“Eles continuaram falando comigo sobre coração e emoção”, diz ela sobre sua apresentação à Marvel

Quando a agente da diretora de Viúva Negra, Cate Shortland, disse a ela que a Marvel havia ligado, sua primeira reação foi confusão.

“Sou uma diretora de filmes independentes. Fiz muitas coisas em alemão e é bem diferente. Então falei com Scarlett [Johansson]  e fez sentido, porque eles queriam fazer algo sobre a jornada [da Viúva Negra]. Eles continuaram falando comigo sobre coração e emoção.”

O medo inicial de Shortland de assumir o projeto foi amenizado por uma conversa constante com Johansson por e-mail. Claro, eles falaram sobre a personagem de Johansson, Natasha Romanoff, e como ela é uma “sobrevivente”. Mas elas também se uniram como amigas e colaboradoras, compartilhando listas de suas músicas e filmes favoritos. O que acabou ganhando Shortland ao personagem da Viúva Negra foi sua jornada: ela começou o filme pós-Guerra Civil “sozinha e vulnerável” e depois foi reconstruída ao longo do filme.

Surpreendentemente, Shortland não se incomodou com as restrições de continuidade colocadas no filme por meio de seu lugar na linha do tempo do MCU.

“Todos os fãs da Marvel assistiram [Vingadores: Ultimato]”, disse Shortland.“ Então, de uma forma engraçada, depois de um tempo, isso me libertou, porque comecei a pensar que o que o filme tem que ser sobre é que ela é infinita, que ela é eterna, que ela faz parte do universo agora. “

Com essa constatação, ela começou a se aprofundar nos motivos visuais do filme, como os vagalumes, pois eles sinalizam “a luz dentro de Natasha”. Shortland e Johansson estavam enfrentando dificuldades com o roteiro, então ela só tinha elogios ao roteirista Eric Pearson, que já havia co-escrito Thor: Ragnarok e Godzilla vs. Kong. Shortland disse que estava aberto a ela e Johansson adicionar seus próprios diálogos e histórias de personagens ao filme.

A diretora independente não apenas teve que lidar com a continuidade disso e com a linha do tempo daquilo, mas também com as expectativas de um personagem que estreou há 11 anos em Homem de Ferro 2. Exceto, de acordo com Shortland, isso não estava realmente em sua mente.

“Acho que a expectativa era que fizéssemos algo realmente sombrio”, diz ela. “E eu não queria fazer isso. Eu queria fazer algo que tocasse no trauma, mas fosse realmente edificante. Que as pessoas possam ver e sentir quando saem do cinema que assistiram algo que é bom para elas. Nutritivo, além de divertido.”

Ela também destaca Sarah Finn, diretora de elenco de longa data da Marvel, que a ajudou a encontrar “pessoas idiossincráticas que poderiam interpretar personagens idiossincráticos”. Escolhendo esses atores, David Harbour e Rachel Weisz, levou a muita improvisação no set, particularmente na cena do jantar com todos os quatro que é brevemente vislumbrada no trailer. Shortland chama essa cena de coração do filme – uma cena que, com atores menores, não funcionaria tão bem.

Segundo ela, Harbour foi o único fora do elenco principal que “levou mais surras de uma forma engraçada”. Johansson teve bastante experiência com esse tipo de coreografia de luta apenas por seu papel na Marvel, enquanto Pugh tem experiência em dança e se encaixa perfeitamente com os coreógrafos e dublês.

Para um diretor que não está acostumado a filmes de ação em quadrinhos de megaconsideração, Shortland está mais orgulhosa da luta entre os personagens de Johansson e Pugh em um esconderijo marroquino, que você também pode ver no trailer. Quanto ao aspecto mais desafiador da produção, ação ou outro, ela responde apenas: “Escritório de Dreykov”.

Já que a Marvel Studios desenvolveu algo como um grupo estável de colaboradores nos bastidores, além de seus atores, faz sentido imaginar se Shortland algum dia retornaria ao universo de collants e spandex. “Acho que me diverti neste filme”, disse ela. “Eu realmente formei ótimos relacionamentos com as pessoas. Não sei se é no éter. A vida é desconhecida.”

Ela menciona que ela e Johansson estão desenvolvendo mais roteiros juntas, então esta pode não ser a última vez que ouvimos a equipe por trás de Viúva Negra.

Matéria retirada do Exclaim.

A primeira aventura solo de Scarlett Johansson como Viúva Negra finalmente levanta voo – de forma que os fãs do MCU podem não estar esperando.

NATASHA ROMANOFF (também conhecida como Viúva Negra), finalmente está conseguindo seu dia cinematográfico solo ao sol após muito tempo. O personagem, interpretado por Scarlett Johansson, foi apresentado pela primeira vez há 11 anos em Homem de Ferro 2 e passou a se tornar um personagem principal em mais de seis filmes do Universo Cinematográfico da Marvel (incluindo todos os quatro filmes dos Vingadores). Durante quase todo esse tempo, o público estava pedindo o filme solo da própria Romanoff, que pudesse lançar alguma luz sobre a enigmática espiã/assassina Russa treinada, que faz o trabalho sem o benefício de superpoderes.

