De acordo com a Variety, Scarlett Johansson será a homenageada da Cinemateca Americana este ano com o prêmio “American Cinematheque Award“, que vai para “um artista extraordinário na indústria do entretenimento que está totalmente engajado em seu trabalho e está empenhado em fazer uma contribuição significativa para a arte dos filmes”.

Quando perguntado sobre o porquê da escolha, um dos organizadores da Cinemateca, Rick Nicita disse:

“Seu imenso talento brilhou de sua estreia no cinema quando criança através de seu surgimento como megaestrela de sucessos de bilheteria”, disse Nicita em um comunicado na manhã de terça-feira. “Ela atuou em filmes independentes aventureiros com diretores de ponta. Ela estrelou na mais comercial das franquias. Ela assumiu papéis principais e coadjuvantes em filmes orçados grandes e pequenos. Sempre que ela enfeita a tela com sua presença luminosa, o público sabe que verá uma artista dedicada no auge de seus poderes. Mal podemos esperar para compartilhar a próxima fase da maravilhosa carreira de Scarlett Johansson”

O baile de gala da Cinemateca será em 18 de novembro, onde acontecerá a entrega da honraria para Johansson.

Às vezes, a cena da morte de um personagem não é a última vez que ele é interpretado na tela por um ator. Tomemos, por exemplo, Scarlett Johansson, cuja heroína da Marvel, Viúva Negra, se sacrificou para impedir Thanos em Vingadores: Ultimato, apenas para “retornar” à tela em um filme/história prequela, que está chegando em 9 de julho. Viúva Negra acontece após Capitão América: Guerra Civil na linha do tempo MCU, mas pode acabar sendo a última vez de Johansson no papel. Com isso em mente, quando falamos com a diretora da Viúva Negra, Cate Shortland, perguntamos a ela se o último dia de filmagem de Johansson no set foi excepcionalmente emocionante, e o diretor nos disse:

“Sim, muito emocional. Primeiro A.D., Jamie, também fez, eu acho, seis ou sete filmes com ela. Ele estava chorando. Ela estava chorando e eu estava chorando. Acho que todos nós estávamos muito emocionados. Ela também é uma soldado. Ela estava atirando por quatro meses e meio, E ela estava com pneumonia. [risos] Ela é uma ótima garota.”

Quando soubemos que Natasha Romanoff morreria em Vormir em Vingadores: Ultimato, circulou a notícia de que a Marvel Studios iria seguir em frente em um filme solo de Viúva Negra. Então, sentimos a dor da morte do personagem, mas sabíamos que a veríamos novamente.

Não podemos dizer a mesma coisa agora que a Viúva Negra está sobre nós. Essa história se passa em um momento em que Natasha está fugindo do General Ross (William Hurt) e tem problemas para resolver em “casa” na Rússia. Mas a Marvel fará isso de novo? Eles vão encenar outro filme no período em que Natasha ainda está viva? Será que existe uma série Disney+ que segue as antigas missões de Natasha, ou é em Viúva Negra a última vez que veremos esse personagem em tela novamente?

Essa realidade deve ter estado na mente de Scarlett Johansson enquanto ela envolvia sua cena final no filme de Cate Shortland, o que explica todas as lágrimas. E é compreensível. Johansson é uma Vingadora original e manteve esse papel fundamental no MCU desde que foi apresentada em Homem de Ferro 2. Não vamos desistir de Natasha ainda. A Marvel tem tantos projetos no forno em relação aos próximos filmes e programas de televisão que poderia haver espaço para Nat retornar, dando a Scarlett Johansson outra oportunidade de explorar as nuances do personagem. Capitã Marvel, por exemplo, foi ambientado na década de 1990 de forma inesperada. E os Eternos podem atravessar séculos, então quem sabe aonde as futuras histórias da Marvel podem nos levar.

Ontem a noite (16/06) a Marvel realizou a primeira exibição antecipada (early screening) de ‘Viúva Negra’ para jornalistas americanos. Vale lembrar que faltam apenas 22 dias para a estreia do filme aqui no Brasil!
As resenhas do filme só poderão ser publicadas pelos críticos daqui a 12 dias, em 29 de junho. Contudo, as primeiras impressões do filme começaram a ser postadas hoje nas redes sociais. Fizemos uma compilação e traduzimos todas as críticas postadas até o momento, e continuaremos a atualizar neste link mesmo conforme forem saindo mais. Leia agora:

Em resumo, essas primeiras impressões foram completamente positivas, e o mais importante é que o roteiro, a direção e as atuações da Scarlett Johansson e da Florence Pugh foram os mais elogiados. Esperemos para ler as resenhas completas no dia 29/06.

A primeira aventura solo de Scarlett Johansson como Viúva Negra finalmente levanta voo – de forma que os fãs do MCU podem não estar esperando.

NATASHA ROMANOFF (também conhecida como Viúva Negra), finalmente está conseguindo seu dia cinematográfico solo ao sol após muito tempo. O personagem, interpretado por Scarlett Johansson, foi apresentado pela primeira vez há 11 anos em Homem de Ferro 2 e passou a se tornar um personagem principal em mais de seis filmes do Universo Cinematográfico da Marvel (incluindo todos os quatro filmes dos Vingadores). Durante quase todo esse tempo, o público estava pedindo o filme solo da própria Romanoff, que pudesse lançar alguma luz sobre a enigmática espiã/assassina Russa treinada, que faz o trabalho sem o benefício de superpoderes.

