Alguns veículos de mídia visitaram o set de Viúva Negra em 2019, e o Collider publicou a entrevista completa. Confira a tradução na íntegra feita pelo SJBR:


Do set de Viúva Negra em 2019, Johansson fala sobre a longa jornada de sua personagem.

Em 2019, a Disney trouxe Collider e alguns outros jornalistas a Londres para visitar o set de seu muito aguardado novo filme do MCU, Viúva Negra, que estava em produção na época. Mal sabíamos que a data de lançamento planejada para 2020 seria adiada em mais de um ano, tornando a espera pelo filme da Viúva Negra ainda mais longa. Viúva Negra deve chegar aos cinemas em 9 de julho de 2021 (além de ser lançado simultaneamente na Disney + via Premier Access), o que significa que podemos finalmente compartilhar o que aprendemos no set da Viúva Negra. Tivemos a sorte de falar com várias pessoas que trabalharam no filme, incluindo a própria Viúva Negra, Scarlett Johansson, que interpretou Natasha Romanoff (a Viúva Negra titular), desde 2010. Conversamos com Johansson sobre o legado de Natasha no MCU e como a personagem evoluiu desde sua estreia em Homem de Ferro 2, e como sua caracterização naquele filme era hipersexualizada. Também discutimos seu relacionamento com sua irmã-não-irmã Yelena Belova, interpretada no filme por Florence Pugh, e como a relação entre Natasha e Yelena mudou antes do início das filmagens.

Então, Yelena parece ser uma parte fundamental do arco de redenção de Natasha. Você poderia falar um pouco sobre esse potencial?

Sim. Nós sabíamos que queríamos incluir a personagem Yelena muito cedo, mas essa personagem realmente se transformou ao longo dos meses de preparação e desenvolvimento. A personagem parecia muito – eu não sei como dizer isso. Acho que o que eu diria é que a história de duas mulheres competindo entre si e tentando derrubar uma à outra e meio que destronar uma à outra parecia desinteressante. Simplesmente não parecia o que eu queria explorar e acho que, realmente, o público queria ver. Parecia muito antiquado e não verdadeiro, e então pegando esse sentimento e seguindo esse instinto, o relacionamento se desenvolveu no que é, que é um relacionamento que eu acho que é baseado em uma experiência compartilhada e um conhecimento e uma irmandade. Com isso, vêm muitos sentimentos complicados, é claro. Nem todos os bons e difusos, mas os bem fundamentados. É um relacionamento muito especial. Acho que vai ser muito tocante para muita gente. Tenho muita empatia por esse relacionamento e pela história e trauma de ambas as personagens, e essa história compartilhada, por mais sombria que seja, as aproxima e há muito amor entre elas. Mas, seu relacionamento também é contencioso e tudo o mais que vem com esse tipo de relacionamento de irmã. Acho que a Natasha tem muita compaixão e isso não é necessariamente o que eu teria previsto quando estávamos filmando Homem de Ferro 2 ou Vingadores ou qualquer coisa assim. Você já viu alguns vislumbres disso e isso se desenvolveu ao longo do tempo, pois fomos capazes de trazer a personagem à vanguarda em diferentes instilações, mas ela é uma pessoa muito compassiva e essa paixão é na verdade o que impulsiona muitas de suas tomadas de decisão. Quer dizer, ela também é prática e pragmática e não acho que essas duas coisas tenham que funcionar uma contra a outra. Essa parte dela é o que realmente me comove.

Você sabia sobre a morte da Viúva Negra quando começou a produção e isso afetou sua mentalidade quando começou a filmar?