Um filme da Viúva Negra se tornou realidade em 2018, com um primeiro script em mãos e uma pesquisa muito ampla para a primeira diretora feminina solo do estúdio a comandá-lo. Na San Diego Comic Con em julho de 2019, o presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, anunciou formalmente Johansson, a diretora Cate Shortland e um elenco de apoio incluindo Florence Pugh, Rachel Weisz e David Harbour, juntamente com uma data de lançamento de 1º de maio de 2020 que abriria formalmente a Fase 4 do MCU.

Então COVID-19 aconteceu, e o MCU foi interrompido pela primeira vez em uma década. Até então, Romanoff já havia experimentado sua morte real em Vingadores: Ultimato, e esta história prequela definida pós-Vingadores: Guerra Civil começou a parecer cada vez mais tarde em termos de cultura pop zeitgeist*, uma vez que foi adiado para novembro de 2020 e, em seguida, maio de 2021, finalmente recebendo um lançamento global firme para julho de 2021.

Enquanto a diretora Cate Shortland terminava seu trabalho em Viúva Negra no início de 2020, ela viu o público em todo o mundo ficar ainda mais motivado para voltar ao cinemas, onde poderão celebrar o passado de Romanoff juntos em uma sala escura – e o diretor pode finalmente revelar sua visão muito feminina da personagem. Romanoff tradicionalmente se submeteu a tudo o que a missão ditar. Neste filme, no entanto, Shortland priorizou capturar a verdadeira Nat, uma mulher que ainda luta contra seu legado como uma presença poderosa dentro de duas famílias encontradas: a de sua vida na Sala Vermelha russa e aquela com a qual ela formou mais tarde, os Vingadores.

A ESCOLHA PERFEITA

No papel, a escritora/diretora australiana pode não parecer a escolha óbvia para dirigir um filme com tanta ação, e ela concordaria com isso também. Na verdade, quando ela foi abordada pelo produtor executivo de longa data da Marvel Studios, Brad Winderbaum, a respeito do trabalho, Shortland disse francamente à SFX, que ela “realmente não entendia porque eles estavam vindo à mim.” Mas Winderbaum foi explicitamente interessado em encontrar cineastas com pontos de vista únicos – como Peyton Reed, Taika Waititi e agora Shortland – que ele fez abundantemente claro em sua chamada inicial. “Quando falei com ele sobre o que eles queriam, por que me abordaram e sobre a jornada que eles queriam fazer para esses personagens, eu pude entender”, explica ela. “Então tudo ficou realmente cimentado quando falei com Scarlett.”

Como a vencedora do papel de Romanoff desde que Jon Favreau a escalou, Johansson teve muito a dizer sobre quem iria dirigir Viúva Negra. Fã do filme Lore de Shortland, a atriz instigou sua primeira conexão pedindo a diretora uma lista de seus filmes e músicas favoritos. Os dois então trocaram listas e discutiram. “Isso foi realmente lindo”, diz Shortland com um sorriso. “Nós pudemos ver que tínhamos gostos semelhantes. Mas também dos filmes de que gostávamos, o que gostávamos neles era que tinham coração. Seja um filme artístico ou um filme comercial, era sobre a jornada do personagem. E é isso que tentamos fazer com a Viúva Negra: dar a ela uma jornada realmente forte através do filme.”

Shortland então apresentou à equipe um pitch reel – padrão para novos diretores que chegam aos estúdios da Marvel – que retratava visualmente como seria sua versão da Viúva Negra. Trabalhando com o editor Danny Lachevre na Austrália, Shortland reuniu “um incrível trailer” com videoclipes e filmes que apresentavam uma sensação de “a coreografia da guerra. Vimos muitos filmes que eram realmente regulamentados e videoclipes, onde eles usam quase linhas fascistas de Busby Berkeley e coisas assim”, explica ela.

“E entre eles havia uma mulher e uma criança em uma situação muito vulnerável. E o que eu fiz – porque eu sabia que o personagem tinha morrido no Ultimato – foi conectar isso a uma ideia de eternidade. O que significa ser infinito e viver? Havia essa conexão com a natureza.”

Essa visão garantiu a Shortland o emprego. Eles então mergulharam na elaboração do roteiro em uma exploração da família encontrada, um teste das proezas físicas de Romanoff diante de um inimigo – Treinador – que também veio do programa Sala Vermelha, e algo que finalmente revela a Natasha que existe fora de seus círculos de apoio.

“Não há muitas situações nos filmes [dos Vingadores] em que ela está sozinha”, observa Shortland. “Mesmo a forma como ela se move fisicamente nesses filmes, é como se ela estivesse sendo observada. Então, a primeira coisa que eu queria fazer era ficar com ela sozinha. Especialmente para o público feminino, então poderíamos vê-la como ela seria se não fosse observada – porque as mulheres são realmente diferentes quando estamos em público e quando estamos sozinhas, e você nunca a vê assim. Foi crucial para mim saber: como ela anda quando está sozinha? Como ela come? Todas essas coisas. Eu queria vê-la primeiro como uma mulher e depois como uma super-heroína.”