Um filme da Viúva Negra se tornou realidade em 2018, com um primeiro script em mãos e uma pesquisa muito ampla para a primeira diretora feminina solo do estúdio a comandá-lo. Na San Diego Comic Con em julho de 2019, o presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, anunciou formalmente Johansson, a diretora Cate Shortland e um elenco de apoio incluindo Florence Pugh, Rachel Weisz e David Harbour, juntamente com uma data de lançamento de 1º de maio de 2020 que abriria formalmente a Fase 4 do MCU.

Então COVID-19 aconteceu, e o MCU foi interrompido pela primeira vez em uma década. Até então, Romanoff já havia experimentado sua morte real em Vingadores: Ultimato, e esta história prequela definida pós-Vingadores: Guerra Civil começou a parecer cada vez mais tarde em termos de cultura pop zeitgeist*, uma vez que foi adiado para novembro de 2020 e, em seguida, maio de 2021, finalmente recebendo um lançamento global firme para julho de 2021.

Enquanto a diretora Cate Shortland terminava seu trabalho em Viúva Negra no início de 2020, ela viu o público em todo o mundo ficar ainda mais motivado para voltar ao cinemas, onde poderão celebrar o passado de Romanoff juntos em uma sala escura – e o diretor pode finalmente revelar sua visão muito feminina da personagem. Romanoff tradicionalmente se submeteu a tudo o que a missão ditar. Neste filme, no entanto, Shortland priorizou capturar a verdadeira Nat, uma mulher que ainda luta contra seu legado como uma presença poderosa dentro de duas famílias encontradas: a de sua vida na Sala Vermelha russa e aquela com a qual ela formou mais tarde, os Vingadores.

A ESCOLHA PERFEITA

No papel, a escritora/diretora australiana pode não parecer a escolha óbvia para dirigir um filme com tanta ação, e ela concordaria com isso também. Na verdade, quando ela foi abordada pelo produtor executivo de longa data da Marvel Studios, Brad Winderbaum, a respeito do trabalho, Shortland disse francamente à SFX, que ela “realmente não entendia porque eles estavam vindo à mim.” Mas Winderbaum foi explicitamente interessado em encontrar cineastas com pontos de vista únicos – como Peyton Reed, Taika Waititi e agora Shortland – que ele fez abundantemente claro em sua chamada inicial. “Quando falei com ele sobre o que eles queriam, por que me abordaram e sobre a jornada que eles queriam fazer para esses personagens, eu pude entender”, explica ela. “Então tudo ficou realmente cimentado quando falei com Scarlett.”

Como a vencedora do papel de Romanoff desde que Jon Favreau a escalou, Johansson teve muito a dizer sobre quem iria dirigir Viúva Negra. Fã do filme Lore de Shortland, a atriz instigou sua primeira conexão pedindo a diretora uma lista de seus filmes e músicas favoritos. Os dois então trocaram listas e discutiram. “Isso foi realmente lindo”, diz Shortland com um sorriso. “Nós pudemos ver que tínhamos gostos semelhantes. Mas também dos filmes de que gostávamos, o que gostávamos neles era que tinham coração. Seja um filme artístico ou um filme comercial, era sobre a jornada do personagem. E é isso que tentamos fazer com a Viúva Negra: dar a ela uma jornada realmente forte através do filme.”

Shortland então apresentou à equipe um pitch reel – padrão para novos diretores que chegam aos estúdios da Marvel – que retratava visualmente como seria sua versão da Viúva Negra. Trabalhando com o editor Danny Lachevre na Austrália, Shortland reuniu “um incrível trailer” com videoclipes e filmes que apresentavam uma sensação de “a coreografia da guerra. Vimos muitos filmes que eram realmente regulamentados e videoclipes, onde eles usam quase linhas fascistas de Busby Berkeley e coisas assim”, explica ela.

“E entre eles havia uma mulher e uma criança em uma situação muito vulnerável. E o que eu fiz – porque eu sabia que o personagem tinha morrido no Ultimato – foi conectar isso a uma ideia de eternidade. O que significa ser infinito e viver? Havia essa conexão com a natureza.”

Essa visão garantiu a Shortland o emprego. Eles então mergulharam na elaboração do roteiro em uma exploração da família encontrada, um teste das proezas físicas de Romanoff diante de um inimigo – Treinador – que também veio do programa Sala Vermelha, e algo que finalmente revela a Natasha que existe fora de seus círculos de apoio.

“Não há muitas situações nos filmes [dos Vingadores] em que ela está sozinha”, observa Shortland. “Mesmo a forma como ela se move fisicamente nesses filmes, é como se ela estivesse sendo observada. Então, a primeira coisa que eu queria fazer era ficar com ela sozinha. Especialmente para o público feminino, então poderíamos vê-la como ela seria se não fosse observada – porque as mulheres são realmente diferentes quando estamos em público e quando estamos sozinhas, e você nunca a vê assim. Foi crucial para mim saber: como ela anda quando está sozinha? Como ela come? Todas essas coisas. Eu queria vê-la primeiro como uma mulher e depois como uma super-heroína.”

A família anterior de Natasha, também membros do programa de treinamento Viúva Negra, serve para revelar outras facetas da mulher. Reunindo-a com o pequeno grupo sofrido, a pequena “irmã” Yelena Belova (Pugh), “mãe” Melina Vostokoff (Weisz) e “pai” Alexei Shostakov (Harbour) foi uma oportunidade de fornecer contexto sobre as escolhas que Romanoff fez antes, e continua a fazer.