Começamos a falar sobre esse filme como uma realidade – ele sempre esteve sobre a mesa, mas acho que nunca soube realmente o que seria. Nunca ficou realmente claro qual era o espaço para isso. Este filme teria sido tão diferente se o tivéssemos feito há 10 anos. Isso foi em uma época diferente. Acho que todos podemos concordar nisso. Muitas pessoas me perguntam por que não fizemos isso antes, mas de certa forma – tenho certeza que há muitos motivos para isso – de certa forma, estou muito grata que está acontecendo agora, porque podemos realmente fazer um filme sobre coisas reais e o público quer isso. Acho que sempre quiseram isso. Agora o estúdio já está em dia com isso, o que é bom. É tudo de bom. Antes tarde do que nunca. Este filme se tornou mais real, eu acho, quando estávamos filmando Guerra Infinita, então eu sabia sobre o destino da personagem. Foi útil, é claro, porque ajudou a informar quando estávamos falando sobre quando esse filme seria realizado. Isso foi importante e também foi legal de certa forma. Não havia urgência em fazer isso, então fizemos porque queríamos de uma forma, que é muito melhor do que fazer algo porque você tem que fazer.

Existe uma espécie de sexualização dos super-heróis. Como isso afetou a Viúva Negra?

Sim. Definitivamente mudou e eu acho que parte dessa mudança provavelmente mudou – é difícil porque estou dentro dela, mas provavelmente muito disso vem de mim também. Terei 35 anos e sou mãe e minha vida é diferente. Obviamente, 10 anos se passaram e coisas aconteceram e eu tenho uma compreensão muito diferente e mais evoluída de mim mesma. Como mulher, estou em um lugar diferente na minha vida, sabe? E me senti mais indulgente comigo mesma, como mulher, e não – às vezes provavelmente não o suficiente. Estou me aceitando mais, eu acho. Tudo isso está relacionado ao afastamento do tipo de hipersexualização dessa personagem e, quero dizer, você olha para trás, para Homem de Ferro 2 e, embora tenha sido muito divertido e tenha tido muitos momentos ótimos nele, a personagem é tão sexualizada, sabe? Realmente falada como se ela fosse um pedaço de algo, como uma posse ou uma coisa ou qualquer que seja – como um pedaço de bunda, na verdade. E Tony até se refere a ela como algo assim em um ponto. O que ele diz? “Eu quero uma.” “Eu quero uma.” Sim e em um ponto chama ela de um pedaço de carne e talvez naquele momento isso realmente tenha parecido um elogio. Você sabe o que eu quero dizer? Porque meu pensamento era diferente. Talvez eu até tivesse, você sabe, meu próprio valor provavelmente foi medido em comparação com esse tipo de comentário ou, como muitas mulheres jovens, você assume o seu próprio valor e entende seu próprio valor. Está mudando agora. Agora as pessoas, meninas, estão recebendo uma mensagem muito mais positiva, mas tem sido incrível fazer parte dessa mudança e ser capaz de sair do outro lado e fazer parte daquela velha história, mas também do progresso. Evoluir. Eu acho muito legal.

Qual é a sua perspectiva de quando esse filme acontecer? Sabemos que foi logo depois de Guerra Civil, mas o que isso significa para Natasha?

Sim, depois de Guerra Civil parecia um bom momento para começar. Quer dizer, nunca pretendemos fazer uma história de origem. Nunca quis fazer uma história de origem porque simplesmente não queria voltar. Eu queria seguir em frente. Mesmo que estejamos voltando, tudo faz sentido quando você vê. Mas, parecia um bom momento porque Natasha sempre fez parte de alguma operação. Ela sempre foi uma operária e ela realmente nunca teve que, para melhor ou pior, tomar qualquer decisão por si mesma. Ela tomou decisões, mas ela é parte deste todo maior – seja a Sala Vermelha ou SHEILD ou Os Vingadores, você sabe – ela teve esse tipo de família, para melhor ou pior, e depois de Guerra Civil acabou. Tudo se foi. Tudo se foi e pela primeira vez, na verdade, ela está sozinha. Ela poderia desaparecer totalmente no éter e pronto. Ela não tem que voltar para nada. Que é um lugar muito assustador quando você está apegado a algo por tanto tempo e agora está flutuando de repente. Obviamente, ela é muito autossuficiente. Quero dizer, ela tem conexões em todos os lugares e o que for, mas ela está meio que fugindo e se sentindo uma fugitiva e é um lugar muito interessante para começar. Tipo, todas as peças estão em todos os lugares e como podemos conectar tudo novamente? Quando você a encontra no início do filme, ela simplesmente está quebrada. Até o final do filme o objetivo é colocá-la de volta no lugar diferente de antes, sabe? E nós, Kevin e eu, no início, concordamos que estava claro que aquele era o melhor lugar para começar na linha do tempo. Isso nos deu muita grade e todas as possibilidades e sempre dissemos que se os Vingadores estivessem acima e então digamos que todos os personagens vilões estão abaixo de alguma coisa negra subterrânea, a coisa mais interessante sobre Natasha é que ela pode ir entre os dois perfeitamente e sua lealdade nem sempre é tão clara. Ela não segue a mesma bússola moral e uma área cinzenta é um lugar legal para se viver.