A família anterior de Natasha, também membros do programa de treinamento Viúva Negra, serve para revelar outras facetas da mulher. Reunindo-a com o pequeno grupo sofrido, a pequena “irmã” Yelena Belova (Pugh), “mãe” Melina Vostokoff (Weisz) e “pai” Alexei Shostakov (Harbour) foi uma oportunidade de fornecer contexto sobre as escolhas que Romanoff fez antes, e continua a fazer.

“O que era importante para mim era que essa família não era biológica”, diz Shortland. “Meus filhos são adotados, então me relacionei com a ideia de uma família construída e de amar as pessoas pelo que são, ao invés de uma constituição biológica, suponho. Você fala sobre sua família biológica, mas às vezes sua família encontrada é tão crucial. E o que isso significa? Nós também olhamos para isso.”

Shortland diz que o filme tem muitas sequências sutis que permitem ao público absorver a dinâmica do relacionamento que ajudou a moldar Romanoff. “Eu gosto de momentos em que os personagens estão apenas existindo”, ela pondera. “Tipo, há uma sequência curta realmente ótima em que as duas garotas acabaram de sair de um posto de gasolina. Eles estão dirigindo um carro roubado e são apenas essas duas irmãs conversando, e isso é realmente lindo.”

“Então eu realmente amei um momento em um helicóptero com David [Harbour], quando ele se juntou às duas meninas. É quase como os primeiros momentos de tentativa quando a família se reúne. O mesmo com Rachel, quando ela volta. Há belos momentos com O-T [Fagbenle] também.”

Quando chegou a hora dos momentos de super-heróis, Shortland diz que estava determinada a abraçá-los inteiramente, mas de um novo ponto de vista. “Era preciso haver um senso de verdade nas lutas”, explica ela. “Quer dizer, fico entediado de ver lutas em que não entendo o que está acontecendo.”

Shortland diz que conversou muito sobre isso com Johansson, que consistentemente fez muitas de suas próprias cenas de ação nos filmes do Marvel Studios. “Ela é incrível nas acrobacias e nas sequências de ação. E porque eu não tinha feito sequências de ação antes, eu queria fazê-las melhor.”

Eles conseguiram isso voltando à ideia de expor a Natasha que está pressionada e no limite. “Eu não estava interessada no esmalte”, diz Shortland. “Eu não estava interessada no verniz. Eu queria ver o que ela estava por baixo. Então o que foi realmente lindo é que eu queria ter aquela crueza e ter o espetáculo. [Natasha] cria o espetáculo, e ela está sempre no centro dele porque ela é nossa estrela brilhante. Ela é o coração do filme. Então foi como se ela também fosse um diamante bruto. Ela poderia ser uma filha realmente crua e fodida, mas, ao mesmo tempo, ela estava arrasando.

Para ilustrar, ela cita uma sequência que o público já viu. “Eu adoro quando Scarlett voa pelos ares sobre a prisão no traje branco como a neve. Fui inspirado por Nicole Kidman em Moulin Rouge!, no sentido de que eu só queria este momento em que temos toda essa violência masculina por baixo dela que é realmente caótica. E então esta mulher está simplesmente flutuando acima dele, observando-o.”

Enquanto muitos presumem que a Viúva Negra servirá como canto do cisne para Romanoff, Shortland é rápida em desafiar essa ideia. “Eu tratei muito isso como este momento da vida dela”, explica ela. “Mas o que eu respeitei foi que o público tinha visto o Ultimato, então eu queria conectá-la a um universo mais amplo”

Ela pessoalmente espera que haja mais histórias na complexa história de Natasha que valha a pena revelar – e dependendo da recepção que esta recebe, ela está muito aberta para ajudar a contá-las.

*zeitgeist = O termo refere-se ao conjunto do clima cultural e intelectual de certa época do mundo, assim como as características genéricas que pertencem a um determinado período de tempo.

OH, ESSES RUSSOS!

Florence Pugh como Yelena Belova

“Eu queria trabalhar com Florence desde que vi [o filme de 2016] Lady Macbeth. Quando fiz minha entrevista na Disney, Kevin [Feige] me perguntou em quem eu me inspirava, e ela foi a primeira pessoa: eu disse que seria ótimo tê-la neste filme, e ainda não tínhamos lido o roteiro. Eu apenas pensei, ‘Que pessoa interessante ela é’. Existe um senso de realidade para ela em qualquer parte.

David Harbour como Alexei Shostakov/Guardião Vermelho

“David Harbor é simplesmente fantástico! Ele realmente trabalha duro e faz muitas pesquisas, então foi fantástico trabalhar com ele. Ele é apenas um ator muito, muito bom. Adorei trabalhar com ele.”

Rachel Weisz como Melina Vostokoff

“Rachel Weisz e eu tínhamos conversado e trocado e-mails por alguns anos, mas nunca tínhamos encontrado um projeto. Então é interessante que este projeto foi o único. Mas o que ela sempre dizia, o que era realmente adorável, é que ela nunca sentiu a grandeza do projeto quando estávamos no set, porque conseguimos criar um ambiente de apoio muito simples para os atores.”