“O que era importante para mim era que essa família não era biológica”, diz Shortland. “Meus filhos são adotados, então me relacionei com a ideia de uma família construída e de amar as pessoas pelo que são, ao invés de uma constituição biológica, suponho. Você fala sobre sua família biológica, mas às vezes sua família encontrada é tão crucial. E o que isso significa? Nós também olhamos para isso.”

Shortland diz que o filme tem muitas sequências sutis que permitem ao público absorver a dinâmica do relacionamento que ajudou a moldar Romanoff. “Eu gosto de momentos em que os personagens estão apenas existindo”, ela pondera. “Tipo, há uma sequência curta realmente ótima em que as duas garotas acabaram de sair de um posto de gasolina. Eles estão dirigindo um carro roubado e são apenas essas duas irmãs conversando, e isso é realmente lindo.”

“Então eu realmente amei um momento em um helicóptero com David [Harbour], quando ele se juntou às duas meninas. É quase como os primeiros momentos de tentativa quando a família se reúne. O mesmo com Rachel, quando ela volta. Há belos momentos com O-T [Fagbenle] também.”

Quando chegou a hora dos momentos de super-heróis, Shortland diz que estava determinada a abraçá-los inteiramente, mas de um novo ponto de vista. “Era preciso haver um senso de verdade nas lutas”, explica ela. “Quer dizer, fico entediado de ver lutas em que não entendo o que está acontecendo.”

Shortland diz que conversou muito sobre isso com Johansson, que consistentemente fez muitas de suas próprias cenas de ação nos filmes do Marvel Studios. “Ela é incrível nas acrobacias e nas sequências de ação. E porque eu não tinha feito sequências de ação antes, eu queria fazê-las melhor.”

Eles conseguiram isso voltando à ideia de expor a Natasha que está pressionada e no limite. “Eu não estava interessada no esmalte”, diz Shortland. “Eu não estava interessada no verniz. Eu queria ver o que ela estava por baixo. Então o que foi realmente lindo é que eu queria ter aquela crueza e ter o espetáculo. [Natasha] cria o espetáculo, e ela está sempre no centro dele porque ela é nossa estrela brilhante. Ela é o coração do filme. Então foi como se ela também fosse um diamante bruto. Ela poderia ser uma filha realmente crua e fodida, mas, ao mesmo tempo, ela estava arrasando.

Para ilustrar, ela cita uma sequência que o público já viu. “Eu adoro quando Scarlett voa pelos ares sobre a prisão no traje branco como a neve. Fui inspirado por Nicole Kidman em Moulin Rouge!, no sentido de que eu só queria este momento em que temos toda essa violência masculina por baixo dela que é realmente caótica. E então esta mulher está simplesmente flutuando acima dele, observando-o.”

Enquanto muitos presumem que a Viúva Negra servirá como canto do cisne para Romanoff, Shortland é rápida em desafiar essa ideia. “Eu tratei muito isso como este momento da vida dela”, explica ela. “Mas o que eu respeitei foi que o público tinha visto o Ultimato, então eu queria conectá-la a um universo mais amplo”

Ela pessoalmente espera que haja mais histórias na complexa história de Natasha que valha a pena revelar – e dependendo da recepção que esta recebe, ela está muito aberta para ajudar a contá-las.

*zeitgeist = O termo refere-se ao conjunto do clima cultural e intelectual de certa época do mundo, assim como as características genéricas que pertencem a um determinado período de tempo.

OH, ESSES RUSSOS!

Florence Pugh como Yelena Belova

“Eu queria trabalhar com Florence desde que vi [o filme de 2016] Lady Macbeth. Quando fiz minha entrevista na Disney, Kevin [Feige] me perguntou em quem eu me inspirava, e ela foi a primeira pessoa: eu disse que seria ótimo tê-la neste filme, e ainda não tínhamos lido o roteiro. Eu apenas pensei, ‘Que pessoa interessante ela é’. Existe um senso de realidade para ela em qualquer parte.

David Harbour como Alexei Shostakov/Guardião Vermelho

“David Harbor é simplesmente fantástico! Ele realmente trabalha duro e faz muitas pesquisas, então foi fantástico trabalhar com ele. Ele é apenas um ator muito, muito bom. Adorei trabalhar com ele.”

Rachel Weisz como Melina Vostokoff

“Rachel Weisz e eu tínhamos conversado e trocado e-mails por alguns anos, mas nunca tínhamos encontrado um projeto. Então é interessante que este projeto foi o único. Mas o que ela sempre dizia, o que era realmente adorável, é que ela nunca sentiu a grandeza do projeto quando estávamos no set, porque conseguimos criar um ambiente de apoio muito simples para os atores.”

A Entertainment Tonight (ET) publicou uma entrevista feita a Scarlett Johansson e Florence Pugh sobre suas personagens no mais novo filme da Marvel Studios, Viúva Negra. Confira a tradução:

Dez anos, 23 filmes e uma pandemia depois, Viúva Negra está tomando a frente do Universo Cinematográfico da Marvel. “Já era hora,” Scarlett Johansson contou a Nischelle Turner quando a ET visitou o set do filme no Reino Unido em agosto de 2019. “Eu acho que já era hora.”