Então, as heroínas nem sempre foram fortalecidas nas histórias, mas temos exigido muito mais agora das heroínas e a capacitação significa coisas diferentes para pessoas diferentes agora. Eu só estava me perguntando qual empoderamento, para você, como isso mudou desde que você começou a interpretar Natasha e como isso é interpretado nesta versão de Natasha?

Bem, eu acho que na verdade volta à outra questão sobre essa coisa de hipersexualização porque eu acho que Natasha usa sua sexualidade como um meio de sentir, de manipular uma situação e então ser coquete e dissimulada e então ela vai aceitar suas pernas para fora, certo? Ela vai ser sedutora dessa forma, e esse é o seu poder. Seu poder está em sua sexualidade, e isso mudou com o tempo, certo? Sua força era na verdade sua vulnerabilidade. Esse é o tipo de lugar em que estamos de vez em quando em Ultimato, ela se sacrifica por amor. Ela salva seu amigo. Ela salva a todos. E eu acho que apenas estar nesse tipo de pensamento e ser capaz de tomar essa decisão, esse ato altruísta é tão incrivelmente poderoso. É incrível que ela pudesse estar naquele lugar para fazer isso. Então, foi uma evolução interessante e foi interessante descobri-la com cada diretor com quem trabalhei e o que eles veem. O que eles estão interessados e que lado eles querem descobrir. Com Cate é tão libertador porque ela não tem medo de nada da feiura ou – não precisa ser feiura, é até mesmo as partes embaraçosas ou desconfortáveis, como o ponto fraco, tudo isso. É sobre isso que ela quer fazer filmes. Então você vê Natasha em sua força real e verdadeira neste filme mais do que nunca.


A “Collider” também falou com Florence Pugh, sobre Yelena Belova, sua história, personalidade e relação com Natasha Romanoff, confira:

Como é o seu relacionamento com a Nat?

FLORENCE PUGH: Como é o meu relacionamento com a Nat? Confuso, malcriado, emocional, e exatamente o que você espera que uma irmã mais nova seja. Yelena é profundamente irritante e meio que zomba de tudo que a Natasha faz. Mas fundamentalmente, elas têm um relacionamento muito único e forte que as guia ao longo do filme.

O que você acha dos amigos Vingadores dela?

PUGH: Eu não sei o que a Yelena acha deles. Focou bastante naquela história. É realmente mais sobre nossa família e de onde viemos e como estamos quebrados e como consertamos isso. Tenho certeza que existe espaço para tudo isso em algum lugar.

Como é o seu relacionamento com o Alexei e a Melina?

PUGH: Igualmente, tudo o mesmo. Então, nós conhecemos esses personagens quando eles meio que já se desenvolveram como adultos longes uns dos outros. E entender esses relacionamentos como adultos é confuso porque eles ainda têm os mesmos padrões que quando eram crianças ou quando eram pais. Entender tudo isso foi tão divertido, especialmente com David e Rachel. Eles meio que são essa família russa doida, maluca e barulhenta e eles têm muito amor um pelo outro.

O que você ama sobre a sua personagem? O que você acha que ela pergunta sobre o Universo Marvel?

PUGH: O que eu amo sobre a Yelena — e a Yelena que nós criamos, mesmo em termos de roupas — é que não tem mensagem. Não tem sinos nem assovios com ela. Ela meio que faz o trabalho e isso pode ser lutar com alguém ou xingar alguém, é bastante direto. E eu amei interpretá-la. Ela está pronta para lutar, seja uma discussão ou algo físico — nada vai parar ela.