Talvez tenhamos que esperar um pouco mais que o planejado para vê-lo, mas Viúva Negra continua pronto para iniciar a próxima fase do Universo Cinematográfico da Marvel, enquanto mergulha no passado de uma personagem crucial…

UM PROBLEMA DE FAMÍLIA

“Esse filme sempre esteve em discussão,” insiste Scarlett Johansson. “Nós só nunca soubemos o que ele seria. Esse filme seria tão diferente se nós tivéssemos o feito 10 anos atrás.” O filme solo da Natasha Romanoff, a Viúva Negra, esteve vindo por muito tempo. E a espera, infelizmente, acabou de ficar um pouquinho maior, quando Viúva Negra se tornou um dos muitos filmes que abdicaram do seu lançamento no primeiro semestre de 2020 para uma data ainda a ser confirmada [confirmada agora para dia 6 de novembro de 2020] por conta da pandemia do novo Corona Vírus (toda essa entrevista foi realizada antes do adiamento da data de estréia.)

Mas, de todas as peças desse gigante, e em constante expansão, quebra-cabeça que é o Universo Cinematográfico da Marvel, Viúva Negra parece ideal para resistir a um atraso. Como o primeiro filme na fase 4 do UCM, ele sucede Homem-Aranha: Longe de Casa e vem seguindo o fio do maior hit das bilheterias, Vingadores: Ultimato, que foi a culminação dos 22 filmes da Saga do Infinito, a série de filmes que mudou o cinema, quando heróis que estrelaram seus filmes solo se uniram para enfrentar a sempre crescente ameaça de um gigante genocida, Thanos. Ultimato também foi o filme que assistiu Natasha realizar o supremo sacrifício, dando sua vida pela Jóia da Alma em Vormir.

Sua morte significa que, necessariamente, este super aguardado filme solo é uma prequela. Situado entre a gigante fratura dos super heróis, Capitão América: Guerra Civil e da estréia de Thanos Vingadores: Guerra InfinitaViúva Negra vai cavar fundo no passado da russa Nat, aparentemente focando no desenvolvimento da personagem a cima de estender a franquia. E a super espiã assassina que virou vingadora tem muita história a ser descoberta, dado seu treinamento na Sala Vermelha, o programa das Viúvas, seu tempo em Budapeste, e todo aquele vermelho em sua conta.

“Eu acho que desde o início quando nós começamos a falar sobre fazer esse filme solo, não tinha porquê fazê-lo a não ser que nós conseguíssemos cavar profundamente e sermos corajosos para ir até alguns lugares,” continua Johansson. “Tendo atuado nessa personagem por uma década, eu queria ter certeza que isso soaria artística e criativamente recompensador pra mim e para os fãs.”

Em suma, não vá esperando uma direta história de origem para a mais elusiva personagem do UCM, que teve sua estréia em Homem de Ferro 2 (2010) antes de aparecer em mais sete filmes futuros. “Ela tem uma história de fundo tão rica,” diz o presidente do Marvel Studios Kevin Feige. “Nós demos dicas ao longo de todos os outros filmes. Mas nós a abordamos em uma maneira completamente inesperada. Ela passou por muitas coisas o tempo inteiro – no meio das vezes que a vimos em outros filmes – várias dessas que serão surpreendentes para o público.”

Um dos pilares do sucesso do UCM tem sido sua habilidade de adaptar seus personagens em surpreendentes escolhas de gênero, como um suspense paranóico (Capitão América: O Soldado Invernal), filme de assalto (Homem-Formiga), comédia de ensino médio (Homem-Aranha: De Volta ao Lar) e fantasia espacial psicodélica (Thor: Ragnarok), Viúva Negra, mais uma vez, irá explorar outro formato inesperado.

“Um dos aspectos do filme é família,” explica Johansson. “O que é família? Como isso nos define? Como nosso passado nos define? Como nossa família- qualquer que seja a definição que nós a damos- moldam quem nós somos, pro bem ou pro mal?” Natasha, a Vingadora rebelde, vai se encontrar em uma missão bem inesperada… um drama familiar. 

“Eu acho que parte da genialidade de Kevin Feige é que ele sempre pensa sobre o que os fãs esperam desses filmes e depois lhes dá algo que eles nunca nem sonhariam,” completa Johansson. “A idéia de Natasha Romanoff em um drama familiar é a coisa menos esperada possível, e eu tive que bater muito a cabeça sobre o que isso seria, porque é uma mudança muito drástica.”

Lutando com a minha família

Não vá esperando um drama qualquer cheio de realismo, no entanto. Nós estamos falando da família de Natasha Romanoff. Um grupo seleto de espiões, toda sua ‘família’ tem alguma ligação com a Sala Vermelha, lugar onde ocorreu o treinamento de Natasha (como mostrado em um flashback em Vingadores: Era de Ultron). Essa família inclui sua ‘mana’, Yelena Belova (Florence Pugh), Melina Vostokoff (Rachel Weisz) e Alexei, o Guardião Vermelho (David Harbour).