Discussões sobre a assassina-que-virou-espiã-e-virou-Vingadora de Johansson estrelar seu próprio filme na verdade começaram não muito depois de ela se juntar ao MCU em Homem de Ferro 2 de 2010. Depois de ir avante com os heróis mais poderosos da Terra em Os Vingadores, o chefe de estúdio Kevin Feige deu uma dica a ela de que um filme da Viúva Negra poderia estar nos planos, apesar de nada ter sido feito imediatamente. “Era um ambiente tão diferente e até mesmo o zeitgeist era diferente,” Johansson reflete. “Eu acho que teria sido muito diferente por causa da minha experiência de vida”

Foram mais seis anos até que Viúva Negra começasse seriamente a sua jornada até os cinemas. Em 2018, Cate Shortland foi contratada para dirigir e contratou um elenco de apoio incluindo Florence Pugh, Rachel Weisz e David Harbour. No ano seguinte, a Marvel Studios lançou Vingadores: Ultimato, no qual viu Natasha Romanoff cair até a morte depois de se sacrificar para parar Thanos. Ainda, sua história não estava terminada.

Viúva Negra não vai desfazer o final da Natasha — o filme se passa entre os acontecimentos de Capitão América: Guerra Civil e Vingadores: Guerra Infinita — mas vai abrir a sua notória conta no vermelho e explorar mais ela como uma personagem. Pugh e Weisz interpretam as Viúvas Yelena Belova e Melina Vostokoff quando o trio de operativas têm que enfrentar seu passado e o vilão misterioso chamado de Treinador. (O filme estava originalmente planejado para estrear em 2020 antes dos adiamentos da pandemia o empurrarem para o verão de 2021.)

Durante uma pausa nas filmagens no Dunsfold Aerodrome em Surrey, Inglaterra, Johansson e Pugh discutiram por que agora é a hora para a Viúva Negra finalmente conseguir seu filme e as “reações mistas” de Johansson ao saber do destino da sua personagem em Ultimato.

ET: O que você lembra sobre receber a ligação naquele dia que eles finalmente disseram, “OK, a gente vai fazer. [A gente vai fazer um filme da Viúva Negra.]”?

SCARLETT JOHANSSON: Esse dia. Eu estava esperando no celular por uns dez anos pelo Kevin Feige. Só música de espera por 10 anos. Eu tenho uma memória — porque todos nós estávamos bebendo muito vinho tinto, isso talvez seja uma memória real ou uma memória do vinho tinto, não tenho certeza, mas acho que o Kevin Feige também lembra — a gente estava celebrando a press tour do primeiro filme dos Vingadores, então foi há muito tempo. A gente estava se divertindo muito e o Feige e eu nos sentamos um de frente para o outro em uma mesa e ele abordou isso e nós começamos a falar sobre o que poderia ser [e] a possibilidade de um filme solo. E isso foi, não sei, oito anos atrás ou algo assim e teria sido um filme muito diferente desse que estamos fazendo agora.

FLORENCE PUGH: Você estava lá desde o comecinho? No início?

JOHANSSON: Sim. Oi. Scarlett. Prazer em conhecer você. [Ri]

Eu acredito que tudo acontece quando deve acontecer, e eu acho que esse é um momento muito bom de fazer esse filme com sua voz e sua perspective e então com essa fodona [Florence].

JOHANSSON: É o que é tão incrível sobre isso, é que nós somos realmente capazes de explorar o relacionamento entre essas duas personagens [Natasha e Yelena]. Teria sido tão diferente oito anos atrás, porque eu acho que as mulheres eram e ainda são constantemente colocadas umas contra as outras de uma maneira muito irrealista. Nós podemos minar as complexidades de um relacionamento fraterno em todas as complicações do amor e também desapontamento e todas essas coisas.

E vocês têm a Rachel [Weisz]

PUGH: Rachel e Cate [Shortland]. Não vamos esquecer da Cate! É bem louco.

JOHANSSON: Eu estou sempre feliz de ter um trabalho, mas estou feliz em dizer todo dia vindo trabalhar nisso, eu me sinto incrivelmente sortuda porque temos um pessoal incrível mas nós temos um grupo de mulheres incrível que vêm trabalhar todo dia completamente comprometidas com ideias incríveis e comprometidas a fazer algo que é real e profundo e visceral.

Florence, como foi para você receber a ligação dizendo, “Bem vinda ao Universo Marvel”?

PUGH: Estranhamente, porque tudo foi bem direto em termos de treinamento e eu conheci todas aqueles dublês maravilhosos que estavam desesperados para que eu começasse, eu na verdade não tive um momento para pensar sobre isso. Nós temos filmado por dois meses, mas quando realmente caiu a ficha foi na Comic-Con. A gente foi embora e eu fiquei tipo, “OK, aconteceu. Está acontecendo. Não posso voltar atrás agora.” Eu não conseguia ver a parede de trás. Foi louco.

JOHANSSON: É impossível explicar o quão estarrecedor é o sentimento de sair de um palco principal na Comic-Con.

PUGH: É isso que significa fazer parte disso, é isso. Foi magnífico.

JOHANSSON: E então você vê as pessoas do elenco da Marvel e todos os diretores e o lineup inteiro para a próxima Fase, é muito incrível.

PUGH: E eu ganhei um boné de lá também!

JOHANSSON: É por isso que ela foi. Ela foi pelo boné grátis.

Vamos falar sobre ela como se ela não estivesse aqui por um segundo. O que faz a Florence uma pessoa que você deve ter atenção?

JOHANSSON: Eu tenho que ter atenção com ela o tempo todo, porque ela tenta bastante me dar rasteiras. 

PUGH: É pra abraçar melhor!

JOHANSSON: Eu sei. Ela é muito carinhosa. Ela é muito confortável. Digo, é tão envergonhante falar de alguém quando a pessoa está perto.

