“Eles continuaram falando comigo sobre coração e emoção”, diz ela sobre sua apresentação à Marvel

Quando a agente da diretora de Viúva Negra, Cate Shortland, disse a ela que a Marvel havia ligado, sua primeira reação foi confusão.

“Sou uma diretora de filmes independentes. Fiz muitas coisas em alemão e é bem diferente. Então falei com Scarlett [Johansson]  e fez sentido, porque eles queriam fazer algo sobre a jornada [da Viúva Negra]. Eles continuaram falando comigo sobre coração e emoção.”

O medo inicial de Shortland de assumir o projeto foi amenizado por uma conversa constante com Johansson por e-mail. Claro, eles falaram sobre a personagem de Johansson, Natasha Romanoff, e como ela é uma “sobrevivente”. Mas elas também se uniram como amigas e colaboradoras, compartilhando listas de suas músicas e filmes favoritos. O que acabou ganhando Shortland ao personagem da Viúva Negra foi sua jornada: ela começou o filme pós-Guerra Civil “sozinha e vulnerável” e depois foi reconstruída ao longo do filme.

Surpreendentemente, Shortland não se incomodou com as restrições de continuidade colocadas no filme por meio de seu lugar na linha do tempo do MCU.

“Todos os fãs da Marvel assistiram [Vingadores: Ultimato]”, disse Shortland.“ Então, de uma forma engraçada, depois de um tempo, isso me libertou, porque comecei a pensar que o que o filme tem que ser sobre é que ela é infinita, que ela é eterna, que ela faz parte do universo agora. “

Com essa constatação, ela começou a se aprofundar nos motivos visuais do filme, como os vagalumes, pois eles sinalizam “a luz dentro de Natasha”. Shortland e Johansson estavam enfrentando dificuldades com o roteiro, então ela só tinha elogios ao roteirista Eric Pearson, que já havia co-escrito Thor: Ragnarok e Godzilla vs. Kong. Shortland disse que estava aberto a ela e Johansson adicionar seus próprios diálogos e histórias de personagens ao filme.

A diretora independente não apenas teve que lidar com a continuidade disso e com a linha do tempo daquilo, mas também com as expectativas de um personagem que estreou há 11 anos em Homem de Ferro 2. Exceto, de acordo com Shortland, isso não estava realmente em sua mente.

“Acho que a expectativa era que fizéssemos algo realmente sombrio”, diz ela. “E eu não queria fazer isso. Eu queria fazer algo que tocasse no trauma, mas fosse realmente edificante. Que as pessoas possam ver e sentir quando saem do cinema que assistiram algo que é bom para elas. Nutritivo, além de divertido.”

Ela também destaca Sarah Finn, diretora de elenco de longa data da Marvel, que a ajudou a encontrar “pessoas idiossincráticas que poderiam interpretar personagens idiossincráticos”. Escolhendo esses atores, David Harbour e Rachel Weisz, levou a muita improvisação no set, particularmente na cena do jantar com todos os quatro que é brevemente vislumbrada no trailer. Shortland chama essa cena de coração do filme – uma cena que, com atores menores, não funcionaria tão bem.

Segundo ela, Harbour foi o único fora do elenco principal que “levou mais surras de uma forma engraçada”. Johansson teve bastante experiência com esse tipo de coreografia de luta apenas por seu papel na Marvel, enquanto Pugh tem experiência em dança e se encaixa perfeitamente com os coreógrafos e dublês.

Para um diretor que não está acostumado a filmes de ação em quadrinhos de megaconsideração, Shortland está mais orgulhosa da luta entre os personagens de Johansson e Pugh em um esconderijo marroquino, que você também pode ver no trailer. Quanto ao aspecto mais desafiador da produção, ação ou outro, ela responde apenas: “Escritório de Dreykov”.

Já que a Marvel Studios desenvolveu algo como um grupo estável de colaboradores nos bastidores, além de seus atores, faz sentido imaginar se Shortland algum dia retornaria ao universo de collants e spandex. “Acho que me diverti neste filme”, disse ela. “Eu realmente formei ótimos relacionamentos com as pessoas. Não sei se é no éter. A vida é desconhecida.”

Ela menciona que ela e Johansson estão desenvolvendo mais roteiros juntas, então esta pode não ser a última vez que ouvimos a equipe por trás de Viúva Negra.

Matéria retirada do Exclaim.

“Eu aprecio o quão sexy ela é, desde que ela esteja no controle”, diz Cate sobre Scarlett Johansson como Viúva Negra.