Da maneira que Johansson descreve, Natasha e Yelena são uma dupla completamente diferente. “Natasha é super pragmática, enquanto Yelena é só emoção, tudo solto por aí,” ela diz. “Foi maravilhoso poder fazer essas cenas com a Florence porque ela é uma atriz tão incrível – brincalhona e cheia de alma. Foi muito fácil me conectar com ela.”

“Uma das partes mais legais sobre interpretar a Yelena é sobre quão complexa e frágil ela é, para alguém que tem certeza do que faz,” adiciona Pugh. “Ela sabe muito bem agir dentro das áreas que foi treinada, mas ela não tem idéia de como viver como um ser humano. Ela é uma arma letal, mas ao mesmo tempo também é uma criança. Essa é uma de suas melhores características.”

A figura materna Melina tem uma longa conexão com a Sala Vermelha, tendo passado pelo programa das Viúvas quatro vezes. “Melina é basicamente uma Viúva da primeira geração,” diz Johansson sobre a personagem de Weisz. “Ela passou por todas as coisas que a Natasha passou, em uma maneira de quem de algum jeito é ainda mais desumanizador.”

Alexei, de David Harbour, é, de acordo com Johansson, “uma espécie de figura paterna… [Natasha] tem um relacionamento contencioso com ele. Eu acho que em vários aspectos ela é como uma primogênita em sua visão. Ele tem várias expectativas para como ela deve viver.” Alexei – como insinuado por seu capacete e intimidador codinome – é uma espécie de resposta russa para o estadunidense Capitão América. “Enquanto os estadunidenses estavam criando seu herói, os russos estavam desenvolvendo o Guardião Vermelho,” diz a estrela de Stranger Things Harbour.“O problema foi que ele não se tornou tão famoso quanto o Capitão América, e isso é a maior tragédia de sua vida. Ele se sente muito subestimado.”

O que move essa reunião de família é um inimigo comum: um mascarado e armado com um arco e flecha assassino que responde por Treinador, e também tem uma conexão com a o programa das Viúvas. “Ele comanda a Sala Vermelha… elas estão manipuladas,” diz Yelena no trailer, dando a entender que o treinador tem um exército de Viúvas em seu comando.

“Natasha tem que tentar fugir desse formidável inimigo, mas ela está fora de seu jogo,” diz Johansson, “especialmente quando ela começa a enfrentar o estilo de luta do Treinador. Nós estamos acostumados com a Natasha sempre dando um jeito.”

O modo de luta consigo-fazer-tudo-que-você-faz do Treinador mostra ele imitando as habilidades dos oponentes. “Ele tem essa habilidade chamada reflexos fotográficos – então se ele luta com você uma vez ele conseguirá emular seu estilo,” explica o produtor executivo Brad Winderbaum. “Os truques da Natasha podem funcionar em um primeiro embate, mas no round dois e três ele sabe de todos eles e ela tem que se virar pra inventar algo novo.”

Se tornando grande

Na tradição da Marvel, Viúva Negra é dirigida por uma escolha um tanto inconvencional. A diretora australiana Cate Shortland (a quem Scarlett se refere como “nossa destemida líder”) é mais conhecida por seus dramas como Somersault Lore. “As coisas dela são tão profundas e moldam o personagem,” se entusiasma Johansson. “Só de saber que eu a tinha, que nós duas poderíamos construir essa personagem juntas, eu sabia que nós faríamos um trabalho ótimo.”

“Eu acho que o que é empolgante sobre esse filme é que nós estamos brincando com as expectativas do público,” diz Shortland. “Nós estamos explorando partes da Natasha que o público não faz nem idéia que existe. Nós exploramos sua família, amor e paixão, e você consegue ver todas essas facetas dela que nós nunca vimos antes.”

Assim como diz Kevin Feige, “[Cate] percebeu que ela poderia contar uma história muito pessoal e fazer algo muito especial nas telonas.” E isso é um filme de telonas. Filmado por mais de 87 dias percorrendo o Reino Unido, Noruega, Budapeste, Marrocos e Atlanta, Viúva Negra não foi uma produção pequena, com enormes sets, envolvendo mergulhos no céu, perseguições em motos e combates mão a mão.

Dado que Scarlett Johansson tem que segurar tudo isso em seus fortes ombros, é uma coisa positiva que ela tenha tido um treinamento de uma década sobre como lidar com essa personagem.

“Eu por sorte estava em um lugar no qual eu sentia que eu estava mais forte que nunca e que meu corpo tinha essa espécie de memória física e muscular,” diz Scarlett. “E eu sinto, que tipo, que estou atuando nessa personagem por dez anos, eu estive trabalhando para chegar nesse ponto. Eu estou mais velha agora, e as coisas doem um pouco mais e por um pouco mais de tempo. Mas eu definitivamente me sinto em um momento que eu estou muito mais capaz do que eu estava em 2009.”

