essa pergunta está sempre lá: “Bem, você não tem mídia social – como você planeja promover isso?” Obviamente, é uma ferramenta muito importante para as pessoas descobrirem a história da marca, e por isso tive muita pressão para iniciar meu próprio canal de mídia social … ou contas? Estou tão fora desse circuito. As pessoas me diziam: “A maioria das celebridades nem gerenciam suas próprias contas. Eles apenas parecem autênticos, mas são muito estratégicos. Existem maneiras de gerenciá-lo, da mesma forma que você gerenciaria qualquer outra parte de sua vida pública.”

E eu simplesmente não faço isso com nenhuma outra parte da minha vida; todas as outras partes da minha vida eu sou envolvida e transparente, então eu senti que não posso ser inautêntica com isso. Estou muito animada para criar conteúdo para The Outset e me envolver com nossa marca dessa maneira. Tenho curiosidade em interagir com o consumidor e fazer parte dessas conversas. Mas não preciso compartilhar fotos do meu café da manhã para fazer isso. Sinto que posso ser acessível de uma maneira que vem de um lugar genuíno.

VF: Quais são os produtos MVP [produto mínimo viável] em sua casa para você, seu marido, seus filhos?

SJ: Além de WaterWipes [lenços umedecidos], que eu uso em alguns casos, quais são os produtos MVP para nós? Na linha The Outset, meu marido, ele adora o creme de linha fina, o que é muito engraçado. Eu fico tipo, “Oh, você realmente usa um creme para os olhos”. Eu uso o creme labial constantemente. É como uma loção, mas esse produto nasceu do meu próprio desejo de encontrar algo que não exigisse que eu usasse seis produtos labiais diferentes. Eu só quero um que funcione. Fora isso, honestamente, é tipo pomada A+D. Posso dizer pomada A+D? [risos].

VF: O que você quer criar no futuro? Eu sinto que a marca tem muito espaço para trabalhar em termos de categoria cruzada.

SJ: Sim. Eu adoraria aplicar nosso espírito a esses tipos de produtos heróicos. Eu podia ver em cores [cosméticos]. Eu podia ver isso na fragrância. Podia ver no cuidado com cabelos femininos. Mesmo em, quem sabe, vestuário ou utensílios domésticos. Mas estamos focados em acertar essa parte. Estou muito interessada em ver como o consumidor reage ao que criamos, porque queremos que eles se sintam parte do processo de expansão.

VF: Em seu catálogo de trabalho, há uma transformação de beleza que se destaca para você – uma peruca rosa em Lost in Translation ou um momento insano sobre o corpo de super-herói?

SJ: Esse foi um momento enorme para mim porque eu tinha, não sei, 23 ou 24 anos quando fui escalada para Homem de Ferro 2. Eu nunca tinha pisado em uma academia e tive cinco semanas para me preparar para essas grandes cenas de sequência de ação. Naquela época, quando estávamos fazendo isso, mais de uma década atrás, foi antes de descobrirmos como ser mais eficientes no processo de filmagem de dublês – o que poderia ser entregue a outros dublês e o que o ator praticamente precisaria saber. Então eu estava fazendo essas enormes sequências coreografadas e não tinha experiência anterior com nada disso. Foi apenas uma grande mudança de estilo de vida imediatamente após ser escalada. 

Eu estava morando em Los Angeles na época, e fui para uma gigantesca academia. Eu não sabia como usar nenhum dos equipamentos. Quer dizer, eu estava tão intimidada. Felizmente eu tinha um ótimo treinador, esse cara, Bobby Strom, que estava treinando meu marido na época, Ryan [Reynolds]. E ele me colocou sob sua asa e foi muito positivo, e realmente me fez entender o que era o treinamento funcional. E eu nunca poderia voltar para o outro lado. Malhação é uma parte tão importante do meu bem-estar mental. Fora isso, tive que descolorir minhas sobrancelhas várias vezes para diferentes filmes que fiz. É sempre divertido conviver com isso no seu dia a dia!

VF: Você falou sobre como os corpos das mulheres são tão escrutinados aos olhos do público, e a gravidez é outra época em que as pessoas têm todo tipo de opinião sobre os corpos das mulheres. Nesta fase pós-parto com seu segundo filho, como foi essa experiência para você desta vez?