É setembro de 2019. No Pinewood Studios, arredores de Londres, “ação” foi chamada para a enésima tomada de uma cena que abre o terceiro ato da Viúva Negra da Marvel. Um depósito foi transformado no escritório do vilão do filme, Dreykov (interpretado por Ray Winstone, com um sotaque do leste europeu). A decoração é um encontro de soviético monótono e meados do século moderno em tons de tabaco, com painéis de madeira e uma mesa enorme. Winstone não pode ser visto em lugar algum, uma dúzia ou mais de assassinas fodonas de preto estão em círculo ao redor da sua mesa; na hora, eles pulam para trás.

O clima é intenso, silencioso; então, uma voz incorpórea flui pelo sistema de som, suavemente falada, com um sotaque australiano. É a diretora, Cate Shortland. “No início, certifique-se de que todos estão se movendo lentamente… Obrigada!”.

Eu estive em bastante set de filmes de sucesso para saber que isso não é normal. A voz que você espera ouvir – geralmente de um assistente de direção – é masculina, berrando comandos como um sargento de treinamento. 

Este filme é um grande negócio para o Universo Cinematográfico Marvel (MCU). É a tão esperada saída solo de Natasha Romanoff de Scarlett Johansson, também conhecida como Viúva Negra, a ex-assassina da KGB que desertou para os Estados Unidos e se tornou uma Vingadora. Desde que o personagem apareceu pela primeira vez, 11 anos atrás, em Homem de Ferro 2, os fãs têm pedido um spin-off independente.

“Eu sabia que a Marvel existia. Mas, eu não estava realmente vendo esses filmes.”

Na verdade, Natasha foi uma personagem pouco esboçada na franquia. Johansson criticou Homem de Ferro 2 por hipersexualizá-la como um “pedaço de carne”. Ela pode ter pensado na cena em que vestiu suas roupas de super-heroína na parte de trás de um carro por nenhum outro motivo, ao que parece, a não ser para dar um vislumbre de seu sutiã. Ou talvez tenha sido o momento, alguns minutos antes, quando a câmera olhou de soslaio para seu traseiro como um adolescente quando ela saiu de uma limusine.

Não há nada disso em Viúva Negra, filmado pelo olhar de Shortland, que foi escolhida pelos chefes do estúdio dentre 70 outros diretores, após uma busca que durou um ano e meio. Shortland já dirigiu três filmes independentes, começando com Somersault em 2004. Quando ela aceitou o trabalho, ela assistiu a todos os filmes da Viúva Negra consecutivamente, observando como a personagem se movia e o que vestia. A sexualização, diz ela, deriva das origens da Viúva Negra como uma femme-fatale dos quadrinhos. Sua intenção era tirar tudo isso. “Eu realmente lutei para começar a Viúva Negra onde ela está sozinha, porque então você não a verá em relação a mais ninguém.” O filme começa com o personagem de Johansson se escondendo sozinha em uma caravana estacionada na Noruega, largada no sofá com uma cerveja, assistindo a filmes antigos de James Bond.

Shortland diz que tentou manter uma cena sexy de Johansson. “Foi uma bela tomada. Ela saiu da cama e usava apenas uma calcinha e uma camiseta. E fui inflexível com todos os meus produtores masculinos: ‘Temos que manter a cena no filme. É tão quente.’” Mas em uma exibição de teste inicial, os fãs ficaram indignados. “Eles ficaram:‘ Este é apenas o olhar masculino’.” Na verdade, ela diz, era Shortland pensando que Johansson é realmente gata: “Eu gosto de como ela é sexy, contanto que ela esteja no controle.”

Estar no controle é exatamente o que a Viúva Negra retrata. Uma explosão do passado arrasta Natasha de volta à sua infância como uma criança assassina na Sala Vermelha, uma organização de tráfico que sequestra meninas e as treina como assassinas – elas são as viúvas negras. Em uma cena sombria, Dreykov explica que as meninas são um recurso natural: há um suprimento infinito delas para explorar. As crianças viúvas passam por uma lavagem cerebral, são ensinadas a lutar e esterilizadas à força. Shortland diz que o que a interessou foi abrir a caixa de Pandora do passado do personagem. “Ela é uma sobrevivente e acho que é isso que inspira os outros. Ela é a única Vingadora que não tem esses superpoderes. Mas ela usa sua inteligência, seu treinamento.”

No filme, Natasha se conecta com um grupo familiar não biológico, de uma missão em seu passado. Florence Pugh é hilária como sua “irmã”, Yelena Belova, e Rachel Weisz interpreta uma viúva mais velha, Melina Vostokoff. Este trio de mulheres enfrenta o homem que as subjugou e oprimiu. Não se trata de uma mulher chutando o traseiro para derrubar um sistema patriarcal, mas de um grupo de mulheres, mais poderosas juntas.