Além do previamente mencionado mergulho no céu e da sequência de perseguição em Budapeste, Johansson tem expectativas altas para as cenas de ação nesse filme. “Eu provavelmente sou tendenciosa,” ela admite, “mas eu acho que nós temos umas das melhores cenas de ação de todo o UCM. Elas são o local de fala da Natasha. É uma parte muito importante para contar a história e entender onde a Nat está mentalmente em cada cena. Ela não tem nenhum super poder, então vem tudo dela… É chocante o tanto de dublês que nós tivemos no set em qualquer momento. O poder dessas mulheres todas na mesma sala é algo que eu nunca tinha visto antes. Foi incrível estar rodeada por todas essas mulheres fodas e poder jogar baixo e sujo com elas.”

Apesar de toda essa ação foda, Viúva Negra promete enriquecer a vida da personagem cujo destino nós já conhecemos, adicionando contextos valiosos para sua luta com seu parceiro de longa data Gavião Arqueiro, para decidir quem iria se sacrificar em Vormir. “Em Vingadores: Ultimato, nós vimos Natasha chegar a um momento de sua vida em que ela poderia fazer esse último sacrifício para um bem maior,” diz o co-produtor Brian Chapek. “Agora nós queremos contar a história de quem ela é como um ser humano e o que levou ela a ser capaz de realizar essa decisão heróica.”

Como diz a própria Johansson, “Eu realmente sinto como se nós tivéssemos a oportunidade para se curar e entender o porquê da Natasha decidir se sacrificar em Ultimato, e de onde veio isso. Nós talvez conseguiremos acreditar que ela encontrou paz nos seus assuntos mal resolvidos que ela tem lutado…” Natasha finalmente resolvendo seus problemas inacabados e limpando todo o vermelho de sua conta? Parece-me que vale a pena a espera.

“Nós temos assuntos inacabados,” diz a Viúva Negra no trailer do seu tão aguardado filme solo. Durante sua carreira nos quadrinhos de 56 anos como uma espiã, vilã, anti heroína, heroína, assassina e mais, Natasha Romanoff protagonizou diversas mudanças – lavagem cerebral, memória apagada, auto reinvenção, morta, clonada, zumbificada e mais em uma série de plot-twists. Além de seu conjunto de habilidades extremamente adaptáveis, o sentimento de que existe mais nela do que ela mesmo saiba ajuda a explicar sua longevidade: ela é praticamente feita de negócios inacabados.

Se você quer se confundir em assuntos relacionados à Viúva, Marvel teve uma personagem com o pseudônimo de Viúva Negra em 1940, seu nome real, Claire Voyant. Ela era telepática, mas isso é outra história. Apresentada na capa como uma “maravilhosa nova ameaça” Viúva Negra debutou propriamente em Tales of Suspense #52 em 1964, sob a criação de Stan Lee, Don Rico e Don Heck. Com a missão de ajudar seu companheiro Boris Turgenov assassinar o ex cientista soviético Professor Vanko, Madame Natasha era uma desonesta e não fantasiada super espiã russa. Além de infiltrar as Indústrias Stark (uma passagem bem desenvolvida em Homem de Ferro 2) ela não fazia muita coisa no inicio, apenas ataques sorrateiros com intenções maldosas. Mas ela é uma agente sagaz da Guerra Fria, capaz de transformar qualquer situação para sua vantagem.

Depois de seu encontro com o Homem de Ferro, ela continuou sua carreira como uma anti heroína que era dubitavelmente definida por suas relações com homens. Por um tempo, a “amável, brilhante, perigosa” Viúva estava envolvida com um apaixonado Gavião Arqueiro, naquela época um artista de circo suspeito de atividades criminosas. Quando os sentimentos de Natasha por Clint Barton fizeram com que ela duvidasse de sua lealdade, agentes russos realizaram nela uma lavagem cerebral. Em 1965, os russos também lhe deram uma fantasia que faria qualquer um querer desertar: uma meia arrastão com um maiô, com uma mascara ocular que pareciam óculos de vó. Felizmente ela também se armou com diversos equipamentos também.

Capitã Rússia

Romanoff era flutuante neste período. Depois de desertar, ela foi baleada diversas vezes pela KGB e seqüestrada pelo Quarto Vermelho. Ela lutou contra os Vingadores junto com o Espadachim e o Power Man, até que se juntou aos heróis mais poderosos a fim de ajudar a derrotar os racistas Filhos da Serpente, os Ultróides dentre outros.

Algumas semi certezas emergiram, sujeitas a perspectivas aprimoradas ao longo da vida dela. O nome dela é Natalia Alianova Romanova, ou Natasha Romanoff, nos EUA. Nascida em 1928 de pais desconhecidos, ela se tornou órfã quando os soldados nazistas atacaram Stalingrado em 1942mas foi salva pelo soldado russo Ivan Petrovich, que se tornou uma figura paterna para Nat. Em um momento, Petrovich a despachou para a KGB e seu programa de treinamento de Viúvas Negras, também chamado de Quarto Vermelho. Além de receber falsas memórias de aulas de balé, lhe foi garantido uma não usual longevidade, “super” força, um forte sistema imunológico e habilidades de cura, devido aos efeitos do soro do super soldado. Na formatura, ela também ganhou o codinome de Viúva Negra.