PUGH: Eu posso me virar.

JOHANSSON: Florence é uma atriz tão talentosa e ela é tudo isso que falam. Ela é uma parceira de cena incríve e tem uma pegada fresca em tudo e te encontra no momento. É maravilhoso. Eu amo trabalhar com ela. Amo.

Esses abraços e depois vocês lutam, certo?

PUGH: Bem, como você disse mais cedo, é provavelmente uma das coisas mais legais do nosso relacionamento, que é, tipo, melhores amigas, família, mulheres, tem tanto amor e tanta, tipo, briga e ódio e raiva mas tem amor e elas se juntam de novo o tempo todo. É muito legal ter essas mulheres fortes lutando com tudo juntas.

Como você são parecidas com a Yelena na vida real?

JOHANSSON: O penteado, na maior parte.

PUGH: Penteado, na maior parte. Eu amo os dois rabos de cavalo. Eu não sei. Ela come bastante? Eu acabei de comer nessa cena. [Ri] Eu não sei. Sou bem mimada.

JOHANSSON: Eu vou responder essa pergunta por você. Eu acho pessoalmente que vocês duas são muito, vocês são ardentes. Salgadas.

PUGH: Nós temos um senso de humor parecido, isso tá provavelmente correto.

JOHANSSON: Seco. Você meio que gosta de provocar um pouco.

PUGH: Má! [Ri] “Você gosta de me cutucar o tempo todo.”

Como vocês são parecidas com a Natasha?

JOHANSSON: Ai, Deus. Eu acho que a Natasha é realmente boa em compartimentalizar. É bom e ruim, e eu acho que compartilho dessa qualidade pelo bem ou pelo mal.

PUGH: Vocês também vestem as mesmas roupas. Todos os dias. Ela calça essas botas de caminhada todo dia. É muito difícil fazer com que ela as tire. Eu fico tipo, “Scarlett! Me dá esses sapatos!”

JOHANSSON: Eu vou andar uma maratona nessas botas.

Então, vamos definir onde estamos no Universo Marvel com esse filme. Porque não é um filme de origem. É meio que um filme de história do meio.

JOHANSSON: Vamos ver, como eu posso Marvelizar isso para você? [Para a Florence] Você vai ficar boa nisso também. Você não diz nada falando tudo.

PUGH: Eu só vou ficar em pé aqui e ouvir.

JOHANSSON: Eu vou ser atingida no pescoço com algum tipo de tranquilizante. Então, isso é obviamente antes de Guerra Infinita e depois de Guerra Civil. Aí está, eu estou comprometida com essa resposta.

Interpretar esse papel por esse tempo todo como você fez, como foi o treinamento? É mais fácil agora?

JOHANSSON: Não, é mais difícil porque eu estou mais velha agora, então tudo é mais doloroso. Eu acho que estou bem em forma.

PUGH: Ela está em uma ótima forma.

JOHANSSON: Eu sou paga para ir para a academia.

PUGH: É muito engraçado. É muito engraçado. Para mim, quando eu comecei nisso, era tipot, “Ei, aprenda tudo isso aqui!” Ter profissionais querendo te ensinar como lutar artes marciais, ou, tipo, kickboxing é tão massa, e então você consegue fazer no set com a Scarlett e fica tipo, “O que é a minha vida!”

JOHANSSON: E você vê meu corpo velho e raquítico e fica tipo, “Ai não! Eu não quero isso!”

Todos nós sabemos que você é uma campeã para as mulheres. É quem você é em seu interior. Você fica orgulhosa em saber que você está deixando esse legado para a sua filha ver?

JOHANSSON: É difícil ter uma perspectiva sobre isso. Eu provavelmente deveria escolher meus trabalhos baseada no que minha filha vai pensar sobre eles, mas eu não faço isso. Eu acho que é parte dessa coisa de compartimentalizar. Eu escolho o que parece desafiador para mim e que eu nunca tenha feito antes e acho que isso é algo que eu estou mais animada em mostrar a ela, que você sabe que pode fazer alguma coisa mas você não sabe como fazer, se arriscando e a recompensa vale a pena.

PUGH: Imagine sua mãe pavimentando o caminho de super heroínas. Isso é muito legal.

JOHANSSON: Ela estava empolgada em comer Cheerios outro dia por que eu estava na caixa. Eu estava meio, “Você vai comer o Cheerios ou o quê?” E ela disse, “É a mamãe na caixa.” E eu, ‘Tudo bem, ela vai comer o Cheerios. Legal.’

PUGH: Você sabe o que é legal também em crescer, ela nem vai saber que isso é algo especial.

JOHANSSON: Estar em uma caixa de Cheerios?

PUGH: Não, sua mãe ser uma grande super heroína. Sua mãe sempre ter sido uma super heroína.

JOHANSSON: Honestamente, eu tenho que dizer que amo essa personagem. Eu amo ela. Eu tenho muita empatia por ela. Ela é uma espécie de herói modesto, e ela faz o sacrifício final.

Ela faz. Eu estou muito feliz que esse filme aconteceu, porque da última vez que vimos a Natasha eu estava, “Opa. Espere um minuto. Calma aí.”

PUGH: Você pausou, tipo, “Não, eu não vou ver isso.”

JOHANSSON: É engraçado. Eu tive reações confusas sobre o destino final dela em Ultimato, mas para mim, fez muito sentido que ela se sacrificasse não só pelo bem maior da humanidade mas por seus amigos, que foi realmente o coração daquilo. Ela é uma das boas.