Como tem sido a experiência de fazer o seu primeiro filme da Marvel

PUGH: Eu nunca fiz um filme dessa escala. Obviamente tiveram outros, mas é incrivelmente assustador recebê-lo e saber que tipo de preparação você deve estar fazendo no seu próprio tempo, que preparação é esse que a Marvel espera que você faça, o quão físicos são os papéis, e isso é algo sobre o qual eu definitivamente não tinha ideia do que eles estavam esperando de mim e a Scarlett foi super prestativa com tudo isso, e sentar lá e ouvir o que ela tinha para dizer sobre os últimos 9 anos da sua, eu acho, carreira nesse Universo Marvel.

E você escolheu alguns filmes incríveis e já tem um próximo vindo, mas o quão pronta você está para a sua vida mudando completamente e virar uma das pessoas mais reconhecíveis do planeta?

PUGH: Sabe que é engraçado que eu tava tipo, “Oh, ótimo! Eu vou estar em um filme da Marvel!” e desde estar em um filme da Marvel todo mundo me perguntou isso e eu fico tipo, “Oh, Deus! O que é que vai acontecer?” Eu não sei. Eu acho que é uma coisa maravilhosa ter seguidores e ter fãs e pessoas respeitando o meu trabalho e respeitando o fato de que agora eu sou parte do Universo Marvel e eu acho que eu terei que ver. Mas eu sempre fui uma pessoa muito honesta e aberta com entrevistas e com os fãs e eu espero continuar fazendo isso e é uma coisa maravilhosa fazer parte de uma família tão grande e que ainda continua crescendo.

Então, como Yelena, teve alguma superheroína que você se inspirou ou te ajudou para entrar na personagem?

PUGH: Essa é uma pergunta muito interessante porque é verdade que existem filmes — eu cresci com Charlie’s Angels e eu sei que não têm similaridades entre isso e aquilo de maneira alguma, mas só o fato de que eu tive que entrar em todo esse “É! Eu sou uma garota e vou dar pontapés!” e pra falar a verdade uma das habilidades da Yelena é que ela dá pontapés muito bons.

Quais são os sentimentos da Yelena sobre o Programa de Treinamento de Viúvas Negras?

PUGH: Boa pergunta. Eu acho que essa é um dos pesares desse filme que é essencialmente sobre mulheres que foram abusadas. Seja por um sistema ou abuso físico. Elas todas estão de alguma maneira presas e eu acho que esse filme é a percepção da vida que foi tirada delas e é como a Natasha e a Yelena começam a reparar isso, eu acho. Então, eu não acho que ela está feliz. Ainda assim, é a única coisa que ela conheceu, então eu não sei.

Como tem sido fazer cenas de lutas?

PUGH: Incrível. Então, eu amo o processo delas. É provavelmente a minha coisa favorita desse papel e eu me apaixonei pelo que movimento e ação e acrobacias quando eu fiz um filme de luta, Lutando Pela Família, então o processo até aqui eu sabia que era intimidador, mas eu gostei muito, e na verdade o elenco de dublês ficam tão animados que você fica querendo fazer mais. Eles realmente, realmente querem que você faça o máximo possível. Dentro das primeiras duas semanas depois de conseguir o papel eu estava em um armazém aprendendo como, sabe, chutar com um dos melhores kickboxers por aí e é incrível o quanto eles querem que você aproveite e faça e eles vão criar lutas que você é capaz de fazer se você quiser e foi tão animador. Digo, é, eu sempre pensei que era um todo muito maior, e estar lá e realmente empurrar a Scarlett Johansson contra o balcão da cozinha foi o primeiro dia que eu trabalhei com ela e a gente não tinha se encontrado antes. Foi tipo, “Oi, eu vou te bater agora!” mas foi ótimo e a gente se apaixonou durante aquela cena porque foi tão bagunçada e foi legal.

As entrevistas foram traduzidas do site da Collider.