Romanoff era casada com o piloto Alexei Shostakov por um período, apesar de seu aparente assassinato ter cristalizado sua dedicação a seu país. Começando com seu reaparecimento como Guardião Vermelho, as subseqüentes e repetidas refusas de Alexei de permanecer morto se mostraram bem traumáticas à Natasha. Em outras histórias dos quadrinhos, ela foi treinada por Bucky ‘Soldado Invernal’ Barnes e Wolverine: Bucky era um amante, Logan um protetor.

Fugindo com o diabo

Uma grande auto reinvenção chegou em 1970. Jurando “apagar todo e qualquer vestígio” de seu “passado amaldiçoado”, Natasha vestiu seu traje preto, talvez inspirada por uma vingadora diferente, a Emma Peel da TV. O novo traje acompanhava o veneno do ferrão da Viúva e uma “teia” para se balançar por ai, além de outros adereços. Como um recente escritor da Viúva escreveu, “Naquele momento, eu acho que isso elevou a Viúva Negra a um ícone.” Junto com os Inumanos ela alcançou o status de co-personagem titular na história Amazing Adventures em 1971, lutando contra vilões fantasiados por oito edições seguidas até que novos laços amorosos apareceram.

As conexões de Romanoff com um vigilante cego Matt Murdock – Demolidor – começaram quando ela se tornou uma vigilante em Nova York. Em várias ocasiões, a Viúva e o Demônio de Hell’s Kitchen ajudaram os Vingadores e se separaram dos Vingadores; a Viúva não era uma jogadora de equipe. A dupla eventualmente se mudou para SanFrancisco depois de Matt terminar com sua amante Karen Page, e se uniu a bandidos de batalha como El Jaguar – dentre outros.

Você quase consegue ouvir os quadrinhos rangerem enquanto a Marvel tenta acomodar o feminismo. Quem sabia que o Murdock poderia ser um homem das cavernas? Quando ele bate na bunda dela, ela o chama de “machista chauvinista”; em outros lugares, ele pede pra ela “escorregar em algo quase ilegal” para uma festa. Em certo sentido, a Viúva Negra se tornou um recorde na luta vacilante da Marvel para evoluir. Ela logo seguiu caminho solo mais uma vez, felizmente. Menos felizmente, ela se tornou uma designer de moda por certo tempo.

Apesar de ainda demorar a estrelar outra história título na Marvel, Natasha se rejuntou com os Vingadores, sofreu com os efeitos das torturas da HYDRA, e readotou a antiga identidade de uma professora chamada Natasha Rushman. Ela também se tornou a líder dos Campeões de Los Angeles, com o Homem de Gelo, Anjo, Darkstar, Motoqueiro Fantasma e Hercules – amante de curta duração da Viúva Negra.

Depois de outros desentendimentos com super poderosos, Nat foi freelancer para os Vingadores e para a S.H.I.E.L.D., até que o escritor Frank Miller engenhou uma reunião problemática com o Demolidor. Juntos, eles enfrentaram a organização de ninjas malvados, o Tentáculo; Natasha morreu, apesar de ser revivida pelo aluno do sensei Stick, Stone, do grupo de ninjas do bem, a Casta. Tensões românticas surgiram entre Natasha e as amantes do Matt, Karen Page e Heather Glenn. Depois, ela teve que salvar um bebê de Matt, que acreditava que a menina era o Anticristo. Erro honesto.

Espelho Negro

Em outros trabalhos como freelancer, ela falhou em uma tentativa de assassinar Nick Fury; destruiu um Modelo de Vida Artificial (um clone robô, na essência) de Alexei, criado por agentes russos; batalhou o programa psicológico da KGB; e confrontou os Vingadores. Em uma história crucial, Natasha enfrentou e trocou de rostos com Yelena Belova, outra Viúva Negra. Depois de um período de aposentadoria, a história Widow’s Hunt de Richard K. Morgan trouxe Romanoff de volta à ação, incluindo diversos aspectos – implantes de memória, aprimoramentos biotecnológicos – da sua história na Sala Vermelha. Em outro surto do seu passado, ela batalhou Vindiktor: seu irmão, há muito tempo dado como morto.

Como uma Vingadora, Natasha enfrentou Ultron e os Skrulls, e apoiou o Ato de Registro dos Super-Heróis. Ela também ganhou um suspense de espionagem estilo-Bourne em Homecoming de Richard K. Morgan. Mas a Viúva Negra como conhecemos nas telonas foi melhor estabelecida nos quadrinhos em Deadly Origin (2009) de Paul Cornell, o qual interrogou o passado estilhaçado de Natasha. “Quando você vai achar alguém completo para ser?” perguntou a ela Ivan.

Ela não tem pressa aparentemente. A história de Romanoff mais uma vez sofreu um plot twist no arco de evento Guerras Secretas, quando ela revisita uma missão de matar uma família. No arco do Império Secreto, ela morre, quando o escudo de um Capitão América do mal quebra seu pescoço. (Graças a deus pelas silenciosas iniciativas de clonagem…). Em outro lugar, Viúvas de um universo alternativo incluíam a monstruosa, assassina de crianças, versão do Universo Supremo da Terra-1610. Na edição Marvel 1602 de Neil Gaiman (super-heróis a frente de seu tempo), ela é a “mulher mais perigosa da Europa”, até ser assassinada pelo Conde Sinistro.

