Scarlett Johansson retorna aos cinemas como Viúva Negra no novo filme da Marvel, dirigido por uma mulher. Com ela, Rachel Weisz e Florence Pugh.

Scarlett Johansson, mais conhecida pelos fãs como ScarJo, inconfundível por sua voz rouca e profunda (quando criança era o principal motivo do fracasso de seus testes: eles não a consideravam adequada para comerciais de televisão, *nota da redação*), retorna, após as duas últimas indicações ao Oscar (por História de Um Casamento e JoJo Rabbit) para interpretar Natasha Romanoff, a protagonista do novo Viúva Negra, o vigésimo quarto filme do universo Marvel, dirigido por Cate Shortland, ao lado de Florence Pugh, Rachel Weisz e David Harbor. No cinema a partir de 7 de julho.

Dez anos se passaram desde sua primeira aparição como Natasha Romanoff. Como a ‘Viúva Negra’ mudou nos últimos anos?

Crescemos juntas, nos conhecemos bem embora nossas vidas sigam trajetórias completamente diferentes, nunca me vi arriscando minha vida como ela. Durante esses anos descobri muitas de suas qualidades e também alguns defeitos: ela é uma mulher prática e empreendedora, luta para confiar nas pessoas ao seu redor, mas apesar disso, seu passado é muito maternal. Nosso relacionamento foi um processo terapêutico. Não creio que muitos de seus comportamentos teriam a mesma relevância se o filme tivesse sido feito há dez anos.

Por que razão?

Porque depois do Time’s Up algumas situações têm um impacto socialmente relevante, elas são muito mais significativas, não quero revelar nada, você vai entender assistindo ao filme. Quero deixar claro que essa história não foi feita só para o público feminino, existem homens (risos)! Mas elas não controlam sua existência, as mulheres são independentes e protegem ferozmente esse status.


Como você descreveria o tom do filme?

É um filme de ação, de suspense, mas também um drama familiar, com situações bastante engraçadas. Desde que comecei a ser atriz, tenho me interessado muito por personagens que me fazem rir. A ironia inteligente é muito satisfatória não apenas para nós, atores, mas também para o público.

Como você desenvolveu esse vínculo familiar?

Pensamos no que significava fazer parte de uma família extensa, nos perguntamos o que é família, como a definimos, o que constitui uma relação familiar, para melhor ou para pior. São temas importantes sobre os quais construímos um filme engraçado.

Você descreveu Natasha como maternal. Você é uma mãe protetora?

Eu sou protetora no sentido de que sou responsável pela vida de minha filha Rose, sua educação e seu sustento, mas não sou uma ‘mãe-helicóptero’ superprotetora, acho que é importante para minha filha ter confiança em si mesma e entender seus limites , tomando pequenas decisões de forma independente, sem ninguém fazer isso por ela. Não a considero adulta, mas deixo para ela a oportunidade de pensar nas suas escolhas: até os erros ajudam a crescer.

Como foi trabalhar em um set predominantemente feminino?

Cate por trás das câmeras é uma força criativa, mas também uma presença feminina muito sólida. Com este filme, ela teve a coragem de mostrar o lado emocional dessas heroínas, de torná-las humanas através de seus fracassos. Sempre admirei a gloriosa carreira de Rachel Weisz, ela tem uma personalidade complexa, forte e vulnerável ao mesmo tempo, é muito enigmática, curiosa e muito alegre. Florence me impressionou porque apesar de ser muito jovem ela sabe o que quer, ela é muito segura de si, na idade dela eu não tinha um caráter forte como o dela, ela não se impressiona com Hollywood, fico muito feliz que com essa mentalidade de dela ela pode inspirar as novas gerações.

Atuar é um trabalho colaborativo. Você já se cansou desse aspecto do trabalho?

Nunca! Trabalhar com outros atores é tudo, é a parte mais importante do que faço. Eu me alimento da energia de outros atores, a colaboração é uma troca de ideias, inspiração, criatividade, é poder derramar todas as suas ansiedades e inseguranças nas mãos de seus colegas atores sem consequências no relacionamento porque a beleza é que, depois de gritar um com o outro o dia todo, vocês se falam, se abraçam e vão para casa revigorados.

Você também é uma colecionadora de arte. Como você se interessou por este mundo?

Há anos participo da The Art of Elysium Gala, uma organização sem fins lucrativos que há décadas apoia várias instituições de caridade de Los Angeles que, por meio de vários programas, oferecem assistência a pessoas com enormes problemas, tanto práticos como pagar contas de hospitais, quanto físicos e mentais. Acredito na arte como terapia, como um processo de cura para ajudar a sair de momentos de crise.

Uma de suas peças favoritas?

Recentemente comprei um quadro de Lois Dodd, uma artista americana que admiro muito, ela acabou de fazer 94 anos. Gosto muito da sua relação com a natureza, cada uma das suas pinturas é uma celebração da nossa relação com o mundo exterior, que de alguma forma reflecte também o nosso estado interior. Também admiro muito a sua determinação, como ela diz: ‘Sucesso é a capacidade de ir de um fracasso a outro sem perder o entusiasmo’.

E o seu futuro?

Estou feliz de poder voltar ao escritório (ele tem uma produtora, These Pictures, *nota da redação*.). Durante a pandemia conversei muito com o diretor Sebastián Lelio, com quem estou trabalhando no meu próximo projeto, Bride, a história de um empresário que cria a esposa ideal. Durante o difícil período de isolamento devido à pandemia, Sebastián foi capaz de me fazer sonhar, por isso sempre serei grata a ele. Adoro o meu trabalho, sempre há muito o que fazer, para mim resolver problemas é a coisa mais divertida.

Entrevista retirada do site da Elle Itália.