Fez sentido, mas eu não gostei.

JOHANSSON: Quero dizer, eu não era louca de pular [no precipício]. Eu pensei, “Ugh, tudo bem. Eu acho que vou ter que tentar.” Eu ou Renner. Eu ou Renner. A escolha de Sofia para algumas pessoas, o que eu posso dizer?

Alguns veículos de mídia visitaram o set de Viúva Negra em 2019, e o Collider publicou a entrevista completa. Confira a tradução na íntegra feita pelo SJBR:


Do set de Viúva Negra em 2019, Johansson fala sobre a longa jornada de sua personagem.

Em 2019, a Disney trouxe Collider e alguns outros jornalistas a Londres para visitar o set de seu muito aguardado novo filme do MCU, Viúva Negra, que estava em produção na época. Mal sabíamos que a data de lançamento planejada para 2020 seria adiada em mais de um ano, tornando a espera pelo filme da Viúva Negra ainda mais longa. Viúva Negra deve chegar aos cinemas em 9 de julho de 2021 (além de ser lançado simultaneamente na Disney + via Premier Access), o que significa que podemos finalmente compartilhar o que aprendemos no set da Viúva Negra. Tivemos a sorte de falar com várias pessoas que trabalharam no filme, incluindo a própria Viúva Negra, Scarlett Johansson, que interpretou Natasha Romanoff (a Viúva Negra titular), desde 2010. Conversamos com Johansson sobre o legado de Natasha no MCU e como a personagem evoluiu desde sua estreia em Homem de Ferro 2, e como sua caracterização naquele filme era hipersexualizada. Também discutimos seu relacionamento com sua irmã-não-irmã Yelena Belova, interpretada no filme por Florence Pugh, e como a relação entre Natasha e Yelena mudou antes do início das filmagens.

Então, Yelena parece ser uma parte fundamental do arco de redenção de Natasha. Você poderia falar um pouco sobre esse potencial?

Sim. Nós sabíamos que queríamos incluir a personagem Yelena muito cedo, mas essa personagem realmente se transformou ao longo dos meses de preparação e desenvolvimento. A personagem parecia muito – eu não sei como dizer isso. Acho que o que eu diria é que a história de duas mulheres competindo entre si e tentando derrubar uma à outra e meio que destronar uma à outra parecia desinteressante. Simplesmente não parecia o que eu queria explorar e acho que, realmente, o público queria ver. Parecia muito antiquado e não verdadeiro, e então pegando esse sentimento e seguindo esse instinto, o relacionamento se desenvolveu no que é, que é um relacionamento que eu acho que é baseado em uma experiência compartilhada e um conhecimento e uma irmandade. Com isso, vêm muitos sentimentos complicados, é claro. Nem todos os bons e difusos, mas os bem fundamentados. É um relacionamento muito especial. Acho que vai ser muito tocante para muita gente. Tenho muita empatia por esse relacionamento e pela história e trauma de ambas as personagens, e essa história compartilhada, por mais sombria que seja, as aproxima e há muito amor entre elas. Mas, seu relacionamento também é contencioso e tudo o mais que vem com esse tipo de relacionamento de irmã. Acho que a Natasha tem muita compaixão e isso não é necessariamente o que eu teria previsto quando estávamos filmando Homem de Ferro 2 ou Vingadores ou qualquer coisa assim. Você já viu alguns vislumbres disso e isso se desenvolveu ao longo do tempo, pois fomos capazes de trazer a personagem à vanguarda em diferentes instilações, mas ela é uma pessoa muito compassiva e essa paixão é na verdade o que impulsiona muitas de suas tomadas de decisão. Quer dizer, ela também é prática e pragmática e não acho que essas duas coisas tenham que funcionar uma contra a outra. Essa parte dela é o que realmente me comove.

Você sabia sobre a morte da Viúva Negra quando começou a produção e isso afetou sua mentalidade quando começou a filmar?

Começamos a falar sobre esse filme como uma realidade – ele sempre esteve sobre a mesa, mas acho que nunca soube realmente o que seria. Nunca ficou realmente claro qual era o espaço para isso. Este filme teria sido tão diferente se o tivéssemos feito há 10 anos. Isso foi em uma época diferente. Acho que todos podemos concordar nisso. Muitas pessoas me perguntam por que não fizemos isso antes, mas de certa forma – tenho certeza que há muitos motivos para isso – de certa forma, estou muito grata que está acontecendo agora, porque podemos realmente fazer um filme sobre coisas reais e o público quer isso. Acho que sempre quiseram isso. Agora o estúdio já está em dia com isso, o que é bom. É tudo de bom. Antes tarde do que nunca. Este filme se tornou mais real, eu acho, quando estávamos filmando Guerra Infinita, então eu sabia sobre o destino da personagem. Foi útil, é claro, porque ajudou a informar quando estávamos falando sobre quando esse filme seria realizado. Isso foi importante e também foi legal de certa forma. Não havia urgência em fazer isso, então fizemos porque queríamos de uma forma, que é muito melhor do que fazer algo porque você tem que fazer.

Existe uma espécie de sexualização dos super-heróis. Como isso afetou a Viúva Negra?

Sim. Definitivamente mudou e eu acho que parte dessa mudança provavelmente mudou – é difícil porque estou dentro dela, mas provavelmente muito disso vem de mim também. Terei 35 anos e sou mãe e minha vida é diferente. Obviamente, 10 anos se passaram e coisas aconteceram e eu tenho uma compreensão muito diferente e mais evoluída de mim mesma. Como mulher, estou em um lugar diferente na minha vida, sabe? E me senti mais indulgente comigo mesma, como mulher, e não – às vezes provavelmente não o suficiente. Estou me aceitando mais, eu acho. Tudo isso está relacionado ao afastamento do tipo de hipersexualização dessa personagem e, quero dizer, você olha para trás, para Homem de Ferro 2 e, embora tenha sido muito divertido e tenha tido muitos momentos ótimos nele, a personagem é tão sexualizada, sabe? Realmente falada como se ela fosse um pedaço de algo, como uma posse ou uma coisa ou qualquer que seja – como um pedaço de bunda, na verdade. E Tony até se refere a ela como algo assim em um ponto. O que ele diz? “Eu quero uma.” “Eu quero uma.” Sim e em um ponto chama ela de um pedaço de carne e talvez naquele momento isso realmente tenha parecido um elogio. Você sabe o que eu quero dizer? Porque meu pensamento era diferente. Talvez eu até tivesse, você sabe, meu próprio valor provavelmente foi medido em comparação com esse tipo de comentário ou, como muitas mulheres jovens, você assume o seu próprio valor e entende seu próprio valor. Está mudando agora. Agora as pessoas, meninas, estão recebendo uma mensagem muito mais positiva, mas tem sido incrível fazer parte dessa mudança e ser capaz de sair do outro lado e fazer parte daquela velha história, mas também do progresso. Evoluir. Eu acho muito legal.

Qual é a sua perspectiva de quando esse filme acontecer? Sabemos que foi logo depois de Guerra Civil, mas o que isso significa para Natasha?

Sim, depois de Guerra Civil parecia um bom momento para começar. Quer dizer, nunca pretendemos fazer uma história de origem. Nunca quis fazer uma história de origem porque simplesmente não queria voltar. Eu queria seguir em frente. Mesmo que estejamos voltando, tudo faz sentido quando você vê. Mas, parecia um bom momento porque Natasha sempre fez parte de alguma operação. Ela sempre foi uma operária e ela realmente nunca teve que, para melhor ou pior, tomar qualquer decisão por si mesma. Ela tomou decisões, mas ela é parte deste todo maior – seja a Sala Vermelha ou SHEILD ou Os Vingadores, você sabe – ela teve esse tipo de família, para melhor ou pior, e depois de Guerra Civil acabou. Tudo se foi. Tudo se foi e pela primeira vez, na verdade, ela está sozinha. Ela poderia desaparecer totalmente no éter e pronto. Ela não tem que voltar para nada. Que é um lugar muito assustador quando você está apegado a algo por tanto tempo e agora está flutuando de repente. Obviamente, ela é muito autossuficiente. Quero dizer, ela tem conexões em todos os lugares e o que for, mas ela está meio que fugindo e se sentindo uma fugitiva e é um lugar muito interessante para começar. Tipo, todas as peças estão em todos os lugares e como podemos conectar tudo novamente? Quando você a encontra no início do filme, ela simplesmente está quebrada. Até o final do filme o objetivo é colocá-la de volta no lugar diferente de antes, sabe? E nós, Kevin e eu, no início, concordamos que estava claro que aquele era o melhor lugar para começar na linha do tempo. Isso nos deu muita grade e todas as possibilidades e sempre dissemos que se os Vingadores estivessem acima e então digamos que todos os personagens vilões estão abaixo de alguma coisa negra subterrânea, a coisa mais interessante sobre Natasha é que ela pode ir entre os dois perfeitamente e sua lealdade nem sempre é tão clara. Ela não segue a mesma bússola moral e uma área cinzenta é um lugar legal para se viver.

Então, as heroínas nem sempre foram fortalecidas nas histórias, mas temos exigido muito mais agora das heroínas e a capacitação significa coisas diferentes para pessoas diferentes agora. Eu só estava me perguntando qual empoderamento, para você, como isso mudou desde que você começou a interpretar Natasha e como isso é interpretado nesta versão de Natasha?

Bem, eu acho que na verdade volta à outra questão sobre essa coisa de hipersexualização porque eu acho que Natasha usa sua sexualidade como um meio de sentir, de manipular uma situação e então ser coquete e dissimulada e então ela vai aceitar suas pernas para fora, certo? Ela vai ser sedutora dessa forma, e esse é o seu poder. Seu poder está em sua sexualidade, e isso mudou com o tempo, certo? Sua força era na verdade sua vulnerabilidade. Esse é o tipo de lugar em que estamos de vez em quando em Ultimato, ela se sacrifica por amor. Ela salva seu amigo. Ela salva a todos. E eu acho que apenas estar nesse tipo de pensamento e ser capaz de tomar essa decisão, esse ato altruísta é tão incrivelmente poderoso. É incrível que ela pudesse estar naquele lugar para fazer isso. Então, foi uma evolução interessante e foi interessante descobri-la com cada diretor com quem trabalhei e o que eles veem. O que eles estão interessados e que lado eles querem descobrir. Com Cate é tão libertador porque ela não tem medo de nada da feiura ou – não precisa ser feiura, é até mesmo as partes embaraçosas ou desconfortáveis, como o ponto fraco, tudo isso. É sobre isso que ela quer fazer filmes. Então você vê Natasha em sua força real e verdadeira neste filme mais do que nunca.


A “Collider” também falou com Florence Pugh, sobre Yelena Belova, sua história, personalidade e relação com Natasha Romanoff, confira:

Como é o seu relacionamento com a Nat?

FLORENCE PUGH: Como é o meu relacionamento com a Nat? Confuso, malcriado, emocional, e exatamente o que você espera que uma irmã mais nova seja. Yelena é profundamente irritante e meio que zomba de tudo que a Natasha faz. Mas fundamentalmente, elas têm um relacionamento muito único e forte que as guia ao longo do filme.

O que você acha dos amigos Vingadores dela?

PUGH: Eu não sei o que a Yelena acha deles. Focou bastante naquela história. É realmente mais sobre nossa família e de onde viemos e como estamos quebrados e como consertamos isso. Tenho certeza que existe espaço para tudo isso em algum lugar.

Como é o seu relacionamento com o Alexei e a Melina?

PUGH: Igualmente, tudo o mesmo. Então, nós conhecemos esses personagens quando eles meio que já se desenvolveram como adultos longes uns dos outros. E entender esses relacionamentos como adultos é confuso porque eles ainda têm os mesmos padrões que quando eram crianças ou quando eram pais. Entender tudo isso foi tão divertido, especialmente com David e Rachel. Eles meio que são essa família russa doida, maluca e barulhenta e eles têm muito amor um pelo outro.

O que você ama sobre a sua personagem? O que você acha que ela pergunta sobre o Universo Marvel?

PUGH: O que eu amo sobre a Yelena — e a Yelena que nós criamos, mesmo em termos de roupas — é que não tem mensagem. Não tem sinos nem assovios com ela. Ela meio que faz o trabalho e isso pode ser lutar com alguém ou xingar alguém, é bastante direto. E eu amei interpretá-la. Ela está pronta para lutar, seja uma discussão ou algo físico — nada vai parar ela.

Como tem sido a experiência de fazer o seu primeiro filme da Marvel

PUGH: Eu nunca fiz um filme dessa escala. Obviamente tiveram outros, mas é incrivelmente assustador recebê-lo e saber que tipo de preparação você deve estar fazendo no seu próprio tempo, que preparação é esse que a Marvel espera que você faça, o quão físicos são os papéis, e isso é algo sobre o qual eu definitivamente não tinha ideia do que eles estavam esperando de mim e a Scarlett foi super prestativa com tudo isso, e sentar lá e ouvir o que ela tinha para dizer sobre os últimos 9 anos da sua, eu acho, carreira nesse Universo Marvel.

E você escolheu alguns filmes incríveis e já tem um próximo vindo, mas o quão pronta você está para a sua vida mudando completamente e virar uma das pessoas mais reconhecíveis do planeta?

PUGH: Sabe que é engraçado que eu tava tipo, “Oh, ótimo! Eu vou estar em um filme da Marvel!” e desde estar em um filme da Marvel todo mundo me perguntou isso e eu fico tipo, “Oh, Deus! O que é que vai acontecer?” Eu não sei. Eu acho que é uma coisa maravilhosa ter seguidores e ter fãs e pessoas respeitando o meu trabalho e respeitando o fato de que agora eu sou parte do Universo Marvel e eu acho que eu terei que ver. Mas eu sempre fui uma pessoa muito honesta e aberta com entrevistas e com os fãs e eu espero continuar fazendo isso e é uma coisa maravilhosa fazer parte de uma família tão grande e que ainda continua crescendo.

Então, como Yelena, teve alguma superheroína que você se inspirou ou te ajudou para entrar na personagem?

PUGH: Essa é uma pergunta muito interessante porque é verdade que existem filmes — eu cresci com Charlie’s Angels e eu sei que não têm similaridades entre isso e aquilo de maneira alguma, mas só o fato de que eu tive que entrar em todo esse “É! Eu sou uma garota e vou dar pontapés!” e pra falar a verdade uma das habilidades da Yelena é que ela dá pontapés muito bons.

Quais são os sentimentos da Yelena sobre o Programa de Treinamento de Viúvas Negras?

PUGH: Boa pergunta. Eu acho que essa é um dos pesares desse filme que é essencialmente sobre mulheres que foram abusadas. Seja por um sistema ou abuso físico. Elas todas estão de alguma maneira presas e eu acho que esse filme é a percepção da vida que foi tirada delas e é como a Natasha e a Yelena começam a reparar isso, eu acho. Então, eu não acho que ela está feliz. Ainda assim, é a única coisa que ela conheceu, então eu não sei.

Como tem sido fazer cenas de lutas?

PUGH: Incrível. Então, eu amo o processo delas. É provavelmente a minha coisa favorita desse papel e eu me apaixonei pelo que movimento e ação e acrobacias quando eu fiz um filme de luta, Lutando Pela Família, então o processo até aqui eu sabia que era intimidador, mas eu gostei muito, e na verdade o elenco de dublês ficam tão animados que você fica querendo fazer mais. Eles realmente, realmente querem que você faça o máximo possível. Dentro das primeiras duas semanas depois de conseguir o papel eu estava em um armazém aprendendo como, sabe, chutar com um dos melhores kickboxers por aí e é incrível o quanto eles querem que você aproveite e faça e eles vão criar lutas que você é capaz de fazer se você quiser e foi tão animador. Digo, é, eu sempre pensei que era um todo muito maior, e estar lá e realmente empurrar a Scarlett Johansson contra o balcão da cozinha foi o primeiro dia que eu trabalhei com ela e a gente não tinha se encontrado antes. Foi tipo, “Oi, eu vou te bater agora!” mas foi ótimo e a gente se apaixonou durante aquela cena porque foi tão bagunçada e foi legal.

As entrevistas foram traduzidas do site da Collider.