SJ: Eu acho que, porque estou hiper ciente do que você está tocando, eu fui tão protetora em ambas as gravidezes, não querendo me sentir escrutinada aos olhos do público. Eu queria ser capaz de ter meus próprios sentimentos sobre meu corpo em mudança sem que outras pessoas também me dissessem como me viam, se era positivo ou negativo. Percebi quando estava grávida do meu filho [Cosmo, nascido em agosto passado], é engraçado quanta coisa as pessoas colocam em você quando você está grávida – suas esperanças ou seu julgamento ou seu desejo, muito disso é colocado em mulheres grávidas . Eu teria muitas pessoas dizendo coisas para mim imediatamente, como: “Que ótimo, oh meu Deus, isso é maravilhoso”. E enquanto eu estava definitivamente animada por estar grávida de alguma forma, eu também tinha muitos sentimentos ruins sobre isso, e isso seria examinado por – estou falando de mulheres que eram próximas a mim. Você espera isso dos homens, mas das mulheres é tipo: “Vamos, garota, você já passou por isso”.

Uma amiga, quando eu disse a ela que estava grávida – ela sabia que eu estava tentando engravidar – ela ficou tipo, “Oh merda. Ótimo, mas não ótimo.” E eu fiquei tipo, “Você é uma verdadeira amiga”. [risos] Eu sinto que muitas coisas avançaram nos últimos cinco anos em termos de empoderamento das mulheres, mas isso continua meio que na Idade das Trevas. Tanto julgamento que é uma loucura.

VF: Você tem essa marca, você também tem o novo bebê. Como você se vê equilibrando a parte de entretenimento da sua vida?

SJ: Como estou me sentindo com tudo isso? Há muito no meu prato. Eu sou muito boa em delegar. Estou acostumada a ter muitas funções, e acho que finalmente estou bem em deixar outras pessoas me ajudarem a manter as coisas sob controle. Nem sempre fui assim. Estou chegando a um ponto da minha vida em que estou bem em deixar outras pessoas se envolverem, em pedir ajuda – porque tenho projetos nos quais quero trabalhar como atriz, e eles são muito cansativos. É tipo, uma vez que eu entro em produção, eu não tenho muito espaço para outras coisas. Estou trabalhando provavelmente cerca de 15, 16 horas por dia. Além de ter um pouco de tempo aqui e ali para responder e-mails ou receber uma ligação, esse trabalho envolve muito espaço no cérebro.

Eu quero tirar o verão de férias [da atuação] para me concentrar apenas neste projeto. Isso precisa de muita atenção. E vou focar na minha família, que precisa de muita atenção. Eu tenho uma produtora de filmes para TV, então temos 12 projetos que estamos fazendo e estamos extremamente divididos. Então isso é suficiente para mim – por agora.

Essa entrevista foi editada e resumida. 


Fonte: Vanity Fair

28.06
2021

Scarlett Johansson será a mais nova celebridade a lançar a sua própria marca de produtos de beleza, tendo a “The Najafi Companies” como investidores (que também investem em marcas como Florence by Mills da atriz Millie Bobby Brown).

Em declaração à WWD, Scarlett disse: “Eu sou fascinada pelo poder transformador da beleza desde que eu era criança. Minha mãe me introduziu uma paixão por autocuidado desde o começo da minha adolescência. Muitos anos atrás, eu dei um passo para trás nos meus negócios de beleza com o objetivo de criar algo verdadeiro para mim. O resultado é uma abordagem limpa, acessível da beleza.”

O investimento para a marca será entre 5 a 10 milhões de dólares e Scarlett terá como co-fundadora Kate Foster.

“Eu conheci Scarlett quase dois anos atrás. Ela mostrou a sua visão de marca comigo e logo de cara eu fiquei pensando em como poderíamos fazer isso virar realidade. Tem sido uma experiência incrível trabalhar junto dela e estamos animadas de ter o apoio e parceria da The Najafi Companies para ajudar a marca a atingir seu potencial completo.” disse Foster.

Vale lembrar que a atriz já deu os primeiros passos como empresária ao investir na indústria de alimentos com o HumanCo, sendo a diretora criativa da marca Snow Days. A marca de produtos de beleza de Johansson ainda não teve seu nome divulgado, mas é esperado que seu lançamento seja anunciado no começo de 2022.

Declarações retiradas do site Women’s Wear Daily (WWD).

14.04
2021

Atriz, cantora, produtora e… empresária! Sim, Scarlett Johansson é a mais nova sócia da companhia de alimentos HumanCo.