É um comentário direto sobre #MeToo, pergunto a Shortland. “Não,” ela diz, com cuidado. “Scarlett e eu começamos a nos falar antes de #MeToo. Falamos sobre experiências que tivemos, e que outras mulheres tiveram, e que a personagem Natasha estava tendo.” No trabalho ou na vida pessoal? “Em nossas vidas pessoais. Eu não acho que você tem que arranhar a superfície com muitas mulheres antes de conseguir histórias sobre controle, ou ser feito para se sentir desconfortável porque seu poder está de alguma forma sendo tirado ou você sente que não tem voz.”

O que o filme realmente pega emprestado do feminismo agora é que a mudança é impulsionada pela Pugh, a assassina mais jovem. “Tenho 50 e poucos anos, Scarlett está com seus 30 e poucos e Florence está em seus 20 e poucos. E mesmo dentro desse intervalo de tempo, há uma diferença real em como lidamos com algumas das questões em torno do sexismo. Florence simplesmente fala. Sua geração simplesmente fala. Por outro lado Scarlett falou sobre o fato de que ela sente que às vezes não pode falar/expressar. Até Scarlett Johansson sentiu isso. Então eu acho que isso se reflete, e acho que é isso que é bonito no personagem de Florence. Ela fala com a geração mais jovem.” Em uma nota mais leve, as viúvas, sem dúvidas, iniciarão uma tendência com as fodonas “tranças babushka” [estilo de tranças na Rússia].

Shortland é a última cineasta independente de baixo orçamento que eu teria previsto para fazer um filme de mega milhões de dólares. Depois de dirigir Somersault, ela não tinha certeza se queria mais fazer filmes. Ela se mudou para a África do Sul, onde seu marido, o diretor e roteirista Tony Krawitz, estava trabalhando em um roteiro e onde o casal adotou seus dois filhos. (A família tem estado itinerante: eles se mudaram para a Austrália e depois para Berlim, morando em Londres enquanto Shortland filmava Viúva Negra e em Los Angeles para a pós-produção do filme.).

Um dos principais fatores que a fizeram querer parar, diz ela, foi estar no centro das atenções: “Achei muito difícil fazer a comunicação social quando era mais jovem. Eu não gosto de ter fotos minhas tiradas e aparecer na câmera, porque sou uma pessoa muito tímida.” Uma das executivas da Marvel sempre lhe diz que é importante que sua voz seja ouvida, “porque isso permite que as mulheres mais jovens sintam que têm um lugar à mesa. Isso me faz querer falar mais.” Claro que ela mudou de ideia sobre desistir. Seu segundo filme, o drama em língua alemã da segunda guerra mundial Lore, foi a entrada da Austrália para o Oscar de melhor filme estrangeiro em 2013. Mas a produção de Shortland – quatro filmes em 15 anos ou mais – é um indicativo de alguém equilibrando trabalho, vida e família.

Johansson, uma grande admiradora de Lore, supostamente foi uma peça chave em persuadir Shortland em aceitar o trabalho em Viúva Negra – e, assim, se tornar a primeira diretora solo feminina de um filme da Marvel. (Anna Boden dirigiu o Capitão Marvel de 2019 ao lado de Ryan Fleck.) Shortland diz que ela realmente não conhecia o MCU antes de usar o Skype com os chefes: “Eu sabia que isso existia. Mas eu não estava realmente vendo esses filmes.” Ela, no entanto, amava a Pantera Negra. “Meus filhos são negros e isso significou muito para nossa família – significou muito para muitas pessoas”, diz ela.

Quando nos falamos pela primeira vez, passaram-se apenas algumas semanas após a morte da estrela do filme, Chadwick Boseman, de câncer aos 43 anos. Shortland parece abalada quando menciono o assunto. “É trágico. Ele era privado; Eu não acho que alguém percebeu exatamente quão cedo ou quão sério era.” Eles não se conheciam, mas algumas vezes em nossa conversa ela me disse que Pantera Negra foi um grande motivo para ela querer dirigir a Viúva Negra. “Ryan Coogler [o diretor e co-roteirista] contou a história com tanto coração e verdade. Isso apenas nos fez sentir muito inspirados.”

No set em Pinewood, as palavras da moda entre a equipe eram “corajosas” e “sensíveis”. É um filme com um toque de thriller de conspiração de Bourne, pulando da Noruega para Budapeste e Marrocos, e nunca sai do itinerário. Shortland me disse que pediu que as cenas de ação parecessem verdadeiras. “Eu disse ao coreógrafo de lutas que eu queria que elas parecesse que são lutas reais. Eu não queria que fosse uma luta de luta livre.” As personagens femininas que ela procurava eram Ripley em Alien e Sarah Connor dos filmes Terminator, assim como Thelma e Louise. Ela menciona uma cena de O Silêncio dos Inocentes de que gosta, em que Jodie Foster ergueu uma arma, apavorada: “O que vimos foi tão lindo; era uma mulher segurando uma arma e sua mão tremia. E então, momentos como esse, quando o público tem permissão para entrar e se identifica com ela, eles se colocam no lugar dela.”