Depois de um tempo como um zumbi, Romanoff foi vista recentemente como uma super violenta, clone de volta dos mortos em No Restraints Play, uma brutal e sem limites virada na história da Viúva, dos gêmeos Jen e Sylvia Soska. Quais são as chances do UCM adaptar uma história em que Natasha mata os envolvidos em um esquema de tortura de crianças? Muito pouca, certamente. Mas uma coisa é certa: mesmo depois de sua morte, a história da Natasha ainda não está pronta para acabar.


Tradução e Adaptação: Scarlett Johansson Brasil.

Traduzimos a matéria do site We Got This Covered que revelou com exclusividade qual personagem será o vilão principal do filme, confira abaixo:

Uma vez que Vingadores: Ultimato está fora do caminho, o MCU estará avançando com alguns novos projetos muito interessantes. Um dos mais esperados e mais atrasados ​​tem que ser a Viúva Negra, na qual a icônica super-espiã de Scarlett Johansson finalmente conseguirá ser o centro das atenções.

Temos ouvido relatos conflitantes da Marvel Studios sobre o que o filme realmente será, com rumores de que ele seria definido em torno do bug do milênio (problema do ano 2000) para o outro lado. Marcado para filmar em junho, devemos saber mais em breve. Mas a partir de agora, podemos pelo menos confirmar, graças à nossa fonte confiável, que o principal vilão será o Taskmaster (baseado na versão ultimate), e que a Marvel Studios quer a estrela de Moonlight André Holland para o papel.

Para aqueles que não estão familiarizados com o Taskmaster, ele é provavelmente um dos mais importantes vilões da Marvel que nunca chegaram na tela grande. Seu truque é que ele tem memória muscular perfeita, o que significa que tudo o que ele precisa fazer para aprender um estilo de luta é observar alguém usando-o. Como tal, o personagem é um espadachim especialista, artista marcial, atirador e atleta.

Ao longo de seu tempo no Universo Marvel, ele observou e absorveu poderes de todos os tipos de heróis, incluindo as habilidades do Gavião Arqueiro com o arco, as habilidades de arma de fogo do Justiceiro e a habilidade atlética do Demolidor. Curiosamente, o único herói que ele é incapaz de imitar é Deadpool, já que ele é inerentemente imprevisível. É fácil imaginar como o Taskmaster funcionaria como um adversário da altamente treinada e habilidosa Viúva Negra, potencialmente combinando suas habilidades com artes marciais e armas ao longo do filme e a forçando a se adaptar de maneiras novas e criativas.

Seria ótimo ver o André Holland participar também. O ator está na sua ascensão ultimamente, tendo virado cabeças em Moonlight, Selma e no show Castle Rock. Tenho certeza de que estaremos aprendendo mais sobre a Viúva Negra muito em breve, mas enquanto isso, diga-nos, você quer ver o Mestre de Tarefas como o vilão?

A Coca-Cola enviou para lojas do mundo todo (sim, tem no Brasil!) as latinhas e garrafas com o rosto dos personagens de “Vingadores: Ultimato”.

Os heróis que estampam as latinhas e garrafas são Viúva Negra, Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Gavião Arqueiro, Capitã Marvel, Homem-Formiga, Rocket e o Titã louco, Thanos.

Confira fotos dos produtos abaixo:

Foto promocional das latinhas com os seis vingadores originais e a Capitã Marvel

Foto tirada no Brasil das latinhas

As garrafas vão vir com adesivos dos personagens atrás do rótulo, veja abaixo:

Aqui no Brasil as latinhas já chegaram em alguns estados e logo mais elas e as garrafas vão chegar em todos o país então procurem nos pontos de vendas mais perto de vocês!

Comprem a latinha da Natasha e postem nas redes sociais de vocês com a hashtag: #VingadoresUltimato e podem nos marcar, iremos adorar ver as fotos!

O filme estréia aqui no Brasil no dia 25 de Abril.

A atriz em ascensão Florence Pugh está em negociações para contracenar com Scarlett Johansson em Viúva Negra, o longa-metragem da Marvel sobre a heroína dos Vingadores.

Cate Shortland, a cineasta australiana talvez mais conhecida pelo drama nazista “Lore”, está dirigindo o projeto que deve ser filmado em junho, em Londres.

Detalhes do enredo estão sendo mantidos atrás da cortina de ferro, mas será uma história ambientada internacionalmente centrada em Natasha Romanoff, uma espiã e assassina que cresceu sendo treinada pela KGB antes de romper com suas garras e se tornar um agente da SHIELD.

Pugh vai interpretar uma espião no mesmo nível de Romanoff, provavelmente seu oposto.

Jac Schaeffer escreveu o rascunho mais recente do roteiro do filme.

Pugh, representada pela WME e Bloom Hergott, já tem trabalho de espiã em seu currículo, tendo atuado como agente secreta na minissérie da AMC, The Little Drummer Girl. Ela também apareceu em The Outlaw King com Chris Pine e o muito elogiado drama familiar Fighting With My Family.

A Marvel não comentou sobre.