“Comer as coisas que a gente ama e ama compartilhar com as nossas famílias não tem que nos fazer mal fisicamente ou contribuir com a culpa alimentar” disse Scarlett Johansson. “Eu estou tão animada para ser parceira da HumanCo e a Snow Days para ajudar a trazer essa comida afetiva revolucionária para a mesa. O comprometimento da HumanCo para com delícias saudáveis é um que eu que estou orgulhosa de apoiar e reflete no meu próprio interesse no bem-estar compreensivo.

“Scarlett Johansson é, e continua a ser, um dos nomes mais memoráveis da cultura atualmente. Enquanto suas habilidades de atuação falam por si mesmas, nós estamos animados em virar parceiros com a Scarlett, por causa da sua conexão humana autêntica com o que nós estamos fazendos na HumanCo. Como uma mãe que trabalha e está sempre se esforçando para se manter saudável assim como balancear a sua carreira e deixar [a filha] na escola, ela é a parceira perfeita para a Snow Days,” disse Jason H. Karp, fundador e CEO da HumanCo. “O comprometimento dela com os valores da marca, estilo de vida altamente consciente e o amor fanático por comidas afetivas irá nos ajudar sem dúvidas a levar a Snow Days a um público maior que pensaram ou tiveram medo de que não poderiam mais aproveitar os alimentos que gostavam.”

Confira a entrevista traduzida concedida à People:

Scarlett Johansson usa de uma abordagem passiva para fazer a sua filha, Rose Dorothy, de 6 anos, comer frutas e vegetais. 

“É engraçado, mas eu acho que nunca tive que enganar ela para fazê-la comer coisas saudáveis,” A duas vezes indicada ao Oscar, de 36 anos, fala para a People.

Johansson fala que sua própria mãe usava “a regra de uma mordida,” que ela também usa com a Rose. “Eu acho que [é melhor] só deixar as crianças descobrirem comidas dessa forma sem fazer com que pareça uma obrigação,” ela diz.

“Todo mundo tem um paladar diferente,” ela complementa. “Eu nunca tentei forçar minha filha a comer qualquer coisa que ela não gostasse, e eu nunca tentei esconder nenhuma comida dela porque eu estava tentando colocar uma cenoura extra. Comigo é tipo, ‘Se você não gosta de cenouras, não tem que comê-las.’ Mas ofecerer uma variedade tão grande o possível. E então eu penso, conforme você vai crescendo, seu paladar se desenvolve, e você se livra desses hábitos.”

Johansson espera ajudar outras mães a nutrir seus filhos tão suavemente quanto, investindo na companhia de Jason Karp, a HumanCo e se tornando a diretora criativa da marca Snow Days, que criou uma forma saudável de comer pizza bites.

Lançando o lanche congelado orgânico, sem grãos ano passado, a marca está querendo expandir para versões mais saudáveis de outras comidas afetivas nostálgicas da infância. “Eu acho que fez sentido, especialmente porque eu tenho uma filha de 6 anos,” a atriz fala.

“Eu sei o que é procurar por ambas essas coisas, conveniência e nutrição,” ela continua. “E é meio uma categoria meio seca. Você passa pelo corredor do freezer porque pensa, ‘Oh, eu vou achar algo ali que pode ser [bom] em um dia de chuva,’ mas é sempre tão… não consigo. E não seria ótimo ir até lá e saber que lá você tem aquela marca confiável que é deliciosa, e não te faz se sentir terrível?”

Johansson diz que ela recentemente passou um de seus dias nevados com Jost e sua filha vendo o filme de família de 1997, Esqueceram de Mim 3, no qual ela fez uma das suas primeiras aparições nas telonas aos 11 anos.

Depois da Rose se apaixonar pelos dois clássicos natalinos estrelando Macaulay Culkin, Johansson relutantemente colocou o terceiro filme — mas ela não contou para a Rose sobre a conexão pessoal.

“Eu queria que ela fizesse a descoberta” ela reconta com uma risada. “É claro, ela não fez porque como poderia uma menina de 11 fazer ela se lembrar de mim agora? E eu disse, ‘Quem é essa pessoa?!’ Ela ficou tipo, ‘Você?'”.

14.01
2020

Scarlett Johansson pode ter acabado de ser indicada para o seu primeiro Oscar (na verdade, dois), mas você sabia que a estrela de História de Um Casamento é também uma ganhadora do Tony? Para celebrar suas indicações ao Oscar, nesta semana, o Broadway.com está olhando para a carreira nos palcos de alguns dos indicados deste ano, incluindo Cynthia Erivo, Adam Driver, Jonathan Pryce, Al Pacino e Antonio Banderas. Alguns deles começaram no teatro, alguns deles eram estrelas de cinema que antes eram atraídos pelas luzes claras da Broadway, e alguns regularmente viajam para lá e para cá.

Abaixo, saiba mais sobre a alegre carreira nos palcos de Johansson, que está indicada este ano para Melhor Atriz (História de Um Casamento) e Melhor Atriz Coadjuvante (Jojo Rabbit).

Subindo no palco de Um Panorama Visto da Ponte (2010)
Como uma criança que estava crescendo na cidade de Nova Iorque, foi o teatro que fez Johansson querer ser uma atriz. Como ela contou ao Paul Wontorek do Broadway.com em 2010, “Eu, na verdade, comecei a atuar porque eu queria fazer um musical”, adiciona, “Eu devo ter visto Os Miseráveis um zilhão de vezes!”. Ela apareceu em sua primeira peça quando tinha nove anos: Sophistry, fora da Broadway, na Playwright Horizons, estrelando Ethan Hawke e Calista Flockhart (Johansson tinha uma linha).

Indo para 2010, quando Johansson fez sua estreia na Broadway no clássico drama de Arthur Miller, Um Panorama Visto da Ponte. A peça é situada em um bairro ítalo-americano no Brooklyn, onde Eddie de meia idade é obcecado por Catherine, sobrinha adolescente de sua esposa. Johansson interpretou Catherine em contraposto ao Eddie de Liev Schreiber.

Devido à sua representação suave mas forte da jovem mulher, Johansson ganhou o Tony Award de 2010 de Melhor Atriz por Participação Especial em Peça. Em um discurso cheio de lágrimas, ela disse, “Ser bem recebida nessa comunidade tem sido um absoluto sonho para mim. Desde que eu era uma garotinha, eu queria estar na Broadway e aqui estou eu.”

De Catherine para Maggie the Cat (2013)
Foi apenas três anos depois que Johansson retornou à Broadway, desta vez em um papel mais maduro como Maggie the Cat na peça vencedora do Prêmio Pulitzer de Tennessee Williams, Gata em Teto de Zinco Quente. O drama é sobre uma família do sul dos Estados Unidos em conflito quando o patriarca, Big Daddy, descobre que está morrendo. Enquanto isso, o filho preferido Brick e sua esposa Maggie enfrentam um oceano cheio de pedras no casamento. Na produção de 2013, Johansson interpetou Maggie de um ângulo que foi não só calculista mas também sensual

Ela também teve a ininvejável tarefa de ser a que mais fala no ato um. Como Johansson contou ao Broadway.com na época, ela é muito menos falante na vida real. ” Eu não tenho a histamina da Maggie na minha vida real”, ela disse com uma risada.

Johansson não tem estado na Broadway desde (sem dúvida porque a Marvel a tem deixado ocupada), mas considerando o quanto ela ama plateias ao vivo, não temos dúvida que veremos Johansson de volta aos palcos em breve. Como ela disse ao Broadway.com em 2013: “Eu percebi, ainda mais desta vez, que a quarta parede não é entre você e a plateia. Eles são o barômetro da verdade e da cronometragem e da nuance. É bastante tocante quando a plateia está com você e eles sentem você, enquanto você os sente. É um verdadeiro presente. Eu acho que essa é a melhor parte da apresentação inteira, sério.”

22.03
2019

A DiscussingFilm com exclusividade anunciou que o filme será marcado pelo lendário compositor Michael Giacchino.

Michael Giacchino já marcou filmes como ‘Os Incríveis’, ‘Super Escola de Heróis’, ‘Ratatouille’, ‘Star Trek’, ‘Up – Altas Aventuras’, ‘Star Tours: The Adventures Continue’ (atração em 3D da galáxia de Star Wars nos parques da Disney), ‘Planeta dos Macacos: O Confronto’, ‘Divertida Mente’, ‘Jurassic World’, ‘Zootopia’, ‘Rogue One: Uma História Star Wars’, ‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar’, ‘Viva – A Vida É Uma Festa’ e ‘Os Incríveis 2’. Ele também está definido para compor a trilha sonora de “Homem-Aranha: Longe de Casa”.