Quais foram seus maiores medos ao aceitar o trabalho? “Que eu pudesse permanecer fiel a mim mesma, que pudesse fazer algo que fosse divertido e tivesse significado.” Ela me disse que o chefe da Marvel, Kevin Feige, disse várias vezes para ela se colocar no filme. “Eu pensei que estava indo para um lugar onde as pessoas têm egos elevados”, ela diz sobre como trabalhar com o estúdio. “Na verdade, é um ambiente liderado por um diretor. Porque eles odeiam bobagem.” A marca dela está em todo o filme. Ele consegue fazer alusões do mundo real, ao tráfico de crianças e #MeToo que não fazem barulho ou parecem enigmáticos.

Falar com Shortland me leva de volta àquele momento no set: ouvir sua voz suave. Pergunto a ela se alguém confundiu essa gentileza com falta de autoridade. “Sem dúvidas”, diz ela, depois se repete, enfatizando cada sílaba: “Quando eu estava na Grã-Bretanha [filmando Viúva Negra], me diziam constantemente: ‘Você precisa ser mais forte’. Suponho que seja: ‘Você tem que ter mais autoridade no sentido masculino tradicional’”. Mas, o que ela ama sobre fazer um filme é a colaboração; dar às pessoas ao seu redor uma voz para ter o melhor deles. 

O que Shortland achou difícil em Pinewood foi a proporção entre homens e mulheres. “Foi incrivelmente generalizado na Grã-Bretanha, mais do que eu experimentei na América ou na Austrália. Scarlett e eu sentimos isso. No set, às vezes havia dois de nós e 200 ou 300 homens.”

Que diferença fazia estar em menor número? Shortland responde em tons moderados: “O que às vezes acontece quando você está em uma sala cheia de homens é que quando as coisas começam a ser faladas, eles se olham constantemente, porque há uma confiança de que há um rigor intelectual, que talvez nós [mulheres] não temos. Depois de um tempo, aquilo ficou bastante desgastante.” Ela diz que Johansson a protegeu. “Ela vinha para o set e apenas gritava: ‘Cate Shortland!’ Ela me mandava muitas flores e ainda me envia mensagens de texto o tempo todo. Ela é o pacote completo.” Seus chefes na Marvel também estavam atrás dela. “Assim que você entra na pós-produção, isso desaparece; foi realmente no set que foi difícil.”

Eu li uma entrevista há alguns anos atrás na qual ela disse que o melhor conselho que ela recebera era para deixar as lágrimas em casa. No set de Viúva Negra, sua tática era se manter focada. “Se você ficar pensando nas dificuldades, não vai querer se levantar e ir trabalhar. E temos que ter certeza de que há um caminho para as mulheres mais jovens seguirem e que isso não aconteça com elas. ”

Eles estavam perto de terminarem o filme quando a pandemia começou. Shortland terminou a edição em sua sala em LA, em uma mesa que ela puxou para fora da garagem. Seu marido havia priorizado o estudo e sua filha de 12 anos estava trabalhando na cozinha. “Essa é a vida de todos no momento. Minha vida não é tão diferente da de muitas pessoas, exceto que estou trabalhando em um filme.”

Viúva Negra estreia nos cinemas do Reino Unido em 7 de Julho e no Disney+ em 9 de Julho.

Matéria retirada do The Guardian.

Como já havíamos informado antes, Scarlett fez uma incrível participação no programa Saturday Night Live, que foi ao ar ontem ( 02/04 ) para a TV americana. Abaixo você confere os melhores momentos da Johansson durante o SNL e também todas as fotos. Não sabemos quando o programa vai ao ar no Brasil, mas informaremos a vocês quaisquer atualizações.

VÍDEOS:

Tentaremos achar em melhor qualidade.

Programas de TV > 2015 > Saturday Night Live – 2/05

From the Set: Scarlett Johansson and Wiz Khalifa From the Set: Scarlett Johansson and Wiz Khalifa From the Set: Scarlett Johansson and Wiz Khalifa

Photoshoots > 2015 > Saturday Night Live (Maio) – por Mary Ellen Matthews

Scarlett Johansson and Wiz Khalifa Bumper Photos SNL1680_Bumpers_08 SNL1680_Bumpers_02

 

Como já informamos antes, Scarlett fará especial no programa Saturday Night Live. Recentemente, a conta do SNL no Youtube postou uma pequena chamada onde a Johansson aparece ao lado do ator Kenan fazendo algumas gracinhas. Confiram abaixo: