A primeira aventura solo de Scarlett Johansson como Viúva Negra finalmente levanta voo – de forma que os fãs do MCU podem não estar esperando.

NATASHA ROMANOFF (também conhecida como Viúva Negra), finalmente está conseguindo seu dia cinematográfico solo ao sol após muito tempo. O personagem, interpretado por Scarlett Johansson, foi apresentado pela primeira vez há 11 anos em Homem de Ferro 2 e passou a se tornar um personagem principal em mais de seis filmes do Universo Cinematográfico da Marvel (incluindo todos os quatro filmes dos Vingadores). Durante quase todo esse tempo, o público estava pedindo o filme solo da própria Romanoff, que pudesse lançar alguma luz sobre a enigmática espiã/assassina Russa treinada, que faz o trabalho sem o benefício de superpoderes.

Um filme da Viúva Negra se tornou realidade em 2018, com um primeiro script em mãos e uma pesquisa muito ampla para a primeira diretora feminina solo do estúdio a comandá-lo. Na San Diego Comic Con em julho de 2019, o presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, anunciou formalmente Johansson, a diretora Cate Shortland e um elenco de apoio incluindo Florence Pugh, Rachel Weisz e David Harbour, juntamente com uma data de lançamento de 1º de maio de 2020 que abriria formalmente a Fase 4 do MCU.

Então COVID-19 aconteceu, e o MCU foi interrompido pela primeira vez em uma década. Até então, Romanoff já havia experimentado sua morte real em Vingadores: Ultimato, e esta história prequela definida pós-Vingadores: Guerra Civil começou a parecer cada vez mais tarde em termos de cultura pop zeitgeist*, uma vez que foi adiado para novembro de 2020 e, em seguida, maio de 2021, finalmente recebendo um lançamento global firme para julho de 2021.

Enquanto a diretora Cate Shortland terminava seu trabalho em Viúva Negra no início de 2020, ela viu o público em todo o mundo ficar ainda mais motivado para voltar ao cinemas, onde poderão celebrar o passado de Romanoff juntos em uma sala escura – e o diretor pode finalmente revelar sua visão muito feminina da personagem. Romanoff tradicionalmente se submeteu a tudo o que a missão ditar. Neste filme, no entanto, Shortland priorizou capturar a verdadeira Nat, uma mulher que ainda luta contra seu legado como uma presença poderosa dentro de duas famílias encontradas: a de sua vida na Sala Vermelha russa e aquela com a qual ela formou mais tarde, os Vingadores.

A ESCOLHA PERFEITA

No papel, a escritora/diretora australiana pode não parecer a escolha óbvia para dirigir um filme com tanta ação, e ela concordaria com isso também. Na verdade, quando ela foi abordada pelo produtor executivo de longa data da Marvel Studios, Brad Winderbaum, a respeito do trabalho, Shortland disse francamente à SFX, que ela “realmente não entendia porque eles estavam vindo à mim.” Mas Winderbaum foi explicitamente interessado em encontrar cineastas com pontos de vista únicos – como Peyton Reed, Taika Waititi e agora Shortland – que ele fez abundantemente claro em sua chamada inicial. “Quando falei com ele sobre o que eles queriam, por que me abordaram e sobre a jornada que eles queriam fazer para esses personagens, eu pude entender”, explica ela. “Então tudo ficou realmente cimentado quando falei com Scarlett.”

Como a vencedora do papel de Romanoff desde que Jon Favreau a escalou, Johansson teve muito a dizer sobre quem iria dirigir Viúva Negra. Fã do filme Lore de Shortland, a atriz instigou sua primeira conexão pedindo a diretora uma lista de seus filmes e músicas favoritos. Os dois então trocaram listas e discutiram. “Isso foi realmente lindo”, diz Shortland com um sorriso. “Nós pudemos ver que tínhamos gostos semelhantes. Mas também dos filmes de que gostávamos, o que gostávamos neles era que tinham coração. Seja um filme artístico ou um filme comercial, era sobre a jornada do personagem. E é isso que tentamos fazer com a Viúva Negra: dar a ela uma jornada realmente forte através do filme.”

Shortland então apresentou à equipe um pitch reel – padrão para novos diretores que chegam aos estúdios da Marvel – que retratava visualmente como seria sua versão da Viúva Negra. Trabalhando com o editor Danny Lachevre na Austrália, Shortland reuniu “um incrível trailer” com videoclipes e filmes que apresentavam uma sensação de “a coreografia da guerra. Vimos muitos filmes que eram realmente regulamentados e videoclipes, onde eles usam quase linhas fascistas de Busby Berkeley e coisas assim”, explica ela.

“E entre eles havia uma mulher e uma criança em uma situação muito vulnerável. E o que eu fiz – porque eu sabia que o personagem tinha morrido no Ultimato – foi conectar isso a uma ideia de eternidade. O que significa ser infinito e viver? Havia essa conexão com a natureza.”

Essa visão garantiu a Shortland o emprego. Eles então mergulharam na elaboração do roteiro em uma exploração da família encontrada, um teste das proezas físicas de Romanoff diante de um inimigo – Treinador – que também veio do programa Sala Vermelha, e algo que finalmente revela a Natasha que existe fora de seus círculos de apoio.

“Não há muitas situações nos filmes [dos Vingadores] em que ela está sozinha”, observa Shortland. “Mesmo a forma como ela se move fisicamente nesses filmes, é como se ela estivesse sendo observada. Então, a primeira coisa que eu queria fazer era ficar com ela sozinha. Especialmente para o público feminino, então poderíamos vê-la como ela seria se não fosse observada – porque as mulheres são realmente diferentes quando estamos em público e quando estamos sozinhas, e você nunca a vê assim. Foi crucial para mim saber: como ela anda quando está sozinha? Como ela come? Todas essas coisas. Eu queria vê-la primeiro como uma mulher e depois como uma super-heroína.”

A família anterior de Natasha, também membros do programa de treinamento Viúva Negra, serve para revelar outras facetas da mulher. Reunindo-a com o pequeno grupo sofrido, a pequena “irmã” Yelena Belova (Pugh), “mãe” Melina Vostokoff (Weisz) e “pai” Alexei Shostakov (Harbour) foi uma oportunidade de fornecer contexto sobre as escolhas que Romanoff fez antes, e continua a fazer.

“O que era importante para mim era que essa família não era biológica”, diz Shortland. “Meus filhos são adotados, então me relacionei com a ideia de uma família construída e de amar as pessoas pelo que são, ao invés de uma constituição biológica, suponho. Você fala sobre sua família biológica, mas às vezes sua família encontrada é tão crucial. E o que isso significa? Nós também olhamos para isso.”

Shortland diz que o filme tem muitas sequências sutis que permitem ao público absorver a dinâmica do relacionamento que ajudou a moldar Romanoff. “Eu gosto de momentos em que os personagens estão apenas existindo”, ela pondera. “Tipo, há uma sequência curta realmente ótima em que as duas garotas acabaram de sair de um posto de gasolina. Eles estão dirigindo um carro roubado e são apenas essas duas irmãs conversando, e isso é realmente lindo.”

“Então eu realmente amei um momento em um helicóptero com David [Harbour], quando ele se juntou às duas meninas. É quase como os primeiros momentos de tentativa quando a família se reúne. O mesmo com Rachel, quando ela volta. Há belos momentos com O-T [Fagbenle] também.”

Quando chegou a hora dos momentos de super-heróis, Shortland diz que estava determinada a abraçá-los inteiramente, mas de um novo ponto de vista. “Era preciso haver um senso de verdade nas lutas”, explica ela. “Quer dizer, fico entediado de ver lutas em que não entendo o que está acontecendo.”

Shortland diz que conversou muito sobre isso com Johansson, que consistentemente fez muitas de suas próprias cenas de ação nos filmes do Marvel Studios. “Ela é incrível nas acrobacias e nas sequências de ação. E porque eu não tinha feito sequências de ação antes, eu queria fazê-las melhor.”

Eles conseguiram isso voltando à ideia de expor a Natasha que está pressionada e no limite. “Eu não estava interessada no esmalte”, diz Shortland. “Eu não estava interessada no verniz. Eu queria ver o que ela estava por baixo. Então o que foi realmente lindo é que eu queria ter aquela crueza e ter o espetáculo. [Natasha] cria o espetáculo, e ela está sempre no centro dele porque ela é nossa estrela brilhante. Ela é o coração do filme. Então foi como se ela também fosse um diamante bruto. Ela poderia ser uma filha realmente crua e fodida, mas, ao mesmo tempo, ela estava arrasando.

Para ilustrar, ela cita uma sequência que o público já viu. “Eu adoro quando Scarlett voa pelos ares sobre a prisão no traje branco como a neve. Fui inspirado por Nicole Kidman em Moulin Rouge!, no sentido de que eu só queria este momento em que temos toda essa violência masculina por baixo dela que é realmente caótica. E então esta mulher está simplesmente flutuando acima dele, observando-o.”

Enquanto muitos presumem que a Viúva Negra servirá como canto do cisne para Romanoff, Shortland é rápida em desafiar essa ideia. “Eu tratei muito isso como este momento da vida dela”, explica ela. “Mas o que eu respeitei foi que o público tinha visto o Ultimato, então eu queria conectá-la a um universo mais amplo”

Ela pessoalmente espera que haja mais histórias na complexa história de Natasha que valha a pena revelar – e dependendo da recepção que esta recebe, ela está muito aberta para ajudar a contá-las.

*zeitgeist = O termo refere-se ao conjunto do clima cultural e intelectual de certa época do mundo, assim como as características genéricas que pertencem a um determinado período de tempo.

OH, ESSES RUSSOS!

Florence Pugh como Yelena Belova

“Eu queria trabalhar com Florence desde que vi [o filme de 2016] Lady Macbeth. Quando fiz minha entrevista na Disney, Kevin [Feige] me perguntou em quem eu me inspirava, e ela foi a primeira pessoa: eu disse que seria ótimo tê-la neste filme, e ainda não tínhamos lido o roteiro. Eu apenas pensei, ‘Que pessoa interessante ela é’. Existe um senso de realidade para ela em qualquer parte.

David Harbour como Alexei Shostakov/Guardião Vermelho

“David Harbor é simplesmente fantástico! Ele realmente trabalha duro e faz muitas pesquisas, então foi fantástico trabalhar com ele. Ele é apenas um ator muito, muito bom. Adorei trabalhar com ele.”

Rachel Weisz como Melina Vostokoff

“Rachel Weisz e eu tínhamos conversado e trocado e-mails por alguns anos, mas nunca tínhamos encontrado um projeto. Então é interessante que este projeto foi o único. Mas o que ela sempre dizia, o que era realmente adorável, é que ela nunca sentiu a grandeza do projeto quando estávamos no set, porque conseguimos criar um ambiente de apoio muito simples para os atores.”

Há muita expectativa acerca do novo filme da Marvel, que iniciará a sua fase 4 nos cinemas, o filme da Viúva Negra, seja pelo final que a personagem teve em “Vingadores: Ultimato” ou pela curiosidade das pessoas sobre a sua história, até então pouco conhecida.

Ontem, 03, foi divulgado logo pela manhã o trailer do filme, que começa com Natasha Romanoff repetindo a frase que disse a Steve Rogers (Capitão América) em Ultimato: “Eu não tinha nada, e então consegui esse emprego, essa família… mas nada dura para sempre.”

O trailer mostra Natasha Romanoff se reunindo com Yelena Belova, Melina Vostokoff e Alexi Shostakov para enfrentar seu passado, a Sala Vermelha.

O filme estreia no Brasil um dia antes da estreia nos Estados Unidos. Viúva Negra estará em cartaz nos cinemas no dia 30 de abril.

Confira o trailer legendado:

Imagem
Pôster oficial do longa-metragem.

Hollywood Reporter divulgou hoje com exclusividade que a Cate Shortland irá dirigir o filme solo da Viúva Negra. Confira a tradução da matéria abaixo:

A fonte viu a Marvel se reunir com mais de 70 diretores em potencial.

O filme solo da Viúva Negra do Marvel Studios tem agora uma diretora.

Cate Shortland, a diretora australiana talvez mais conhecida pelo drama nazista Lore, assinou contrato para dirigir Viúva Negra, o projeto de ação e aventura da Marvel que será estrelado por Scarlett Johansson.

A medida encerra uma busca que durou mais de meio ano, quando o estúdio se reuniu com mais de 70 diretores para encontrar seu candidato ideal. Uma cineasta feminina era a prioridade, mesmo quando a busca estagnou em um ponto e o estúdio olhou para diretores do sexo masculino.

A caça estreitou em junho com Amma Asante (Belle, A United Kingdom) e Maggie Betts (Novitiate) sendo finalistas ao lado de Shortland. Melanie Laurent (Galveston) e Kimberly Peirce (Boys Don’t Cry) também estiveram na mistura da reta final.

Shortland, que não tem representação de agência, tinha a fã Johansson, que a empurrou para o filme. A atriz admirava o trabalho de Shortland na liderança feminina em Lore, um drama aclamado pela crítica em 2012 que conta a história de uma jovem que lidera seus irmãos na Alemanha com o exército aliado. Seu filme mais recente é Berlin Syndrome, um suspense de 2017 estrelado por Teresa Palmer.

Jac Schaeffer escreveu o rascunho mais recente para o filme. Ela também escreveu o próximo remake feminino excêntrico de Dirty Rotten Scoundrels (Os Safados), chamado Nasty Women.

A viúva de Johansson é apresentada antes dos eventos do primeiro filme dos Vingadores e vimos a atriz reprisar a espiã russa transformado em super heroína. O filme será o segundo filme da Marvel com foco feminino depois de Capitã Marvel, que será lançado em 8 de março (28 de Fevereiro aqui no Brasil).

O filme começará suas filmagens em 2019 mas ainda não temos uma data de lançamento.

Os diretores de Vingadores: Guerra Infinita: Anthony e Joe Russo fizeram uma ampla entrevista para o podcast Happy Sad Confused e falaram sobre o Nômade Capitão América, Carol Danvers, se viagem no tempo está envolvida no filme e o filme solo da Viúva Negra!

Os Irmãos Russo confirmaram os rumores de que a Marvel Studios está trabalhando em um filme solo da Viúva Negra e que ele pode mergulhar na sua história sombria como uma espiã russa.

“Estamos muito felizes por isso. É um personagem tão rico e interessante”, disse Joe Russo. “Há tanto para explorar com um personagem cuja história era como um vilão. Scarlett faz um trabalho tão bom fazendo essa personagem, você se acostumou tanto com essa personagem que você esqueceu a sua história. Então, há muitas histórias realmente atraentes para contar sobre alguém que tem um passado sombrio”.

 

Foi liberado o primeiro featurette de Capitão América: Guerra Civil. O vídeo traz cenas inéditas do filme e mostra um pouco dos bastidores do filme. Assista:

A Marvel liberou mais um comercial de Os Vingadores: Era de Ultron, além de entrevistas com o diretor Joss Whedon e parte do elenco. Um pôster e algumas imagens promocionais foram liiberadas também. Confira as fotos e os vídos abaixo:

Filmes > 2015 > Os Vingadores 2: A Era de Ultron > Fotos promocionais

promoavengers coverscovers

Filmes > 2015 > Os Vingadores 2: A Era de Ultron > Pôsteres

vingadores-era-de-ultron-banner vingadores-2-25mar2015-poster-04covers