Jojo Rabbit é escrito e dirigido por Taika Waititi, o filme vai se concentrar em uma sátira da Segunda Guerra Mundial, onde Jojo “Rabbit” Betzler é um menino que viveu durante a 2° Guerra. Seu único escapismo é através de seu amigo imaginário, uma versão etnicamente imprecisa de Adolf Hitler, que empurra as ingênuas crenças patrióticas do menino. No entanto, tudo isso muda quando uma jovem desafia esses pontos de vista e faz com que Jojo enfrente seus próprios problemas.

O filme será estrelado por Roman Griffin Davis, Thomas McKenzie, Taika Waititi, Scarlett Johansson, Sam Rockwell, Rebel Wilson, Stephen Merchant e Alfie Allen.

13.07
2018

Variety divulgou hoje que a Scarlett Johansson que iria estrelar e produzir um novo filme dirigido por Rupert Sanders chamado “Rub & Tag” não fará mais parte do projeto. Confira a tradução da matéria abaixo:

Scarlett Johansson saiu do drama “Rub and Tug” pouco mais de uma semana depois de seu escalamento ter provocado reações violentas em meio a grupos de trans e ativistas, uma fonte com conhecimento da situação confirmou à Variety.

“À luz das recentes questões éticas levantadas em torno do meu escalamento como Dante Tex Gill, decidi retirar minha participação no projeto respeitosamente”, disse Johansson à Out Magazine, que primeiro noticiou a notícia, em um comunicado. “Nossa compreensão cultural das pessoas trans continua avançando, e eu aprendi muito com a comunidade desde que fiz minha primeira declaração sobre o meu casting e percebi que era insensível. Tenho grande admiração e amor pela comunidade trans e agradeço que a conversa sobre inclusividade em Hollywood continue. De acordo com a GLAAD, os personagens LGBTQ+ caíram 40% em 2017 em relação ao ano anterior, sem representação de personagens trans em nenhum grande lançamento de estúdio”.

“Embora eu tenha adorado a oportunidade de trazer a história e a transição de Dante à vida, entendo por que muitos acham que ele deveria ser retratado por uma pessoa transexual, e agradeço que esse debate, embora controverso, tenha provocado uma conversa mais ampla sobre a diversidade e representação no cinema”, continua a declaração. “Acredito que todos os artistas devam ser considerados iguais e justos. Minha produtora, a These Pictures, busca ativamente projetos que entreter e ultrapassar fronteiras. Estamos ansiosos para trabalhar com todas as comunidades para levar essas histórias mais pungentes e importantes para o público em todo o mundo.”

O New Regency ganhou um leilão para o filme em 2 de julho, e foi programado para ser dirigido por Rupert Sanders, que já trabalhou com Johansson em “Ghost in the Shell”.

“Rub and Tug” foca em Dante “Tex” Gill, um chefão do crime que usou seu salão de massagens como fachada para prostituição nos anos 70 e 80. Gill nasceu Lois Jean Gill, mas identificado como homem.

Johansson e a produção foram golpeados nas mídias sociais, com muitos pressionando por um ator trans para interpretar Gill.

O representante de Johansson enviou anteriormente uma declaração para vários meios de comunicação em resposta à reação, que não ajudou a acabar com a controvérsia: “Diga a eles que eles podem ser direcionados aos representantes de Jeffrey Tambor, Jared Leto e Felicity Huffman para comentar”.

A GLAAD respondeu à notícia com um comunicado na sexta-feira, celebrando a decisão, bem como aqueles que se manifestaram contra o elenco.

“O anúncio de Scarlett Johansson, juntamente com as vozes dos transgêneros que falaram sobre este filme, estão revolucionando o futuro das imagens transgênero em Hollywood”, disse a presidente e CEO da GLAAD, Sarah Kate Ellis. “Hollywood mudou a forma como os americanos entendem as vidas de gays e lésbicas, e a TV está começando a fazer o mesmo com pessoas transexuais, com representações autênticas de transgêneros sendo grandes sucessos junto à crítica e ao público. A indústria cinematográfica tem uma oportunidade real de fazer o mesmo ”.

Atualmente não está claro como a produção de “Rub and Tug” está após a saída de Johansson.


Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Alguns direitos reservados - Host: Flaunt Network | DMCA | Privacy Policy